Cabeçalho Futebol NacionalEm jogo em atraso da 26ª jornada, com tarde solarenga mas pouco público, como a Covilhã já nos tem vindo a habituar, o Sporting da Covilhã e o Portimonense ficaram frente a frente para lutar pelos três pontos que a neve de há semana e meia não deixou disputar.

O Covilhã, dono e senhor deste jogo, entrou forte e destemido, tendo logo duas oportunidades perigosas em poucos minutos. Logo na primeira jogada da partida, Harramiz , depois de um grande passe de Erivelto, não conseguiu dominar bem a bola, perdendo-a em frente à baliza. A segunda foi através de Erivelto, que trocou as voltas à defensiva algarvia e seguiu isolado para a baliza. Valeu Ricardo Ferreira, que saiu da sua área para aliviar para fora.

A equipa da Beira Baixa não tirava o pé do acelerador e continuava à procura do golo. Desta vez, foi Chaby a não conseguir encostar para golo. O Portimonense tentou controlar o ímpeto covilhanense, mas os seus ataques eram tímidos e sem perigo, estando bastante encostado ao seu meio-campo.

A primeira chamada de atenção da equipa algarvia aconteceu já depois dos vinte minutos, com Fabricio, à entrada da área, a rematar forte, mas à figura de Igor Rodrigues, que defendeu a dois tempos.

O golo do Covilhã chegou com naturalidade, por parte de Harramiz. Diarrá, do lado esquerdo, conduziu a bola desde o seu meio-campo até perto da área algarvia, passou para Chaby, que em posição frontal, fora da área, rematou forte à baliza. Ricardo Ferreira defende para a frente e aparece Harramiz na emenda para encostar para o fundo das redes.

Anúncio Publicitário

A partida chegou ao intervalo com uma clara superioridade do Sporting da Covilhã, não dando espaço ao líder do campeonato para ter jogadas de perigo, estando sempre encostados ao seu meio-campo, de forma a proteger a sua fraca defensiva.

Harramiz marcou o golo solitário deste jogo. Fonte: Facebook do Sporting Clube da Covilhã
Harramiz marcou o golo solitário deste jogo.
Fonte: Facebook do Sporting Clube da Covilhã

A primeira grande oportunidade da segunda parte veio, novamente, dos pés da equipa da casa, com Erivelto a rematar cruzado dentro da área de Ricardo Ferreira e a bola a rasar o poste contrário.

Após a entrada de Pires, a turma de Portimão ganhou metros no terreno, chegando mesmo a ameaçar a baliza de Igor, valendo a atenção do mesmo.

Do outro lado, Chaby fazia as delícias dos presentes, trocando as voltas aos defesas adversários e estando presente na maioria dos ataques da sua equipa.

O Covilhã continuava por cima do jogo e, depois de um livre batido pelo Portimonense sem efeitos práticos, os covilhanenses contra-atacaram por parte de Chaby e Medarious, fazendo a bola chegar a Diarra, que desperdiça uma oportunidade clara de golo.

Numa altura em que o Portimonense estava em crescendo, Sarpong agarra Harramiz dentro de área, com Carlos Macedo a apontar para a marca de grande penalidade sem mostrar qualquer indecisão. Chamado à conversão, Gilberto desperdiçou a soberana oportunidade, rematando muito ao lado do alvo.

Os últimos dez minutos foram completamente frenéticos, com Igor a salvar a honra da casa. Pires, através de um excelente cabeceamento, viu Igor fazer a defesa da tarde, esticando-se em direção ao seu canto superior esquerdo para socar a bola para canto.

Ainda houve tempo para Ponde fazer um remate espectacular à meia volta, fora da área, aproveitando a saída do guarda-redes algarvio da baliza, mas a bola passou ainda a alguns metros do alvo.

O jogo acabou, então, com uma vitória mais que justa por parte do Covilhã, que foi a única equipa a esforçar-se verdadeiramente para ficar com os três pontos.

O Portimonense mantém assim o primeiro lugar, com oito pontos de avanço em relação ao segundo classificado, o Desportivo das Aves. Por sua vez, o Sporting da Covilhã sobe três lugares na tabela classificativa, para oitavo lugar.

Ambas as equipas jogarão em casa na próxima jornada. Os algarvios vão receber o Fafe e o Covilhã jogará com a equipa B do Futebol Clube do Porto, que actualmente ocupa o 18º lugar da tabela.

Artigo revisto por: Francisca Carvalho