Anterior1 de 4Próximo

A cidade da Covilhã e sua equipa sensação da Segunda Liga prepararam-se a preceito para receber o primo-divisionário Vitória FC, diretamente da cidade de Setúbal.

Depois de ter sido eliminado da Taça de Portugal, frente ao Lusitano de Lourosa, a equipa que até ao inicio do dia era líder isolado da Segunda Liga (a vitória de hoje do Nacional permitiu a ultrapassagem) pretendia certamente dar uma nova face, e embora o formato da Taça da Liga não seja o mais amigável para as equipas do segundo escalão, certamente que Ricardo Soares e os adeptos não pediam menos que uma vitória.

Os 11 iniciais não deixaram margem para dúvidas, as duas equipas vinham para lutar pelos três pontos.

A equipa de Sandro que leva apenas um golo marcado na Liga, e com um estilo de jogo vincadamente defensivo, não alterou as coisas apesar de um adversário teoricamente mais acessível.

O inicio do jogo foi uma repetição daquilo a que estamos habituados a ver nos jogos do Vitória FC. O Sporting da Covilhã dono e senhor da posse de bola e o Vitória a entregar claramente a construção do jogo à equipa serrana, preferindo focar-se no aspeto defensivo.

A verdade é que os leões da serra também sentiram dificuldades em penetrar a linha defensiva muito bem montada do Vitória FC. O primeiro sinal de perigo veio ao minuto 13 dos pés de Kukula, pouco mais se viu de jogo a partir daqui.

Berto era o jogador mais inconformado do Vitória FC e que tentava constantemente acelerar o jogo na sua equipa. Foi numa das suas acelerações pelo corredor esquerdo que surgiu o erro forçado de Tiago Moreira que acabou por marcar autogolo. Na tentativa de evitar que o cruzamento chegasse ao pés de Hachadi, o defesa serrano acabou por introduzir a bola na sua própria baliza.

O Vitória FC fazia aquilo que tinha mais dificuldade: o golo.

Fonte: Bola na Rede

Ficava um certo sabor de injustiça no Estádio José Santos Pinto perante este resultado ao intervalo.

A segunda parte trouxe um jogo com mais energia, mas que continuou a assustar pouco as duas balizas.

O Sporting da Covilhã teve que obrigatoriamente subir as suas linhas e isso fez com que houvesse mais espaço em campo. Ainda assim, foi o Vitória FC que teve mais perto de ampliar a vantagem com um remate a passar muito perto da baliza serrana.

Era claro o domínio da posse de bola do Sporting da Covilhã, mas os leões da serra tinham muita dificuldade em traduzir esse domínio em real perigo à baliza de Makaridze. O Vitória FC também ia tentando quebrar o ritmo que a equipa da Serra da Estrela impunha com algum anti-jogo.

O golo que trouxe alguma justiça ao resultado, aconteceu já em período de compensação, com o avançado Silva a responder de cabeça ao cruzamento e a colocar a bola no fundo da baliza do Vitória FC.

Loucura no Estádio José Santos Pintos com este golo que como disse veio trazer mais justiça a este resultado. As duas equipas continuam assim com legitimas aspirações de passar à final-four da Taça da Liga.

ONZES INICIAIS E SUBSTITUIÇÕES

SC Covilhã: Carlos Henriques, Daniel Martins, Adriano Castanheira, Rodrigo (Miranda ’79), Tiago Moreira, Kukula, Zarabi, Brendon,Mica, Jean (Silva ’65), Bonani (Deivison ’78).

Vitória FC: Makaridze, Jubal (B.Fernandes ’36), Mano, Hachadi (Ghilas ’72), Eber Bessa, Berto, André Sousa, Mansilia (Zequinha ’66), Pirri, Semedo, Carlinhos.

Anterior1 de 4Próximo

Comentários