Anterior1 de 2Próximo

Caro Presidente Luís Filipe Vieira,

Esta é a primeira vez que me dirijo a si em público e lamento muito que, de todas as vezes que me dirigi a si (em público ou em privado), nenhuma delas tenha sido para elogiá-lo ou parabenizá-lo por algo. Certamente que após ler isto deve estar a rir-se e a pensar: “Olhem este… eu que recuperei o clube, voltei a dar-lhe credibilidade, gastei tantas horas…” – eu sei, caro Presidente Luís Filipe Vieira. Eu já conheço essa conversa de trás para a frente. Basta ir a uma qualquer Assembleia Geral e lá vem a conversa de sempre.

O que eu quero relembrar, caro Presidente Luís Filipe Vieira, é que antes de assumir o seu cargo, o Sport Lisboa e Benfica já existia há 99 anos. Muita História fizemos ao longo desse tempo, criando uma identidade e elevação que fazem com que seja exigido respeito para com o nosso passado. Não me venham falar de títulos que aconteceram durante o seu legado, pois isso faz parte da sua obrigação enquanto dirigente máximo de um colosso como o Sport Lisboa e Benfica. Aliás, se pegarmos por aí, até chegamos à fácil conclusão de que o saldo de títulos conquistados ao longo destes 15 anos nem sequer é positivo. O que é de lamentar.

Mas deixemo-nos de rodeios. Aquilo que me leva a escrever-lhe é o facto de continuar a insistir nos mesmos erros. Quero que explique, de uma vez por todas – a mim e a todos os benfiquistas – aquilo que o move. Será que são mesmo erros ou já passaram antes a ser interesses? Diga-nos, por exemplo, o que é que o leva a abdicar do melhor jogador das últimas quatro edições da liga portuguesa? Isto não cabe na cabeça de ninguém, caro Presidente Luís Filipe Vieira.

É caso para ser considerado gestão danosa. Queira desculpar-me, mas se Jonas pediu algum aumento de salário não acredito que o mesmo não pudesse ser concedido. Como disse, Jonas foi o jogador mais influente desde que vestiu pela primeira vez o manto sagrado e tem toda a legitimidade de ser recompensado por isso.

Por exemplo, é completamente inaceitável que se tenha renovado com Luisão durante anos e anos a fio (sempre com aumentos de ordenado, devido a alegados interesses do estrangeiro) e não se possa manter no nosso plantel um jogador absolutamente decisivo, que garante mais de 30 golos por época. Jonas é um jogador de um campeonato à parte. A confirmar-se a sua saída, é mais um erro imperdoável.

Convém relembrar que, por cima do Emblema, só se encontra a Águia: superlativa, altiva e vigilante
Fonte: SL Benfica

A péssima gestão do “caso Jonas” é só mais um exemplo dos erros sucessivos que vem a cometer de há uma série de anos para cá. São já vários os casos de jogadores que saem do clube, onde se percebe perfeitamente que é contra a sua própria vontade. E o que vemos na comunicação social? Notícias notoriamente encomendadas, que dizem que “o Presidente tentou de tudo, mas a vontade do jogador sobrepôs-se”.

Anterior1 de 2Próximo

Comentários