jogo interior

Sempre me fascinou o estudo e a compreensão da excelência: principalmente da excelência no Desporto em geral, e a do futebol e do futsal em específico. Já escrevi algumas coisas acerca da excelência mas é uma temática sobre a qual sei, com certeza absoluta, que nunca irei escrever tudo o que há para escrever. Assim como o CR7 tem a certeza de que nunca fará todas as fintas ou golos que há para fazer. Ou o Manuel Neuer tem a certeza de que nunca fará todas as defesas que há para fazer. Ou o Roger Federer tem a certeza de que nunca conseguirá todos os ases que há para conseguir. Ou mesmo o José Mourinho terá a certeza de que nunca ganhará todas as competições que haverá para ganhar.

Tem isto a ver com a excelência? Saber que seremos sempre uma obra inacabada e que haverá sempre tanto para aprender, e também para ensinar, é um dos caminhos que nos impulsiona para a excelência. Uma insatisfação positiva move-nos nesse sentido e sentimo-nos bem com isso; podemos é não percebê-lo. Dentro dessa insatisfação cabem todas as satisfações do mundo enquanto mestres executantes da tarefa para a qual estamos vocacionados. Ser treinador, atleta ou dirigente e trabalhar no Desporto, muitas vezes quase por carolice, outras vezes até profissionalmente, deverá ser uma missão.

Anúncio Publicitário

O Desporto é uma escola onde nós recebemos sempre mais do que aquilo que damos, mesmo sendo treinadores. É uma escola de vida. Nesta escola de vida aprendemos tudo mas principalmente aprendemos que nunca iremos aprender tudo o que existe para aprender… Existe, principalmente para os treinadores, uma visão de que aquilo em que trabalham é muito complexo. Inclusive nos cursos de formação de treinadores aprendemos que devemos trabalhar com os nossos atletas partindo do simples para o mais complexo. Em conversas com muitos colegas treinadores algumas vezes ouço a expressão “é complicado”, quando se referem ou à sua equipa, ou à sua classificação, ou aos seus resultados. O que todos parecem não perceber é que aquilo em que pensamos é o que dizemos, mas quase sempre acreditamos naquilo que pensamos. Isto é um grande erro. Não devemos acreditar em tudo o que pensamos. Isso é estúpido. Constantemente criamos crenças limitadoras e desnecessárias, que nos condicionam nas nossas actividades e relacionamentos. E complicamos. Por vezes muito.

Uma vez, julgo que num seminário de futebol em que estive presente, o mister Manuel Cajuda lançou uma frase de que nunca mais me esquecerei:

“Se é tão simples complicar, para quê simplificar?”

Óbvio que é uma ironia. Uma excelente ironia que remete para a nossa grande capacidade de complicar ou de gostar mais do complexo porque é o que dá “pica”. É natural que exista uma fase das nossas vidas em que temos uma maior orientação para o complexo, o elaborado, o estruturado, o organizado. No entanto, numa era em que todos trabalham, quer no desporto, quer noutra profissão, quer mesmo na família e nas relações, em complexidade, porque a realidade actual é mais intrincada, veloz e carregada de pressa, na minha perspectiva quem acaba por se tornar excelente é quem faz do simples a sua arte. Quem utiliza o complexo para chegar ao simples e ter sucesso a partir daí. Aqui é natural que ao leitor surja o pensamento: “Xiii! Isso é complicado!”.

Fonte: DR
Fonte: DR

Há uns tempos estive numa formação com o Seleccionador Nacional de Futsal Jorge Braz e o mister Paulo Tavares (treinador do SC Braga), que alertaram para algo que está a acontecer há já algum tempo e de que eles se têm vindo a aperceber, inclusive com a regular chamada de novos jogadores à selecção, quer A, quer sub-19. Estes atletas entendem muito bem o jogo, os princípios gerais, as metodologias de treino, os modelos, as tácticas, etc., mas na execução têm défice em princípios mais básicos. A que conclusões chegaram, e que podem parecer espantosas para muitos, sendo estes factos até transversais às outras modalidades?

Desde o nível mais básico ou elementar de desempenho, ou seja, desde os 10/11 anos, a maior concentração de atenção e foco do treinador vai para (partindo do princípio de que, tal como abordado num artigo anterior, o foco não é nos resultados) os processos tácticos, descurando um pouco os processos técnicos individuais. Claro que os atletas vão crescendo perante o jogo, podendo até ser talentosos e entendê-los, mas quando chegam ao nível de especialização, mais precisamente ao nível de alta competição internacional, não conseguem ganhar competições porque o grau de preparação é ainda inferior ao de outras selecções.

A exemplar referência ao básico, ao simples, aqui, vai ao encontro do que escrevi anteriormente. Só conseguiremos ser excelentes, por exemplo, vencendo um campeonato europeu ou mundial, em qualquer modalidade, quando entendermos que o que é complexo está dependente do que é simples, e que é preciso primeiro, desde cedo, trabalhar o simples até quase à perfeição. É esse simples individual perfeito que fará com que o complexo, que apesar de tudo é natural e existe em tudo, seja de longe mais consistente e evolua de forma a que nos tornemos excelentes.

Por isso, quando nos ensinam a trabalhar do mais simples para o mais complexo, devemos reflectir sobre se não estaremos a dedicar pouco tempo e poucos recursos ao simples e fundamental, dando mais importância àquilo que é mais elaborado e que achamos que dá mais “pica”… É complicado!

Foto de capa: Mirror.co.uk