internacional cabeçalho

Escrevo-vos cansado. Muito cansado. São tantas as barbaridades que têm sido ditas e escritas ao longo dos últimos tempos, que nem sei bem por onde começar. Talvez esta frase sirva para começar a descarregar frustrações: “A minha mulher já arranjou espaço para a Bola de Ouro: na sala, junto à lareira. Já tratou de tudo”. A frase pertence a Franck Ribéry, jogador francês esse que se considera apto e, imagine-se, o principal favorito a vencer o principal galardão atribuído pela FIFA ao melhor jogador do mundo do ano. Repito: ao MELHOR jogador do mundo do ano. Não é à melhor equipa, nem ao jogador que ganhou mais troféus. Fui claro? Talvez ainda não.
De facto, se o prémio valorizasse o bom humor ou as declarações mais desvirtuadas, aí sim, eu daria o prémio a Ribéry. Aquela frase, bem como o facto de ainda haver gente que acha que ele deveria ser o vencedor, faz-me pensar se não estaremos todos aqui a brincar com este tipo de coisas e se este prémio, de facto, não deve ser levado a sério. E as recentes atitudes de Blatter e companhia levam-me a acreditar que talvez a FIFA nem esteja muito preocupada com o real valor que todos poderão dar a este prémio.

Os candidatos à Bola de Ouro. Ronaldo sempre caricaturado como o suposto "mau da fita"
Os candidatos à Bola de Ouro. Ronaldo, como já vem sendo hábito, é caricaturado como o suposto “mau da fita”

Se formos sérios, Ribéry talvez até nem esteja no top3 mundial. De forma muito honesta, se pensarmos nos melhores do ano, a escolha só pode recair em dois nomes: Cristiano Ronaldo ou Messi. Nos últimos 5 anos, a escolha não pode, nunca, ir para outro nome. Na atualidade, se quisermos olhar à qualidade/estatísticas individuais dos melhores do mundo, temos sempre Ronaldo e Messi à frente. Depois há um fosso grande (para não dizer enorme) para os restantes. E nessa secção dos “restantes” há, para além de Ribéry, Iniesta, Robben, Neymar, Bale, Xavi ou Ibrahimovic. E o sueco, na minha opinião, até foi superior ao jogador francês neste ano.

Mas aí estaremos sempre a falar do terceiro melhor do ano. Nenhum jogador do mundo está próximo da valia e preponderância de Messi e Ronaldo. E em relação aos 2, a discussão é a mesma de sempre. E não se vão encontrar grandes consensos. Eu mantenho a minha posição de que o que Ronaldo fez este ano justifica a Bola de Ouro. Não tem cabimento que Messi tenha 4 e o português apenas uma. Não é justo para um jogador que já entrou para a história do futebol internacional e que faz uma temporada assombrosa como esta. Se ainda restar um pingo de decência aos órgãos da FIFA, que o demonstrem agora. Faça-se justiça! Aqui estamos a eleger o melhor do mundo neste ano. Não é o prémio para o jogador que fez parte da melhor equipa do ano. Nem para o que é, segundo muitos, “geneticamente” o melhor. É para aquele que foi estatisticamente o melhor. Sejamos sérios, senhores na FIFA. Uma vez na vida. Ele merece reviver este momento:

Ronaldo venceu a Bola de Ouro em 2008 Fonte: http://www.radionova.fm/
Ronaldo venceu a Bola de Ouro em 2008
Fonte: radionova.fm