jogadoresqueadmiro

Um dia ouvi falar de que Mourinho iria treinar um tal Chelsea. Pouco tempo depois, vi o mesmo clube anunciar Didier Drogba. Desconhecia tal nome. Comecei a acompanhar a época deste tal Chelsea e cedo me encantei. Começando pelas redes, com Petr Cech, passando pela defesa, com Terry, Ricardo Carvalho e Gallas, dando mais uns passos no meio-campo até Lampard e Makelele, o meu encanto caiu sobre o ataque. Didier Drogba, de seu nome, era o matador de serviço.

Um verdadeiro diamante, o costa-marfinense logo confirmou o estatuto de promessa que já tinha demonstrado no Marselha, com 32 golos em 55 jogos. No último terço do reduto mandava Drogba. Com 1,88 metros de altura, a grande área era o seu habitat natural. Disputava todos os lances com uma garra inegável, conjugava como ninguém força e técnica. Deixava os defesas a “ver navios” com os seus arranques. Era um ponta-de-lança da cabeça aos pés. Era talento; aliás, é talento. Graças a Deus que ainda tenho a possibilidade de ver este grande jogador jogar. Apesar dos 36 anos de idade, o faro para o golo e o instinto matador não desapareceram. Hoje em dia, Drogba não é só sinónimo de matador, mas também de classe.

Com toques de génio, a idade e inteligência de jogo deram-lhe mais um atributo – classe. Classe não é para todos. Mas Drogba transborda classe. Era uma máquina, e Mourinho transformou-o num monstro. Ao serviço do Chelsea, nunca me vou esquecer dos golos, dos passes, dos toques, das arrancadas… E a verdade é que desde que ele saiu os blues nunca conseguiram encontrar um substituto à altura. É normal, Drogba só há um.

Drogba, com a Taça dos Campeões Europeus nas mãos Fonte: Getty Images
Drogba, com a Taça dos Campeões Europeus nas mãos
Fonte: Getty Images

De todos os momentos, não posso esquecer a final da Liga dos Campeões frente ao Bayern de Munique. Quando Drogba empata o jogo contra todas as probabilidades e, mais tarde, converte a grande penalidade final. Foi o concretizar de um desejo antigo, ver um jogador que tanto admiro vencer a Liga dos Campeões. Vê-lo transbordar de emoção com um título tão desejado por todos os futebolistas. Foi fantástico.

Anúncio Publicitário

Hoje em dia, o costa-marfinense vive para a sua selecção e para o Galatasaray. É o líder em campo, um verdadeiro capitão que dispensa braçadeira e um pesadelo para os defesas que têm de pensar em como pará-lo. É sem dúvida a estrela da equipa e, verdade seja dita, um jogador destes merece um público daqueles, merece jogar numa atmosfera daquelas e sentir cada golo como se tivesse sido marcado na final da Liga dos Campeões.

Que Drogba continue a jogar por muitos anos. Enquanto continuar a engraxar as sapatilhas com classe, que nunca páre. Porque quando parar o futebol vai perder um ponta-de-lança de topo. Um ponta-de-lança que não precisou de uma Bota de Ouro ou de uma Bola de Ouro para ficar na história. Drogba não precisa de troféus individuais, precisa apenas de umas chuteiras nos pés, uma bola no relvado e uma baliza para fazer tiro ao alvo. Avé Didier Drogba.

Comentários