Do Luxemburgo para Itália, ao serviço de Portugal

Nascido no Luxemburgo, Dany Mota, aos 22 anos, é uma das agradáveis surpresas da seleção nacional de sub-21. Desconhecido para a maioria dos portugueses, ganhou a confiança de Rui Jorge desde há cerca de ano e meio e, apesar de nunca ter atuado em Portugal, perfila-se como um possível reforço interessante para algumas equipas portuguesas, dentre as quais o Sporting CP, que tem vindo a reforçar a aposta nos jovens e principalmente no jogador português.

A viagem de Mota até Monza

Natural de Niederkorn, pequena cidade luxemburguesa a 25 quilómetros da capital, Dany Mota Carvalho, filho de emigrantes portugueses, deu os primeiros passos enquanto futebolista no modesto Club Sportif Pétange, do Luxemburgo, em 2013. Estreou-se profissionalmente na temporada 2014/15, a única que realizou no grão-ducado, apontando dois golos em 14 jogos.

Com apenas 17 anos, o Virtus Entella viu talento no jovem avançado e contratou-o, inicialmente, por empréstimo. Depois de se destacar nos juniores do clube, bem como na equipa de sub-20, com um total de 17 golos em 30 jogos, foi contratado em definitivo pelos italianos, estreando-se na equipa principal, que militava na Série B, logo na sua primeira época em Itália.

Seguiu-se um empréstimo ao Sassuolo, clube primodivisionário, onde ao serviço da equipa de sub-20 dos Neroverdi marcou 13 golos em apenas 18 jogos. Pronto para se afirmar na equipa principal do Virtus Entella, apontou os mesmos 13 golos, mas em 39 partidas. Fruto dos golos que marcava, os adeptos chamavam-lhe “CR7 de Chiavari”, a cidade do clube, a poucos quilómetros de Génova. Foi companheiro de equipa de Nicolò Zaniolo e Francesco Caputo.

Anúncio Publicitário

Na época passada, a Juventus ficou impressionada com as prestações do português e decidiu contratá-lo para jogar pelos sub-23. Com sete golos em 16 jogos, era notório que o português merecia mais do que jogar numa equipa secundária e foi emprestado ao Monza, clube de Silvio Berlusconi que está neste momento na luta pela subida à Serie A e que conta com jogadores bem conhecidos como Kevin-Prince Boateng e Mario Balotelli. No último verão, Dany Mota foi contratado em definitivo pelo clube a troco de cerca de dois milhões.

A chegada à Seleção

Estreou-se pela seleção de sub-21 a cinco de setembro de 2019, num amigável disputado em Alverca, frente a Gibraltar. Não podia ter começado melhor: balançou as redes em duas ocasiões e deu uma assistência para golo. No jogo seguinte, diante da Bielorrússia, entrou a poucos minutos do fim e ainda conseguiu marcar. Ao todo, soma já 13 jogos pelos sub-21, sendo nove destes como titular, com um registo de cinco golos e cinco assistências. No total, contabilizam-se 712 minutos em campo pela Seleção Sub-21, isto é, menos de oito jogos completos, com dez participações em golo.

No presente Campeonato da Europa, já leva um golo e um assistência nos dois jogos que disputou, num total de 100 minutos. Foi dos seus pés que saiu a assistência para o golo decisivo de Fábio Vieira diante da Croácia, para além do primeiro golo frente à Inglaterra, já na segunda parte.

As características

Dany Mota descai frequentemente para ambos os corredores, sendo que na Seleção o faz com maior frequência para a esquerda. Para além de poder jogar enquanto homem mais avançado, consegue também atuar como um segundo avançado. Um jogador completo, bastante útil para todas as posições do ataque e que evoluiu muito nos últimos dois anos.

Para além da grande capacidade para explorar a profundidade, é veloz, de execução rápida e acima de tudo eficaz nas ações que tem durante o jogo. É móvel e inteligente nos espaços que ocupa, associa-se bem com os colegas nas jogadas ofensivas, é agressivo na pressão, forte a nível físico, para além de bom finalizador. Tendo em conta estas características, encaixaria bem no sistema que Rúben Amorim utiliza no Sporting CP, quer a jogar no centro como descaído para um dos corredores – à semelhança do que acontece ocasionalmente com Tiago Tomás.

Números recentes

Ao serviço dos italianos do Monza, leva seis golos marcados e quatro assistências em 29 partidas esta época, sendo 24 como titular. Para além disso, já sofreu 96 faltas (!) nesta edição da Série B. No que toca à capacidade de finalização, já efetuou 59 remates, sendo que 25 foram direcionados à baliza, apresentando uma eficácia de 42%. É também um dos jogadores com mais dribles completados na segunda divisão italiana, sendo a sua média de três dribles por partida. Ganha cerca de oito duelos por partida, um número também assinalável para um jogador da sua posição.

O seu valor de mercado, de acordo com o Transfermarkt, é de apenas dois milhões de euros. Um valor bastante acessível tendo em conta que se trata de um jogador jovem, polivalente no ataque e com uma margem de progressão considerável. O contrato com o Monza vai até junho de 2022 e o mesmo já disse que gostava de jogar na Série A e na Champions League. Porque não num clube português e, de preferência, ao serviço do Sporting Clube de Portugal?

DEIXE UM COMENTÁRIO

Comente!
Por favor introduz o teu nome