Anterior1 de 4Próximo

Cabeçalho Futebol Nacional

 

O apito inicial de André Narciso foi como que o tiro de partida da época 2017/18 para Académica e Arouca. Ambas as equipas partiram na mesma posição, mas foram os arouquenses a distanciar-se, ao garantir o apuramento para 2ª eliminatória da Taça da Liga.

A Académica ganhou a frente da corrida nos primeiros instantes da partida, ajudada não só pela passividade arouquense mas também pela boa dinâmica apresentada e … pela inspiração de Ki – o sul-coreano esteve perto do golo em duas ocasiões (aos 10 minutos, sentou Nuno Coelho e atirou perto do poste e aos 15 cabeceou para defesa apertada, numa recarga de um lance bem gizado por Guima) e ofereceu-o noutra (Bracalli, guarda-redes arouquense, travou o remate de Marinho)

O Arouca era como um corredor pálido, desgastado com aquilo que tinha que percorrer até alcançar o advesário. Mas lá se foi recompondo com os gritos do seu técnico, ainda que não tenha dado sinais de perigo evidente – só Cícero ameaçou, naquele que seria um bom trabalho individual… não fosse o remate final ter saído perto da bandeirola de canto.

O segundo tempo começou num ritmo mais lento que o primeiro. A Académica não acelerou tanto e o Arouca, atacava só pela certa ainda que não conseguisse criar perigo. Resultado – o único dado relevante do primeiro quarto de hora do segundo tempo foi… a lesão de Ki e a consequente estreia do menino (recém-profissional) David Teles.

Com o acumular dos minutos, o desgaste físico começou a deixar marcas, sobretudo nos jogadores da Académica, e foi o Arouca quem se impôs no jogo, sob a batuta de Palocevic. O sérvio colocou Adílio e Kuca na cara do golo, mas ambas as oportunidades foram desperdiçadas. Mais tarde, já no tempo de compensação, Bruno Lopes (entrado para o lugar de Cícero), disparou em boa posição, mas à figura de Ricardo Ribeiro, naquele que foi o canto do cisne relativamente a oportunidades de perigo. Chegava o fim do encontro e, com ele, as grandes penalidades. Aí, e já depois de Mike ter falhado o golo, Bracalli defendeu o remate de Empis, dando uma vantagem que os arouquenses não desperdiçaram.

Com esta vitória, o Arouca consegue não só o apuramento para a próxima fase da Taça da Liga, como também um importante ascendente psicológico sobre outro dos candidatos à subida à Primeira Liga. Porém, isto foi só um sprint, e a época é uma maratona.

Anterior1 de 4Próximo

Comentários