Anterior1 de 3Próximo

Raça e superação são o que melhor definem o Sporting CP, que hoje fez uma “remontada” incrível no Estádio Municipal de Portimão para disputar o terceiro e último jogo do grupo C da Taça da Liga, em que só a vitória e uma escorregadela do Rio Ave FC em casa interessavam ao Sporting CP.

Houve um pouco de tudo neste jogo: a turma de Silas esteve a perder por duas bolas a zero, viu-se reduzido a dez unidades após a expulsão injusta da Yannick Bolasie e foi para o intervalo a perder por duas bolas a uma. A última reviravolta de uma desvantagem de dois golos ocorreu na época passada quando o Sporting CP recebeu em Alvalade a formação do CD Nacional.

Apesar da “Depressão Elsa” não ter afectado tanto a região do Algarve, na primeira parte do encontro uma verdadeira “tempestade” abateu-se sobre os Leões e fez desabar por completo a defesa leonina. Ao minuto 6′, Jackson Martinez tem uma primeira ocasião clara para golo ao rematar de primeira para uma excelente defesa de Luís Maximiano que desviou para canto.

O Sporting CP não logrou controlar o jogo em face do posicionamento dos jogadores algarvios que com facilidade recuperavam a posse de bola e apostavam em transições ofensivas velozes e complicadas de travar pela defesa leonina. Por outro lado, o Sporting CP viu-se incapaz de construir o seu jogo. Aliás, raras não foram as vezes em que Doumbia no meio campo girava sobre si mesmo à procura de linhas de passe que não existiam.

A pressão do Portimonense SC junto da grande área do Sporting CP era crescente. Ao minuto 15′, Max protagoniza novamente uma excelente defesa ao negar o golo a Jackson Martinez. Todavia a bola sobra para Júnior Tavares que é puxado em falta por Rafael Camacho e João Pinheiro assinala grande penalidade. Na cobrança do castigo máximo, Jackson Martinez num remate forte e a meia altura inaugura o marcador em Portimão. Max ainda adivinha o lado, mas não consegue defender.

Já em desvantagem, o Sporting CP não conseguia tomar as rédeas do jogo. A reacção do só aconteceu perto da meia hora de jogo quando Yannick Bolasie obrigou o guarda-redes internacional japonês Gonda a fazer duas intervenções: primeiro num remate após fazer uma diagonal da direita para o centro e depois num lance em que se isolou na grande área algarvia.

Anúncio Publicitário

Todavia, era a equipa visitada que com mais facilidade chegava à baliza contrária, tirando proveito do marasmo em que se encontrava o corredor central do Sporting CP e onde faltava pressão por parte dos jogadores verdes e brancos. Lucas Fernandes destacou-se nessas zonas de pressão e foi ele o arquitecto do segundo golo algarvio ao minuto 31′: Pedro Sá interceptou a bola depois de um mau passe de Sebastián Coates e Lucas Fernandes conduziu a bola até soltar para a esquerda em Aylton Boa Morte, que cruzou rasteiro para o desvio mal medido de Jérémy Mathieu para dentro da própria baliza.

O Sporting CP começou a sonhar com a reviravolta ao minuto 37′ quando Luciano Vietto num grande cabeceamento, após cruzamento de Bruno Fernandes, enviou a bola para o fundo da baliza portimonense. Mas, antes do apito final da primeira parte, a turma de Silas viu-se reduzida a 10 jogadores depois de Yannick Bolasie ter sido expulso por acumulação de cartões amarelos: o jogador congolês atingiu o peito de Willyan com o cotovelo, mas o defesa num acto de deslealdade desportiva fingiu ter sido atingido na cara. Surpreendentemente, João Pinheiro não teve dúvidas e expulsou Bolasie que, por isso, não alinhará no próximo jogo dos Leões frente ao FC Porto.
Avançado colombiano voltou a faturar frente aos leões
Fonte: Liga Portugal

Durante o intervalo, Silas não efectuou qualquer alteração. O técnico leonino apenas modificou o posicionamento dos seus jogadores colocando Luciano Vietto e Rafael Camacho a abrir nas alas e Bruno Fernandes a surgir pelo corredor central.

A segunda parte começou com a exibição de tarjas dos adeptos leoninas a exigirem a saída de Frederico Varanda e com as duas equipas a falhar, respectivamente, ocasiões claras de golo. Logo no primeiro minuto da segunda parte, na sequência de um corte incompleto de Coates, Aylton “ganha as costas” da defesa leonina mas Max desvia o seu remate para o poste quando o público da casa já gritava golo. Ao minuto 51′, Luciano Vietto, isolado por uma grande jogada de Coates que correu de “costa-a-costa”, remata ao lado. Três minutos depois, o número 10 argentino voltou a arriscar um remate, agora a meia distância, que saiu a rasar o ferro.

O Sporting CP estava, nesta fase do jogo, focado em chegar à igualdade, pese embora estivessem desvantagem numérica. Num claro contraste com o Sporting CP amorfo da primeira parte, os comandados de Silas apareciam agora determinados e cheios de vontade em ganhar a partida.

Perante o crescendo da equipa leonina, António Folha resolveu desfazer a defesa a cinco da sua equipa com a entrada de Tabata para o lugar de Fernando. Ao minuto 67′, Silas assumiu o risco e apostou nas entradas de Luiz Phellype e Gonzalo Plata para os lugares de Ristovski e Doumbia. Assim, Luiz Phellype seria a última referência do ataque leonino com Rafael Camacho e Marcos Acuña a preencherem os corredores direito e esquerdo. Mas as “fichas” de Silas estavam concentradas em Gonzalo Plata que entrava para o lugar de Doumbia. O técnico sportinguista abdicava assim do seu “trinco” em favor da velocidade do jovem avançado equatoriano.

Aos 77 minutos, Rafael Camacho numa grande jogada individual lança uma bomba de pé esquerdo ao ângulo e a igualdade fica feita no Estádio Municipal de Portimão. Os Leões acreditavam cada vez mais na reviravolta. É então que ao minuto 82’, o jovem equatoriano Gonzalo Plata, na sequência de um contra-ataque com assistência do suspeito do costume, Bruno Fernandes, coloca-se frente-a-frente com Gonda e estreia-se a marcar pela equipa principal do Sporting CP e catapulta a formação verde e branca para a vantagem levando a torcida leonina à loucura!

Ainda houve tempo para o Sporting CP selar o seu triunfo ao minuto 90+4’ com um grande golo apontado por Luiz Phellype que remata dentro da área assistido por Luciano Vietto. Entretanto, o Rio Ave saía derrotado com um golo do Gil Vicente já em período de compensação.

Os jogadores verdes e brancos responderam com raça e vontade perante os cânticos dos adeptos que os exortavam a “jogar à bola”. É certo que a turma leonina cometeu muitos erros defensivos que lhe custaram caro na medida em que concedeu dois golos. Mas hoje não podemos apontar falta de vontade ou de querer perante a atitude e o inconformismo dos jogadores em face da desvantagem e de uma expulsão injusta que condicionou o jogo dos Leões.

O Sporting CP conquista assim o primeiro lugar do seu grupo e tem presença marcada na Final Four, em Braga, onde defenderá o título conquistado na época passada.

ONZES INICIAIS E SUBSTITUIÇÕES

Portimonense SC: Gonda; Anzai, Willyan, Júnior Tavares, Fernando (Bruno Tabata, 62′), Rodrigo; Dener (Iury Lírio, 88′), Pedro Sá, Lucas Fernandes; Aylton Boa Morte (Marlos Moreno, 78′) e Jackson Martínez.

Sporting CP: Luís Maximiano; Ristovksi (Luiz Phellype, 67′), Coates, Mathieu, Acuña; Doumbia (Gonzalo Plata, 75′), Wendel (Battaglia, 83′), Bruno Fernandes; Rafael Camacho, Vietto e Bolasie.

Anterior1 de 3Próximo

Comentários