olheiro bnr

Ao longo desta pré-temporada, o ataque do Sporting ao mercado centrou-se essencialmente em jogadores experientes e que, em teoria, poderão assumir-se imediatamente como mais-valias para o plantel verde-e-branco, sendo perfeitos exemplos as aquisições de Alberto Aquilani, Teófilo Gutiérrez, Bryan Ruiz, Naldo ou João Pereira.

Em contraponto, surgiram apenas duas aquisições, mais concretamente o guarda-redes esloveno Azbe Jug (23 anos) e o médio-defensivo brasileiro Bruno Paulista (19 anos), sendo que este último assumir-se-á mesmo como o maior investimento leonino da era Bruno de Carvalho, uma vez que implicará o pagamento ao Bahia de 3,5 milhões de euros por 80% dos direitos económicos do atleta.

Trata-se de um jovem nascido a 21 de Agosto de 1995 em Nova Odessa, Brasil, e que passou pelas camadas jovens de São Paulo, Santo André e Ypiranga, isto antes de rumar ao Bahia, clube que vinha representando até ao momento da transferência para o Sporting e para o futebol europeu.

Curioso, por outro lado, é que Bruno Paulista passou grande parte da sua formação como lateral-esquerdo, ainda que tenha sido como “seis” que Bruno Paulista se começou a destacar no futebol sénior, conseguindo chegar a Alvalade já com 34 jogos (dois golos) oficiais pelo Bahia e presença na selecção de sub-23 do Brasil, que acabou de disputar o Pan-Americano de 2015 no Canadá. E já se estreou pela equipa B do Sporting

Anúncio Publicitário
Bruno Paulista é uma aposta de futuro de Jorge Jesus no Sporting Fonte: Facebook Oficial de Bruno Paulista
Bruno Paulista é uma aposta de futuro de Jorge Jesus no Sporting
Fonte: Facebook Oficial de Bruno Paulista

Um Matic em potência

Diz-se que Jorge Jesus ficou apaixonado pelo talento de Bruno Paulista logo na fase em que o Benfica avançou para a contratação de Anderson Talisca, outro ex-jogador do Bahia, algo que acaba por perceber-se assim que começamos a dissecar as características físicas e futebolísticas do médio-defensivo.

Afinal, Bruno Paulista lembra bastante Nemanja Matic, isto ao nível da fisionomia (1,90 metros e 81 quilos), assim como na forma como actua sobre o terreno de jogo, uma vez que alia um excelente posicionamento, capacidade de desarme e de contenção, à qualidade com que inicia o processo ofensivo, fruto de um pé esquerdo muito habilidoso e de uma visão de jogo muito acima da média.

Ainda assim, é óbvio que, quando comparamos este brasileiro com o sérvio do Chelsea, temos de traçar ainda as devidas (e largas) distâncias, uma vez que Bruno Paulista ainda tem muito que evoluir em termos de intensidade de jogo, assim como na excessiva confiança com que muitas vezes aborda os lances. Aqui, aliás, Jorge Jesus assume-se como a pessoa ideal para lapidar o jovem craque.

Certo é que, pela sua qualidade actual, Bruno Paulista já tem todas as condições para ser importante no actual plantel principal do Sporting, podendo mesmo ser uma das sombras que têm faltado a William Carvalho nas últimas duas temporadas.

Artigo anteriorCiclismo: Vuelta a España’2015 – Honra, Salvação ou História – qual delas vencerá?
Próximo artigoMarítimo 1-1 FC Porto: Empate para presidente ver
Sportinguista sofredor desde que se conhece, a verdade é que isso nunca garantiu grande facciosismo, sendo que não tem qualquer problema em criticar o seu clube quando é caso disso, às vezes até com maior afinco do que com os rivais. A principal paixão, aliás, sempre foi o futebol no seu contexto mais generalizado, acabando por ser sintomático que tenha começado a ler jornais desportivos logo que aprendeu a ler. Quanto ao ídolo de infância, esse será e corre o risco o de ser sempre o Krassimir Balakov, internacional búlgaro que lhe ofereceu a alcunha de “Bala” até hoje. Ricardo admite que ser jornalista desportivo foi um sonho de miúdo que conseguiu concretizar e o que mais o estimula na área passa pela análise de jogos e jogadores, nomeadamente os que ainda estão no futebol de formação ou naqueles campeonatos menos mediáticos e que pensa sempre que ninguém vê como o japonês, sul-coreano ou israelita..                                                                                                                                                 O Ricardo não escreve ao abrigo do novo Acordo Ortográfico.