Estamos a viver tempos difíceis para os amantes do desporto rei e há que arranjar maneira de passar o tempo mesmo sem futebol na televisão. Claro que há sempre a possibilidade de rever partidas para aqueles que olham para o jogo de uma forma mais analítica, mas para aqueles que gostam é do direto, do ao vivo, e que gostam é de todas aquelas emoções que o futebol nos proporciona, não há grande solução. Refugiamo-nos nas séries e nos filmes para nos entreter. Felizmente para nós, a Netflix lançou, na sexta-feira, duas muito boas opções dentro do mundo do futebol, uma série e um filme.

Começando por aquela que incide mais sobre o jogo em si, “The English Game” é uma série que fala sobre as origens do futebol. Com aquele estilo britânico próprio que faz lembrar “Downtown Abbey” ou “The Crown”, retrata a divisão social entre as diferentes classes, que o futebol causou. Um jogo que, na altura, ainda era muito reservado para aqueles que tinham dinheiro, para os empregadores e não os trabalhadores, a mini-série explora esta afronta entre as duas classes.

São seis episódios com cerca de 45 minutos, como se fossem três encontros, até com os descontos, que nos ajudam a perceber melhor como nasceu o futebol e como viria a evoluir para aquilo que conhecemos hoje. Este foi um período muito importante no futebol que, de certa forma, permitiu que fossemos chegando àquilo que conhecemos hoje.

Anúncio Publicitário

Saindo agora das quatro linhas, o filme que vou apresentar agora não se foca tanto no jogo em si. “Ultras” fala-nos na vida de Apache, uma claque violenta de Nápoles, e mais concretamente da vida de Sandro, o seu líder. A sua vida é, de certa forma, virada do avesso quando lhe é negada a entrada à sua segunda casa, o estádio. Este sente óbvias dificuldades e tenta encontrar-se de novo no mundo. Sente, pela primeira vez, uma necessidade de assentar depois de conhecer outra das protagonistas, Terry.

O filme mostra-nos ainda a forte relação que Sandro estabelece com Angelo, um miúdo de 16 anos que também faz parte dos Ultras. Angelo está à procura de vingança pela morte do seu irmão numa disputa entre claques e Sandro acaba por ser o seu guia espiritual. “Ultras” conta uma história que, mesmo pelo contexto, não poderia deixar de ter uma forte carga emocional e de fraternidade.

Artigo revisto por Joana Mendes

Artigo anteriorJogadores que Admiro #109 – Bernardo Silva
Próximo artigoQue jogos devo rever nesta quarentena? Angola 4-4 Mali
O Alexandre é um jovem que estuda Ciências da Comunicação no Porto. Apaixonado por tudo o que seja desporto, encontra a sua maior obsessão no futebol. Como não tinha grande jeito para jogar, decidiu que o melhor era apostar no jornalismo desportivo. Amante incondicional de bom futebol, não tem medo de dar a sua opinião nem de ser polémico. Sendo qualidades inerentes à profissão que deseja exercer no futuro, rege-se pela imparcialidade e pelo critério jornalístico na sua escrita.                                                                                                                                                 O Alexandre escreve ao abrigo do novo Acordo Ortográfico.