Há uma pandemia lá fora, há um mundo a ruir por causa de um vírus. No meio deste turbilhão de emoções que tem tomado conta de todos nós, há famílias destruídas e com medo. Tudo aquilo que era dado como garantido deixou de existir, resta a esperança.
Com tanta coisa acontecer, é urgente trazer coisas de dentro de cada um. Exaltar o futebol e os jogadores. Relembrar coisas boas que, pelo menos por breves momentos, nos leve para dentro de uma bolha de positivismo.

Enquanto não há competições, não há jogos, vamos viajar até ao passado. Recordar jogadores e com isso trazer memórias de tempos felizes.
No meio de tantos jogadores no mundo, eu tenho um preferido: James Rodriguez. Também é conhecido por El Bandido, mas no FC Porto ficou conhecido com um dos mais brilhantes 10 que a equipa conheceu, com um pé esquerdo de levantar estádios.

Chegou ao FC Porto com 19 anos e no segundo jogo que realizou, ainda na pré-época, o colombiano deu logo ares da sua graça com um golo diante do FC Ajax. Naquele jogo deu o pontapé de saída de um grande futuro.
Chegou na época de 2010/2011 proveniente do Banfield, clube argentino que representou durante duas temporadas. Quando chegou ao FC Porto treinava sob o comando técnico de André Vilas Boas, e acabou por ser um dos responsáveis por uma das melhores épocas do clube azul e branco, com a conquista do campeonato, da Taça de Portugal e da Liga Europa. Nessa temporada realizou 32 jogos e marcou seis golos, com três deles a serem marcados na final da Taça de Portugal, diante do Vitória SC, naquele que foi um dos melhores jogos que o colombiano realizou pelo FC Porto. Nessa temporada, embora tenha feito muitos jogos, muitos deles foram como suplente utilizado, ainda assim contribuiu de forma clara para as conquistas do clube.

 

Anúncio Publicitário
Há uma pandemia lá fora, há um mundo a ruir por causa de um vírus e neste turbilhão de emoções há famílias destruídas e com medo
James Rodriguez, na temporada 2011/2012, no Estádio do Dragão
Fonte: FC Porto

Na época seguinte, já sob o comando técnico de Vítor Pereira, James assumiu um papel mais importante e fazia parte do quarteto maravilha composto pelo colombiano, por João Moutinho, Hulk e Falcão. Nessa temporada realizou 38 jogos e marcou 14 golos. Tendo sido, aliás, uma das melhores épocas do El Bandido.

Na última época de azul e branco, James despediu-se em grande e foi tricampeão em Portugal, em mais uma época muito bem conseguida que fez despertar o interesse de outros clubes. Seguiu-se o AS Mónaco, o Real Madrid CF e o FC Bayern, pelo caminho ficou ainda uma prestação memorável do colombiano no Mundial 2014 no Brasil onde foi, de longe, o melhor jogador da Colômbia.

São muitas as recordações, os golos e a maneira ímpar como consegue desbloquear um jogo. Tem um pé esquerdo muito bom e uma visão de jogo que o levou até aos melhores palcos do mundo e que deixaram uma saudade imensa de quem o seguia por aqui.

 

Artigo revisto por Joana Mendes