olheiro bnr

Apesar de ter perdido algum gás na segunda metade do campeonato, é inegável a boa campanha deste Vitória de Guimarães; a equipa está muito perto de assegurar o regresso às competições europeias em 2015/16, isto depois de ter estado ausente na presente temporada.

Habituado a apostar em jovens jogadores e a fazê-los evoluir, o técnico vimaranense Rui Vitória voltou a não desiludir nesse capítulo, sendo que a principal e mais agradável surpresa foi mesmo o médio-ofensivo Bernard Mensah. O jovem Ganês já começa mesmo a merecer a generalizada atenção de alguns dos principais “tubarões” do Velho Continente.

Sempre a crescer no Minho

Bernard Mensah nasceu a 17 de Outubro de 1994, em Acra, Gana, tendo representado o Feyenoord Acra, do seu país natal, antes de rumar a Portugal e ao Vitória de Guimarães em 2012. Nos vimaranenses, começou por representar os juniores, saltando posteriormente para o futebol sénior, pela porta da equipa B, em 2013/14.

Essa, aliás, foi uma excelente temporada para Bernard Mensah, que somou 26 jogos e nove golos no Campeonato Nacional de Seniores, contribuindo de forma decisiva para a subida do Vitória de Guimarães B à Segunda Liga e para a sua própria promoção à equipa principal dos vimaranenses.

Mensah pegou de estaca Fonte: Facebook do Vitória Sport Clube
Mensah pegou de estaca nos vimaranenses
Fonte: Facebook do Vitória Sport Clube

Não sentiu o salto

Perante um acentuado salto, do Campeonato Nacional de Seniores para Primeira Liga, esperava-se que esta temporada de 2014/15 fosse de adaptação para Bernard Mensah; mas a verdade é que o jovem médio-ofensivo assumiu-se, isso sim, como uma das figuras mais cintilantes do Vitória de Guimarães.

Afinal, o Ganês já soma 32 jogos e quatro golos pelos comandados de Rui Vitória, assumindo-se mesmo como o principal foco de criatividade vimaranense no último terço e gerando, pelo seu confirmado talento e gigantesca margem de progressão, uma crescente onda de pretendentes, que prometem rechear os cofres do Vitória de Guimarães para o levarem.

Uma pérola negra que ainda precisa de consistência

Bernard Mensah é um médio-ofensivo central (vulgo “dez”) que se destaca pela sua velocidade, visão de jogo e qualidade técnica e de passe, características que o transformam, automaticamente, num verdadeiro desbloqueador e desequilibrador no último terço.

Apesar dessa tracção ofensiva, o jovem africano também mostra generosidade dentro do terreno de jogo, jamais se furtando de ajudar nas missões defensivas, sendo usual vermos o criativo a pressionar e a somar desarmes ao longo das partidas.

Certo, de qualquer maneira, é que, aos 20 anos, Bernard Mensah ainda terá algumas arestas para limar, sendo necessário, acima de tudo, que atinja uma maior consistência nas suas exibições, uma vez que ainda tem alguma indesejável tendência para alternar grandes exibições com duelos em que passa totalmente ao lado do jogo.

 Foto de capa: Facebook do Vitória Sport Clube

Comentários

Artigo anteriorUm tridente de sonho
Próximo artigoParabéns, Coli… Benfica!
Sportinguista sofredor desde que se conhece, a verdade é que isso nunca garantiu grande facciosismo, sendo que não tem qualquer problema em criticar o seu clube quando é caso disso, às vezes até com maior afinco do que com os rivais. A principal paixão, aliás, sempre foi o futebol no seu contexto mais generalizado, acabando por ser sintomático que tenha começado a ler jornais desportivos logo que aprendeu a ler. Quanto ao ídolo de infância, esse será e corre o risco o de ser sempre o Krassimir Balakov, internacional búlgaro que lhe ofereceu a alcunha de “Bala” até hoje. Ricardo admite que ser jornalista desportivo foi um sonho de miúdo que conseguiu concretizar e o que mais o estimula na área passa pela análise de jogos e jogadores, nomeadamente os que ainda estão no futebol de formação ou naqueles campeonatos menos mediáticos e que pensa sempre que ninguém vê como o japonês, sul-coreano ou israelita..                                                                                                                                                 O Ricardo não escreve ao abrigo do novo Acordo Ortográfico.