A CRÓNICA: CD COVA DA PIEDADE EFICAZ CASTIGA FALHAS DE SC COVILHÃ

Este era um jogo entre duas equipas que tiveram estreias negativas na Segunda Liga e que procuravam os primeiros pontos. O CD Cova da Piedade vinha de uma pesada derrota em casa por 4-0 frente ao CD Mafra e o SC Covilhã perdeu na primeira jornada frente ao FC Penafiel por 1-0.

O duelo começou num ritmo baixo, com o Sporting da Covilhã a assumir mais o jogo. No entanto, a primeira grande oportunidade foi do Cova da Piedade aos 18 minutos. Uma combinação do lado esquerdo entre Kakuba e Miguel Rosa que culminou com o remate forte à baliza já dentro da grande área junto ao poste esquerdo da baliza de Bruno Miguel que teve de defender para canto.

O Sporting da Covilhã iria responder depois de ver assinalado um penalty a favor por mão de Varela aos 21 minutos. Gleison ficou responsável pela marcação mas com demasiada cerimónia para rematar acabou por permitir a defesa de Cléber Santana.

Anúncio Publicitário

Quem não marca sofre e foi isso que aconteceu com a equipa da casa. À passagem do minuto 32 minutos, João Amorim cruzou do lado direito do ataque da equipa de Almada com João Vieira a cabecear e a bola a tabelar em Tiago Moreira acabou por entrar na baliza do Covilhã. O primeiro golo estava a feito.

A equipa da casa voltou a assumir mais as despesas do jogo com várias aproximações à baliza na adversária, com destaque para o remate rasteiro de Enoh fora da área que desviou na defensiva serrana e acabou perto defendido por Cléber. Na sequência do lance, Gilberto rematou em zona central fora da grande área com a bola a raspar no poste direito da baliza adversária.

O Cova da Piedade apostava em transições rápidas e acabou assim por alargar a vantagem. Mais uma combinação do lado direito entre os dois Joãos, Amorim a assistir e Vieira oportuno perto do poste direito da baliza a desviar de cabeça para o segundo aos 38 minutos.

Depois destaque apenas para os largos minutos em que o jogo esteve parado para assistir Varela dentro das quatro linhas, com o árbitro a dar seis minutos de descontos.

Daúto Faquirá mexeu na equipa ao intervalo para tentar mudar tirar algo do jogo. Léo Cá e Banguera entraram para dar outra dinâmica ao ataque serrano. A equipa de casa voltou a ter outro penalty a favor, pela entrada fora de tempo de Kakuba sobre Enoh. No entanto, o resultado foi o mesmo. Enoh atirou ao lado do direito da baliza de Cléber, com este a defender mais uma grande penalidade.

Quem não falhou foi Miguel Rosa do lado do Cova da Piedade. O antigo internacional jovem aproveitou uma desatenção entre na defesa serrana para fazer o terceiro aos 53 minutos.

O Sporting da Covilhã tentou através da velocidade de Léo Cá na esquerda a combinar com os móveis Gleison e Enoh, mas o máximo que conseguiram foi testar a atenção de Cléber com defesas de fácil execução. Léo Cá acabou por ser o mais perigoso também testou o guarda redes do Cova da Piedade que afastou a bola defesa incompleta.

O golo serrano acabaria por surgir numa transição rápida pelo lado direito de Enoh. O ex-Leixões um cruzamento rasteiro que acabou dentro da baliza com um desvio infeliz do central Bruno Sapo a fazer auto-golo aos 77 minutos.

A equipa da casa animou e esteve perto de fazer o segundo com Léo Cá a rematar à entrada de área para uma boa defesa do guardião do Cova Piedade.

Com uma vantagem ainda confortável e com o Covilhã a ter mais posse, António Pereira resolveu refrescar o ataque com os experientes Edinho, Sami e ainda Balogun. Os últimos 7/8 minutos do jogo acabou por ser feito mais a meio campo, acabando por a oportunidade mais perigosa ser do cova da piedade com Pepo a galgar metro do lado direito do ataque e a centrar para Sami que com espaço acabou por permitir a defesa de Bruno Miguel.

Vitória justa para a equipa mais esclarecida no jogo.

A FIGURA

Fonte: CD Cova da Piedade

João Vieira – O avançado bisou de cabeça e foi absolutamente decisivo. Com poucas oportunidades, acabou por ser letal dentro da grande área como se pede a um ponta de lança. Veio também muitas vezes para as alas para vir buscar jogo.

O FORA DE JOGO

Fonte: SC Covilhã

Tiago Moreira – A tripla de centrais serrana não esteve bem principalmente no jogo aéreo. No entanto, o central acabou por atraiçoar o próprio guarda-redes no primeiro golo dos visitantes, já depois de ter deixado espaço para João Vieira à vontade. Foi ainda o central sacrificado por Daúto Faquirá quando o treinador dos serranos tentou arriscar.

 ANÁLISE TÁTICA – SC COVILHÃ

Daúto Faquirá manteve o esquema de 5-3-2 que tinha apresentado na jornada inaugural, com 3 centrais. No entanto, fez 3 alterações no onze com destaque para a entrada de um ponta de lança mais fixo, Abdoulaye Daffé, com Gleison e Enoh a municiá-lo.

11 INICIAL E PONTUAÇÕES

Bruno Miguel (6)

Tiago Moreira (4)

Jaime Simões (4)

André Almeida (4)

Jean Philippe (5)

Gilberto (5)

Tiago Morgado (6)

Gleison (6)

Lewis Enoh (6)

David Santos (5)

Abdoulaye Daffé (5)

SUBS UTILIZADOS

Léo Cá (6)

 Edwin Banguera (5)

João Cardoso (5)

Gui (-)

ANÁLISE TÁTICA – CD COVA DA PIEDADE

António Pereira mudou algumas peças do xadrez, com alteração também no esquema tático de 5-3-2 na jornada inaugural para 4-4-2. Um esquema com 4 defesas, com o central recém-contratado Bruno Sapo a entrar direto para o onze e Varela a deslocar-se para médio defensivo. Mais alterações no meio campo ofensivo com a inclusão de Hugo Machado na equipa titular. Miguel Rosa à esquerda e Wilson Kenidy à direita ficaram responsáveis por explorar as alas perto da referência na área, João Vieira. João Amorim e Kakuba também apareceram várias vezes a fazer incursões pelas alas, sendo o primeiro decisivo no resultado final.

11 INICIAL E PONTUAÇÕES

Cléber (7)

Alex Kakuba (6)

Yan Victor (7)

Bruno Sapo (6)

Simão Jr. (6)

João Amorim (8)

Francisco Varela (6)

Hugo Machado (7)

Miguel Rosa (7)

João Vieira (8)

Wilson Kenidy ()

SUBS UTILIZADOS

Arnold Issoko (6)

Edinho (-)

Sami (-)

Balogun (-)

Pepo (-)

BNR NA CONFERÊNCIA DE IMPRENSA

Antes das perguntas dos jornalistas, o treinador do Cova da Piedade, António Pereira, fez uma curta declaração: “Apresentei no sábado o meu pedido de demissão. O Cova da Piedade precisava de melhorar certos aspetos organizativos, vou falar amanhã com o presidente.”

BNR: Há lacunas no plantel? Quais são as áreas mais desfalcadas?

António Pereira: Nós tivemos pouco tempo para preparar para esta liga, três semanas. Nós fizemos a preparação do plantel com contratações e promoção de jogadores dos juniores para disputar o campeonato de Portugal. Temos um plantel muito curto. Tive um dos centrais a pedir-me para ser substituído porque estava exausto mas não tinha soluções no banco para o trocar. Parte central do terreno e central e médios estão mais deficitários. Tivemos um central que chegou há 4 dias e jogou a titular.

BNR: O objetivo inicial da sua equipa era o controlo da posse de bola e o domínio do jogo até com a entrada no onze de uma referência na área, Daffé?

Daúto Faquirá: Nós queríamos dominar, ainda para mais a jogar em casa. O objetivo é sempre dominar e ganhar. Olhámos para o nosso jogo em Penafiel, onde tivemos mais bola, mas fomos ineficazes ofensivamente. Colocámos mais gente no processo ofensivo. Libertámos o Enoh com um jogador mais fixo como é o Daffé. Tentámos criar alguma surpresa com a inclusão do Gleison que esteve condicionado durante a semana perto do Daffé. Em termos de entrega, de caudal de jogo, foi irrepreensível. Falhámos o penálti e sofremos dois golos que abalaram a equipa. Tivemos hipótese de fazer o 2-1 logo no início da segunda parte que poderia relançar o jogo mas não conseguímos. Depois tivemos uma série de contrariedades. Faz parte lidar com estas adversidade. A equipa tem capacidade para dar a volta por cima, mantendo a ideia de jogo.

Rescaldo com a opinião de Pedro Filipe Silva