Tanto que os une e tanto que os separa | Espanha x França

    Euro 2024, meia-final: terça-feira, 9 de julho de 2024, 20h00.

    A ANTEVISÃO: BERLIM É JÁ AO VIRAR DA ESQUINA

    Dois países separados pelas montanhas dos Pirinéus, que juntos, reúnem cinco Campeonatos da Europa. A França era a favorita antecipada e a Espanha tornou-se a principal candidata com o decorrer do torneio. Num jogo que contará com os melhores jogadores do mundo e com dois estilos contrastantes, apenas uma equipa seguirá para Berlim para disputar a final. Quem será? O passado diz-nos alguma coisa?

    O passado de jogos entre estas duas equipas não nos diz muito. Só se confrontaram uma vez desde 2013 e foi na final da Liga das Nações, em 2021, num embate que terminou com vitória francesa por 2-1. Mas a verdade é que muitos dos protagonistas não estarão em Munique, na terça-feira.

    A Espanha contou com César Azpilicueta, Eric García, Marcos Alonso, Sergio Busquets, Gavi e Pablo Sarabia, enquanto que a França teve no seu 11 nomes como Hugo Lloris, Raphael Varane, Presnel Kimpembe, Paul Pogba e Karim Benzema (que marcou um dos golos). São onze jogadores que não terão papel nesta meia-final.

    Então se não podemos olhar para o historial de confrontos entre estas duas equipas, o que podemos retirar dos cinco jogos que cada equipa disputou neste Campeonato da Europa?

    Espanha jogadores no Euro 2024
    Fonte: Seleción Española de Fútbol

    Defensivamente, são as duas melhores defesas ainda em competição, com apenas um golo sofrido até agora. Curiosamente, apresentam um número semelhante de desarmes efetuados com sucesso: França com 53 e Espanha com 51. A diferença é que a França efetua (e vence) mais desarmes no seu terço defensivo, enquanto que a Espanha age mais no meio e na frente. Isso comprova a teoria que são duas defesas sólidas muito distintas.

    A França não se importa de oferecer mais iniciativa ao adversário e baixar o seu bloco para mais perto de Mike Maignan, explorando depois as costas da defesa contrária utilizando a velocidade dos seus atacantes, enquanto que a Espanha gosta de jogar com a bola e defender alto, para quando a recuperar estar mais perto da baliza oposta.

    Pode ser esta a tendência da meia-final, com uma França mais expectante, como foi contra Portugal, em que acabou com 40% de posse de bola, e uma Espanha mais proativa na busca do golo.

    A diferença entre Portugal e Espanha é a diferença de eficácia em jogo posicional de ambas. Este pode ser o ponto diferenciador para o jogo de Munique.

    Ao contrário de Portugal, que sofreu para desmontar os blocos baixos da Chéquia, Geórgia, Eslovénia e, em momentos, da França, a Espanha especializou-se nesse momento do jogo. Não deu hipóteses à Itália e goleou a mesma Geórgia (nos oitavos de final) por 4-1. A explosão de Nico Williams (à esquerda) e a criatividade de Lamine Yamal (à direita) têm dado dores de cabeça a todos os adversários. Depois há mobilidade constante de Morata na frente, ruturas e jogo entrelinhas de Dani Olmo, perigo à entrada da área na forma de Fabián Ruiz e Rodri e variabilidade de movimentos em ambos os laterais. É uma equipa com dinamismo e padrões ofensivos. Quer isto dizer que a França está destinada à eliminação?

    Não, claro que não. Se há um ponto fraco na Espanha é a linha defensiva. Linha essa que não terá Robin Le Normand e Dani Carvajal, por suspensão. Há que aproveitar esse lado direito da defesa espanhola, que poderá ver Jesús Navas, Nacho e/ou Dani Vivian, quer no contra-ataque (como fez a Geórgia), quer em jogo posicional (como fez a Alemanha na segunda parte do jogo dos quartos de final). Ataque continuado não é o forte da formação de Didier Deschamps, mas a França não pode contar apenas com sobreviver. Há qualidade nas opções atacantes para mais que isso. Veremos…

    Pepe Kylian Mbappé Portugal França
    Fonte: UEFA

    É mais uma final antecipada e todas as condições estão reunidas para o jogo ser isso mesmo, imperdível. Mas uma ficará pelo caminho e a outra avançará para a final, onde será, muito provavelmente, a favorita a vencer a competição.

    10 DADOS RÁPIDOS

    1. Até este jogo, Espanha e França encontraram-se um total de 36 vezes.
    2. A Espanha tem-se superado neste duelo, vencendo em 16 ocasiões – 13 vitórias francesas e 7 empates.
    3. A vitória mais desnivelada ocorreu dia 14 de abril de 1929, data em que a Espanha ganhou à França por 8-1 num jogo de caráter particular.
    4. Houve quatro jogos entre as duas formações em Campeonatos da Europa, com a França a ter ligeira vantagem com duas vitórias em comparação com a vitória espanhola isolada.
    5. Entre 1983 e 2000, encontraram-se oito vezes num período em que os espanhóis não conseguiram bater os gauleses uma única vez – 6 vitórias da França e 2 empates.
    6. Mas nos dez jogos seguintes, a Espanha saiu vitoriosa em 6 ocasiões (apenas 3 vitórias francesas).
    7. O primeiro confronto aconteceu a 30 de abril de 1922 com uma vitória espanhola por 4-0 em solo francês.
    8. Os primeiros títulos europeus de cada seleção ocorreram nos Europeus disputados em casa – Espanha 1964 e França 1984.
    9. Os dois centrais espanhóis mais utilizados neste Campeonato da Europa – Robin Le Normand e Aymeric Laporte – nasceram em França.
    10. Enquanto que o lateral esquerdo francês, Théo Hernández, tem descendência espanhola.

    JOGADORES A TER EM CONTA

    Fabián Ruiz Espanha
    Fonte: UEFA Euro 2024

    Fabián Ruiz – O médio do PSG tem sido um dos destaques da competição e já leva dois golos e outras tantas assistências no Euro 2024. A par de Yamal e Nico Williams, é um dos jogadores mais importantes do 11 espanhol e, neste jogo frente a vários companheiros de clube, o médio de 28 pode ser decisivo na batalha a meio-campo.

    Kylian Mbappé França Bernardo Silva Portugal
    Fonte: Federação Francesa de Futebol

    Kylian Mbappé – Não podemos dizer que, até ao momento, este tenha sido o Euro de Mbappé, mas a verdade é que é nos momentos de decisão que os heróis se mostram. Antes da viagem para a capital espanhola, o avançado gaulês pode ter a oportunidade de fazer uma desfeita ao país que o vai receber em breve.

    XI´s PROVÁVEIS

    Espanha: Unai Simón; Jesús Navas, Nacho Fernández, Aymeric Laporte e Marc Cucurella; Rodri, Fabián Ruiz e Dani Olmo; Lamine Yamal, Álvaro Morata e Nico Williams

    Treinador: Luis de la Fuente

    «É uma oportunidade fantástica. Fizemos muito para estar aqui. Este jogo, como contra a Alemanha, podia ser uma final. São jogos de detalhes e cometer poucos erros. O nosso modelo aproxima-se de um bonito espetáculo. Somos uma equipa atrativa, mas aqui trata-se de ganhar. Há que ser vistosos, mas também práticos. Espanha melhor seleção? Se pretendem uma análise fácil não o vão conseguir. Para mim temos a melhor equipa. Pensava isso quando cheguei e vou pensar assim até ao fim».

    França: Mike Maignan; Jules Koundé, Dayot Upamecano, William Saliba e Théo Hernández; Aurélien Tchouaméni, N’Golo Kanté, Eduardo Camavinga e Antoine Griezmann; Marcus Thuram e Kylian Mbappé

    Treinador: Didier Deschamps

    «É preciso tentar impedi-los de receber a bola e limitar as suas capacidades ofensivas no jogo. Ter a posse de bola ou não permitir que eles recebam da melhor maneira possível. São jogadores que têm um ponto extra fisicamente, que torna a Espanha mais competitiva».

    PREVISÃO DE RESULTADO: Espanha 2-1 França

    - Advertisement -

    Subscreve!

    PUB

    spot_img

    Artigos Populares