O PERCURSO ATÉ AO TOPO

Entre Lisboa e Moreira de Cónegos distam cerca de 360 quilómetros. Esta foi a distância que Filipe Soares percorreu para concretizar o sonho de jogar na Primeira Liga, depois de uma época a um bom nível no GD Estoril Praia. Quem não acompanhou a ascensão do jovem médio considera-o uma revelação, mas o talento já se fazia notar desde os escalões jovens. O jogador é mais uma personificação de que por vezes é preciso dar um passo atrás, para mais tarde dar dois à frente.

Com todo o percurso de formação realizado dentro das portas do Benfica Campus, o atleta foi muitas vezes uma peça fundamental na formação dos encarnados. Durante os oito anos em que defendeu o emblema das águias, venceu diversos campeonatos nos diferentes escalões, e era visto como uma das promessas do Seixal. No entanto, na transição para sénior, Filipe foi perdendo espaço.

Num momento menos bom, o português saiu do ninho que o formou e voou para perto de onde tinha crescido. Aterrou na cidade do Estoril, que o recebeu de braços abertos para a primeira grande experiência como profissional de futebol. Nos canarinhos, Filipe Soares jogou 37 partidas, marcou três golos e assistiu por sete vezes, criando cobiça para mais uma viagem, desta feita até um clube de um patamar superior.

Anúncio Publicitário

Segundo a comunicação social, o jogador esteve perto do Bordéus. No entanto, o internacional Sub-21 assinou pelo Moreirense FC, a equipa sensação da temporada anterior. No clube minhoto encontrou a oportunidade de realizar o grande sonho de jogar na primeira liga do futebol português.

COMO JOGA?

Filipe Soares apresenta, à primeira vista, um porte atlético. Com o passar dos tempos, é percetível a mudança no seu estilo de jogo, assumindo cada vez mais ações de “choque” no meio campo. Além disso, é um jogador trabalhador, que ajuda a equipa nos momentos em que se pede uma transição defensiva de desvantagem numérica em relação ao adversário.

Apesar de poder fazer bem qualquer posição do meio campo, assenta que nem uma luva no sistema tático de Ricardo Soares. Numa espécie de 4-1-4-1, Filipe assume, ao lado do irmão, Alex Soares, a posição de médio avançado no terreno, muitas vezes junto ao ponta de lança solitário, o angolano Fábio Abreu.

Além dos aspetos defensivos referidos anteriormente, a qualidade da condução da bola com o pé direito é o grande cartão de visita do jogador. Com o esférico é capaz de percorrer grandes distâncias para, depois, servir os colegas com uma boa qualidade de passe.

No entanto, é percetível que o jogador do Moreirense ainda tem pormenores a melhorar, como por exemplo a forma como analisa a tática, e o entendimento do que se vai passando no jogo. Com apenas 21 anos, a margem de progressão do jovem jogador é para seguir debaixo de olho, descobrindo novas capacidades a cada jogo que passa.

Na temporada que agora decorre, o português esteve presente em 27 partidas, e nos últimos jogos foi ganhando um faro pelo golo, contando com quatro tentos na Primeira Liga. O desenvolvimento de um atleta é sempre incerto, mas se Filipe Soares continuar a trabalhar assim, é uma questão de tempo até voar mais uma vez, para um patamar superior.

Artigo revisto por Joana Mendes