Anterior1 de 4Próximo

Cabeçalho Futebol NacionalO Rio Ave derrotou o Benfica por 3-2 após prolongamento e está nos quartos de final da Taça de Portugal.

A equipa de Miguel Cardoso esteve em desvantagem, deu a volta na segunda parte, sofreu o empate perto do fim, mas carimbou a vitória no prolongamento. Já o Benfica até entrou bem, mas desapareceu na segunda parte e só conseguiu criar perigo em fases de desespero.

Numa noite muito fria e chuvosa, o Benfica visitou o Rio Ave com o propósito de seguir em frente na Taça de Portugal. Rui Vitória aplicou a velha máxima de não mexer em equipa que ganha e a equipa encarnada entrou em campo com o mesmo onze que defrontou o Estoril.

Já o técnico dos vilacondenses, Miguel Cardoso, operou duas alterações relativamente ao jogo anterior: Tarantini regressou de castigo para o lugar de Leandrinho e João Novais, figura principal da remontada frente Moreirense, entrou para o lugar de Barreto, deslocando Francisco Geraldes para a faixa.

O jogo começou vivo e o Rio Ave criou perigo logo aos três minutos, na sequência de um livre direto. Rúben Ribeiro ganhou a falta já perto da área e João Novais rematou direto para uma boa intervenção de Bruno Varela.

Anúncio Publicitário

Aos 12 minutos os encarnados criaram a primeira ocasião de golo, por Krovinovic. O jogador croata aparece bem já na área e remata com perigo, com a bola a sair prensada e a ser defendida por Cássio.

O Benfica começava a impor o seu futebol e pouco depois esteve novamente perto do golo. Pizzi apareceu bem pela direita, ganhou a linha de fundo e cruzou para o interior da área onde Marcelo, num corte falhado, envia a bola ao poste da própria baliza.

A equipa de Rui Vitória esteve novamente perto do golo aos 17 minutos, desta vez por Eduardo Salvio. O extremo argentino apareceu bem à entrada da área depois de uma boa transição rápida do clube da Luz e rematou já muito perto da baliza de Cássio, com a bola a rasar o poste.

A equipa de Miguel Cardoso finalmente respondeu ao minuto 25. Guedes encontrou espaço nas costas da defensiva encarnada, Bruno Varela hesitou na saída e o avançado do Rio Ave por pouco não chega primeiro, ficando ainda o banco da equipa da casa a pedir grande penalidade, por alegada falta de Bruno Varela.

Após um período em que o jogo até estava a ter menos destaques, Jonas abriu finalmente o marcador para os visitantes aos 35 minutos. Jogada do Benfica pelo corredor direito, cruzamento de André Almeida para a entrada da área e o brasileiro a rematar de primeira para o fundo da baliza de Cássio.

Até ao intervalo não houve lugar para mais jogadas de perigo, com o Benfica a partir para o descanso em vantagem depois de uma primeira parte em que se conseguiu superiorizar ao Rio Ave.

A segunda parte não podia ter começado melhor para o Rio Ave, com a equipa de Vila do Conde a chegar à igualdade logo aos dois minutos do segundo tempo. Após uma boa recuperação de bola, já perto da área do Benfica, Francisco Geraldes descobre Lionn solto de marcação e o lateral brasilerio não perdoa na cara de Bruno Varela.

O jogo entrou então numa toada de equilíbrio, sem que as equipas conseguissem causar perigo junto da baliza adversária. Só ao minuto 57 André Almeida, depois de uma boa jogada individual, conseguiu rematar com perigo, mas Cássio respondeu com uma boa intervenção.

O Rio Ave sentiu a ameaça e reagiu da melhor forma possível, com Rúben Ribeiro a marcar o golo da reviravolta ao minuto 62. Recuperação de Lionn no miolo, a bola circula até ao corredor direito e o camisola 10, depois de tirar André Almeida do caminho, remata cruzado ao ângulo da baliza de Bruno Varela.

Em desvantagem, o Benfica procurou reagir ao golo sofrido e quase conseguiu o empate logo a seguir. Na sequencia de um canto de Pizzi, Luisão ganha nas alturas e cabeceia forte, com o guarda-redes rioavista a responder com uma grande defesa por instinto.

Guedes marcou o golo decisivo Fonte: Rio Ave FC
Guedes marcou o golo decisivo
Fonte: Rio Ave FC

O Rio Ave ia conseguindo manter o Benfica longe da sua área e Rui Vitória, insatisfeito, lançou Raúl Jiménez e Zivkovic para os lugares dos apagados Pizzi e Cervi. Do lado do Rio Ave, Miguel Cardoso respondeu com a troca de João Novais por Oscar Barreto.

O Benfica começava a empurrar a equipa da casa para junto da sua baliza e Jonas, aos 84 minutos, perdeu uma grande oportunidade para empatar ao desperdiçar uma grande penalidade. O avançado brasileiro, que foi impedido de chegar a um cruzamento ao ser agarrado por Nélson Monte, cobrou o castigo máximo, mas o guarda-redes da formação vilacondense respondeu com uma defesa enorme.

A equipa da Luz continuou a insistir e dois minutos depois, já com Seferovic em campo, igualou mesmo a partida. Zivkovic bateu o canto e Luisão, ao segundo poste, conseguiu fugir à marcação e desviar para o golo da igualdade.

Até ao final do tempo regulamentar não existiram mais ocasiões de perigo, pelo que o jogo seguiu para prolongamento. Destaque apenas para a lesão de Luisão, já na compensação, que deixou a equipa de Rui Vitória com apenas dez elementos, uma vez que o técnico benfiquista tinha já esgotado as substituições.

O prolongamento começou da mesma forma que a segunda parte: com o golo do Rio Ave. Grande jogada de Nadjack pelo corredor direito, o lateral a assistir Oscar Barreto e o remate do colombiano, depois de ressaltar em Jardel, a sobrar para Guedes encostar.

A poucos minutos do intervalo do prolongamento Cássio voltou a brilhar, desta vez ao parar um remate forte de Seferovic. O avançado Suíço apareceu solto no lado esquerdo da área contrária e rematou tenso, mas o guarda-redes brasileiro respondeu com mais uma defesa de grande nível.

No segundo tempo do prolongamento a equipa encarnada procurou subir no terreno, o Rio Ave foi encostado à sua baliza, mas conseguiu afastar o perigo e segurar a vitória até ao apito final.

Anterior1 de 4Próximo

Comentários