Para os fãs de wrestling, esta é aquela altura do ano que a WWE aproveita para promover subidas dos lutadores do NXT ao plantel principal. Em semana de Superstar Shake Up, e pela primeira vez no Bola na Rede, o Olheiro irá analisar o antigo NXT Champion Andrade “Cien” Almas e o que pode oferecer no futuro.

Os radares da WWE descobriram-no em 2015, quando a 19 de novembro, assinou com a empresa de Mr. McMahon. Começou por treinar no Performance Center, antes de se estrear nos ringues do NXT, a 8 de janeiro de 2016.

Antes de chegar à WWE, “Cien” Almas lutava com uma máscara, com o nome La Sombra. Ficou conhecido pelo percurso na companhia mexicana CMLL (Consejo Mundial de Lucha Libre) e na promotora japonesa NJPW (New Japan Pro Wrestling), entre 2007 e 2015. Durante estes oito anos, venceu vários títulos e surpreendeu, desde muito cedo, pelo talento e qualidade, que viriam a ser os principais motivos para alcançar o patamar seguinte.

Com personagem renovada, destacou-se no NXT por ser diferente, e esta caraterística era algo que a WWE teimava em apostar, ao impedir que o verdadeiro “Cien” Almas viesse ao de cima.

Anúncio Publicitário

Quando falo em verdadeiro talento, e no caso de Almas, falo num lutador que possui um arsenal muito diverso e característico dos lutadores mexicanos, com a técnica e garra bem evidentes. Faz me lembrar um pouco Alberto Del Rio, pelo estilo ser idêntico, mas, com o tempo, se tornou em muito superior, por ter brilhado quando a WWE lhe deu oportunidade, ainda que tardia.

Com apoio de Zelina Vega, “Cien” Almas sagrou-se NXT Champion no Takeover: WarGames
Fonte: WWE

Após alguns meses sem qualquer direção, a grande oportunidade de “Cien” Almas surgiu a 18 de novembro de 2017, quando, no NXT Takeover: WarGames, conquistou o NXT Championship, ao derrotar Drew McIntrye. A vitória permitiu a “El Ídolo” alcançar o primeiro título na WWE, mais concretamente na marca de desenvolvimento das estrelas do futuro. Foi campeão durante 140 dias, mais tempo que o previsto, tendo perdido para Aleister Black, no último Takeover, em New Orleans.