Gaïus Abraham Jered Makouta nasceu a 25 de julho de 1997 em França, mais precisamente em Beaumont-sur-Oise (região de Île-de-France), no seio de uma família com raízes na República do Congo.

À semelhança de vários ilustres futebolistas franceses como Lassana Diarra, Dimitri Payet e, mais recentemente, Paul Pogba ou Benjamin Mendy, também Gaïus ingressou no prolífero sistema de formação do Le Havre Athletic Club.

No emblema normando, sediado na cidade portuária que lhe dá nome, Makouta permaneceu até junho de 2015, tendo inclusivamente partilhado balneário com o avançado internacional sub-21 francês Lys Mousset, que se encontra presentemente a representar o AFC Bournemouth, atual 12.º classificado da Premier League.

Posteriormente, o médio teve uma breve passagem pelos juniores da US Créteil-Lusitanos, clube dos subúrbios de Paris.

Um leão que encontrou espaço para crescer na Serra:

Após um ano pautado por alguma instabilidade, durante o qual Gaïus acumulara passagens por Irlanda e Grécia, eis que o jovem médio de origem congolesa encontrou, na Covilhã, o local ideal para expor as suas qualidades e, por conseguinte, potenciar a sua carreira enquanto profissional.

Ao serviço do SC Covilhã, o médio defensivo experienciou um começo de época agridoce. Assim sendo, e se por um lado fora titular em quatro das seis primeiras jornadas da Segunda Liga (fez, inclusive, uma assistência logo na ronda inaugural), por outro, e a nível coletivo, a formação serrana tardara em alcançar bons resultados, o que motivou o despedimento do treinador Filipe Gouveia.

A mudança promovida no comando técnico dos Leões da Serra – a entrada de José Augusto – afetou a continuidade de Makouta no onze, fazendo com que o francês voltasse a ser opção somente a partir de janeiro.

Makouta em ação num jogo de treino pelo Le Havre AC
Fonte: Le Havre AC

Porém, desde então, foi sempre convocado – exceção feita ao encontro relativo à 36ª. jornada – e só por uma ocasião não constou no onze designado pelo treinador algarvio, concluindo a temporada com 1774 minutos de utilização, repartidos por 24 encontros.

Já na presente época, a influência de Gaïus Makouta na equipa acentuou-se. Envergando a camisola número 10, além da (já habitual) função de «armador» de jogo da formação serrana, disposta geralmente num sistema que contemplava a utilização de um duplo pivô, o médio de 21 anos fizera acrescer golos ao seu futebol.

No total, antes de ver consumada a sua transferência para o SC Braga, Makouta disputou 18 partidas, tendo apontado dois golos e feito, ainda, uma assistência.

Como joga:

Perfilando-se um futebolista possante (180 centímetros e 74 quilogramas), o franco-congolês sabe tirar proveito dessa sua caraterística e protege muito bem a bola. Além disso, sobressai a sua capacidade em progredir no terreno de jogo. Na verdade, este jovem médio fá-lo com uma naturalidade impressionante, arrancando velozmente e de forma destemida com a bola em sua posse.

De destacar, ainda, a sua visão de jogo e qualidade de passe (especialmente de longo alcance), revelando-se um jogador a ter em conta aquando da marcação de lances de bola parada.

Em suma, no meu entender, este médio defensivo que fora recentemente anunciado como reforço do SC Braga tem tudo para se afirmar (numa primeira fase) na equipa B e, posteriormente, integrar o conjunto principal dos Arsenalistas.

 

Foto de Capa: SC Covilhã

Artigo revisto por: Jorge Neves

Comentários