Em Olhão, cidade algarvia do distrito de Faro, reside a equipa mais concretizadora do Campeonato de Portugal. O SC Olhanense, formação que lidera a Série D da referida competição, soma já – à passagem da sétima jornada – duas dezenas de golos a seu favor! Ora, à semelhança do que se sucede na generalidade das equipas, a alimentar este registo está o contributo dos seus jovens avançados – a média de idades dos sete dianteiros dos Leões de Olhão não excede os 24 anos.

Nesse prisma, e não obstante as boas prestações de Mohcine Hassan, Caleb ou de João Vasco, a grande produtividade de Sapara, o camisola sete dos Rubro-Negros, merece ser realçada.

Do anonimato, nas ruas de Surulere, ao protagonismo em Olhão:

Adewale Oluwafemi Sapara nasceu a 27 de janeiro de 1995 nos subúrbios de Lagos (Nigéria), a metrópole mais populosa de todo o continente africano. Tendo nascido num país imbuído de uma forte tradição futebolística, o primeiro contato de Adewale com o «desporto-rei» foi quase como uma inevitabilidade. Porém, só a partir dos 13 anos é que o  que o gosto pelo futebol se intensificou no jovem nascido em Surulere, jogando em campos de terra batida junto da sua casa (nomeadamente, o de Paddington). À medida que se dedicava cada vez mais ao futebol, crescia também o sonho de se tornar profissional, uma ambição que o levaria a percorrer alguns quilómetros em busca de melhores condições e de oportunidades.

Anúncio Publicitário

Entretanto, desde 2010, que se organizava um importante torneio de jovens na cidade de Lagos, denominado Lagos Junior League, competição na qual participavam várias academias. Seria, pois, por ocasião da edição de 2014 da prova que, ao lado de nomes como Wilfred Ndidi (Leicester City FC) ou Henry Onyekuru (AS Monaco), Adewale teria a chance de se mostrar, representando os Apapa Golden Stars FC.

Pelos caminhos de Portugal, até encontrar o seu lugar ao sol… em Olhão:

Fonte: Nélson Ferreira/ SC Farense

Posteriormente, e estando já integrado na Team Lagos Football Academy, surgiu a hipótese de vir, aos 19 anos, para Portugal, juntamente com outros dois compatriotas, para representar a equipa B do SC Farense. Todavia, a adaptação ao nosso país não se afigurou fácil, com Sapara a passar por três emblemas diferentes (CDR Quarteirense, Sertanense FC e ARC Oleiros) num espaço de duas temporadas (2014/2015 e 2015/2016). De resto, a formação oleirense seria o seu último clube até à época 2017/2018.

No início da temporada 2017/2018, o extremo nigeriano ingressou na SR Almancilense, emblema algarvio que militava na Série E do Campeonato de Portugal. Durante a sua estada em Almancil, Sapara conseguiria, finalmente, exibir-se a bom plano, marcando 11 golos em 27 partidas.

Consequentemente voltaria a representar a ARC Oleiros, formação pela qual marcaria oito golos em 13 encontros até janeiro de 2019, antes de assinar pelo SC Olhanense.

Ao serviço do clube da cidade de Olhão, o extremo natural de Surulere tem sido extremamente bem-sucedido. Autor de oito golos, ao longo da segunda metade da época passada, Adewale Sapara tem vindo a protagonizar um fenomenal início de época 2019/2020; assim, e, se por um lado, consta como o melhor marcador da formação treinada pelo jovem treinador português Vasco Faísca na Série D do Campeonato de Portugal, por outro, o facto de «ter feito balançado a rede» por cinco ocasiões em quatro jornadas posiciona-o como o futebolista com melhor rácio de golos por jogo – possui uma média de (1, 25) – do conjunto das quatro séries (A, B, C e D) daquela prova.

Como joga:

Adewale Sapara carateriza-se por ser um extremo com propensão para criar desequilíbrios, fruto da sua capacidade de explosão e qualidade técnica. Apesar de privilegiar o uso do pé direito, o camisola “7” do Olhanense atua, com frequência, sobre o lado esquerdo do flanco, de modo a potenciar os seus movimentos em diagonal, situação na qual se afigura bastante perigoso, pois é detentor de um remate forte e colocado.

Por conseguinte, e também por se tratar de um futebolista jovem (tem, apenas, 24 anos), estou convencido de que, caso consiga manter a qualidade exibicional até aqui evidenciada, o salto deste futebolista nigeriano para os escalões profissionais possa estar para breve.

Foto de Capa: Caonitrus/ SC Olhanens

Artigo revisto por Joana Mendes

 

 

Comentários