Regressar a casa tem muito que se lhe diga. Não é apenas voltar a um local onde já se viveu. Voltar a casa é voltar a uma série de memórias, voltar a viver emoções fortes: boas e más. Ser trespassado com mágoas antigas e ser alegrado por velhas alegrias. Recordar como ali se foi feliz, e como ali se atingiu o fundo. Percorrer os cantos à casa e reconhecê-la ao centímetro.

Voltar a visitar a casa onde escrevi é relembrar as amarguras de rescaldos de derrotas, de táticas mal conseguidas, de jogadores que foram “erros de casting” ou de treinadores que ficaram demasiado tempo; mas é também relembrar as conquistas de troféus, os elogios nas goleadas, os jogos com “nota artística” e os jogadores que faziam a escrita fluir com alegria.

Este meu regresso a casa coincidiu com a semana em que o futebol também regressou aos estádios portugueses. E, com ele, também as alegrias e tristezas o acompanharam.

Voltou o nervoso miudinho do pré-jogo. Voltaram as apostas do onze inicial. As discussões entre amigos – aquelas que já não existiam há dois meses – porque o Weigl deve jogar, ou o Seferovic fazer dupla com o Vinícius. Já não sentiam falta de “picar” o vosso amigo do Sporting CP, Boavista FC ou FC Porto, ou ser “picados” por eles? Ficar “com azia” por eles discordarem quanto ao penálti por assinalar, ou por acharem que o Messi é melhor que o nosso Cristiano Ronaldo?

Anúncio Publicitário
Por agora, os cachecóis terão de ser erguidos em casa
Fonte: Carlos Silva/Bola na Rede

Só não voltaram as bifanas e as roulottes, ou o hino nas bancadas, os abraços a desconhecidos que gritam pelo mesmo glorioso do que tu. Mas estamos lá perto. Lentamente, aproximamo-nos do regresso ao normal, onde poderemos vivenciar o futebol na sua totalidade.

Por agora, resta-nos aproveitar o que temos. E que bom é ter tudo isto de volta. Que bom é poder voltar a ter futebol!

O quão bom não é sentir a frustração de uma bola ao poste, de perseguir o resultado até à última, de gritar com aquele jogador que “se esqueceu da bola atrás” ou que “não joga nada” e devia dedicar-se a outra profissão?

O quão incrível não é saltar com aquela finta, ficar deslumbrado com a jogada fantástica, aplaudir o esforço do nosso colega de manto sagrado ou festejar o golo enquanto beijamos a águia das nossas camisolas?

Quer o regresso do futebol nos traga conquistas ou fracassos, podemos todos concordar que sempre iríamos preferir que ele tivesse voltado mais cedo – ou que nunca tivesse ido embora. Mas aí está a magia do regresso a casa: a saudade. A saudade de ver 22 jogadores atrás de uma bola e do gozo que isso nos traz, da energia que a vitória nos fornece, e da angústia que a derrota nos coloca. Porque o futebol não seria futebol se não colocasse milhões de pessoas à espera de ver as suas rotinas emocionais alteradas.

No fundo, quer para o bem, quer para o mal, todos nós só queríamos que o futebol voltasse a casa.

Vamos aproveitar o que resta do campeonato. Sem pedras. Sem graffitis. Sem danos. Porque o futebol só é bonito quando se vive apenas o futebol.

Ah, e claro, que no final ganhe o SL Benfica.

Uma vez mais: Saudações Benfiquistas!

Artigo revisto por Joana Mendes

Artigo anteriorOs 5 melhores quarterback da NFL
Próximo artigoO 11 com mais minutos do Futebol Português
Desde pequeno que o Benfica faz parte da vida do Pedro Estorninho. Avô e pai benfiquistas deixaram-lhe no sangue a chama das águias. A viver nos Açores nunca teve muitas oportunidades de ver o clube ao vivo, mas os estudos trouxeram-no à capital, onde pode assistir de perto aos jogos do tricampeão. A paixão pela escrita sempre foi algo dentro dele que nunca conseguiu mostrar e surge agora a oportunidade de juntar o melhor dos dois mundos.                                                                                                                                                 O Pedro escreve ao abrigo do novo Acordo Ortográfico.