A série The English Game fez-me ter uma visão um pouco diferente sobre o futebol e sobre o porquê de ser um desporto tão apreciado, com todos os seus prós e contras. Em pleno período de isolamento social, a Netflix brindou-nos com uma das séries mais incríveis que já vi. Isto pode parecer uma opinião chocante para alguns, até porque nunca fui muito viciado em séries.

Na segunda metade do século XIX, o futebol era um desporto fundado e praticado por antigos alunos de colégios ingleses. Num tempo em que só os jovens nascidos em famílias ricas tinham a possibilidade de se formarem e tirar um curso, o futebol era então um desporto praticado por cavalheiros e elementos da alta sociedade.

Estes mesmos cavalheiros, viriam a tomar posse da Football Association e orgulhavam-se do futebol ser praticado por senhores cultos e inteligentes e de ser um desporto amador que representaria a lealdade entre as mais altas classes sociais.

No entanto, com o avançar dos anos, também iam aparecendo clubes de futebol formados por operários, que representavam o povo e as classes sociais mais baixas. Porém, estes clubes não costumavam chegar muito longe na FA Cup (a única competição que existia na época), muito graças à tamanha diferença de realidades entre operários e cavalheiros.

Anúncio Publicitário

Enquanto os cavalheiros tinham vidas financeiramente desafogadas e tempo para treinar, os operários não podiam treinar, porque trabalhavam de sol a sol para conseguirem pôr comida na mesa e sustentar as suas famílias.

Porém, a série retratou a melhor prestação de um clube operário na competição: em 1879, o Darwen, um clube formado por operários de uma fábrica de algodão, chegaria aos quartos-de-final da FA Cup, onde defrontariam os Old Etonians, o principal representante da alta sociedade, liderado por Arthur Kinnaird, que era o jogador com mais presenças em finais da Taça de Inglaterra.

Com a ajuda de Fergus Suter e Jimmy Love, dois operários de Glasgow recrutados ao Partik, o Darwen conseguiu levar a eliminatória para um segundo jogo, onde seriam facilmente derrotados, mas este seria o jogo que viria a desencadear uma série de factores, e que se tornou na chave que iria abrir o cadeado que fechava o futebol na classe da alta sociedade.

Antes de mais, o confronto entre estas duas equipas mostrado na série, fica marcado por um paradoxo no mínimo curioso: os Old Etonians, o clube dos cavalheiros, tinha um estilo de jogo muito físico e viril que, a meu entender, nada condiz com a postura cavalheiresca que os define.

Mais do que o estilo, o futebol também os tornava vaidosos e arrogantes, não apenas dentro de campo, mas também quando este se tornava tema de conversa nos jantares de grupo que faziam quase diariamente. Como chegou a dizer Alma, esposa de Arthur Kinnaird: “o futebol revela tudo o que há de mau nele”.

Por outro lado, no clube dos operários, a chegada de Fergus Suter e Jimmy Love à equipa introduziu um novo conceito de jogo na mesma, um estilo mais assente no passe e na organização de jogo. No entanto, a componente táctica é o ponto menos importante neste confronto que começaria a unir os diferentes estatutos sociais na série The English Game.

O que o Darwen fez no primeiro jogo dos quartos-de-final fez o povo acreditar no futebol, fê-los acreditar que este os levaria a um outro estatuto social, que seria impossível obter de outra forma. Por isso, disponibilizaram-se a pagar a viagem da equipa para o jogo de desempate contra os Old Etonians. Viviam com pouco e precisavam do dinheiro, mas para eles, o futebol era a única alegria e o único tubo de escape para se distraírem das vidas difíceis que levavam.

Porém, na classe dos cavalheiros, principalmente aos elementos da Football Association, como Francis Marindin, não lhes agradava o facto de existirem cada vez mais clubes operários a competir na FA Cup, considerando-os como uma praga. Eles tinham orgulho no facto do futebol ser um desporto amador essencialmente praticado por cavalheiros e queriam, a todo o custo, que este não saísse da bolha em que estava inserido.

Ainda antes de haver futebol, já eram evidentes as diferenças entre cavalheiros e operários. Mas neste caso, havia um aspecto em que ambas as classes sociais estavam de acordo. Num tempo em que o profissionalismo ainda era ilegal no futebol, tanto cavalheiros como operários não gostavam do facto de haver jogadores a serem pagos para jogar. Daí que a chegada de Fergus Suter e Jimmy Love não fosse bem vista pelos restantes jogadores, mas isso seria apenas o início de o desencadear das rivalidades nesta série The English Game.

Após essa edição da FA Cup, apareceria um novo clube operário: o Blackburn. Com a ambição de fazer do Blackburn o primeiro clube operário a vencer a FA Cup, o seu presidente investiu muito dinheiro a recrutar os melhores jogadores do país, fazendo-lhes propostas irrecusáveis, sendo que Fergus Suter e Jimmy Love fizeram parte do rol. A ida de Suter e Love para o Blackburn caiu muito mal no povo de Darwen, que se sentiu traído e desencadeou uma batalha campal no amigável disputado entre as duas equipas.

Fergus Suter e Jimmy Love são vistos como os pioneiros do futebol moderno
Fonte: Netflix

Mas mais do que isso, os incidentes ocorridos no The English Game só reforçaram as ideias de grande parte dos cavalheiros, desde a ilegalidade do profissionalismo ao facto de considerarem os operários como pessoas selvagens e pobres de espírito, que não tinham classe para dominar o futebol. Estes entendiam que jogadores que jogavam por dinheiro nunca teriam o mesmo empenho e dedicação que aqueles que jogavam por amor ao jogo, e diziam orgulhosamente que depois de cada jogo, clubes como os Old Etonians e os Old Carthusians faziam parte da mesma equipa: os cavalheiros; enquanto os operários não abordavam o futebol da mesma forma, vivendo as rivalidades de forma muito mais intensa e fervorosa.

Entretanto, quando ocorreu a final da FA Cup em 1880 entre o Blackburn e os Old Etonians, o futebol já era muito mais do que um jogo, um confronto entre duas equipas. Era também o confronto entre estatutos sociais, onde jogadores e adeptos procuravam afirmar-se individualmente através do futebol. Por isso, a rivalidade que então existia entre o Darwen e o Blackburn foi posta de lado, reconhecendo que havia uma causa maior pela qual teriam de lutar.

Mais do que o resultado e a forma como ocorreu o jogo, é preciso perceber o impacto que o futebol começaria a causar na sociedade. Daí para a frente, o futebol profissional passou a ser legal, de modo a torná-lo num desporto para todos e não só para alguns, num desporto que promove a democracia e a igualdade entre classes sociais. Porque no final, mesmo que uns sejam cavalheiros e outros sejam operários, todos somos iguais.

E a série The English Game mostra-nos isso mesmo: a forma como o futebol começou a abrir as portas pelo mundo fora, tornando-se naquilo que é hoje: num negócio que envolve rios de dinheiro, mas também num desporto apaixonante que tem milhões de adeptos espalhados pelos quatro cantos da Terra.

Artigo revisto por Diogo Teixeira

Comentários