logo-BnR.png

ÚLTIMA HORA:

HNK Hadjuk Split Vitória SC

HNK Hadjuk Split 3-1 Vitória SC: Batalha perdida, mas Guerra ainda viva

A CRÓNICA: RESISTÊNCIA CROATA MAIS FORTE DO QUE A EMBOSCADA DE MAGA

Numa demanda pelo sonho europeu, o Vitória SC marcharam até à Croácia para enfrentar o HNK Hadjuk Split na 1.ª ronda da batalha.

No geral, definiria a primeira-parte como “equilíbrio”. Posse de bola idêntica, sucesso defensivo e rigor tático. A equipa croata possuiu inicialmente o domínio de bola, mas acabou por partilhar, de quando em vez, com os homens de Guimarães. Ninguém se queria afastar do plano e não haviam quase riscos, à exceção dos últimos 10 minutos em que o Vitória SC ainda permitiu dois remates à baliza. Bruno Varela interveio e reestabeleceu a ordem.

A segunda-parte trouxe mais futebol. O HNK Hadjuk Split delineou uma estratégia ofensiva e foi em busca do golo. O cerco estava montado, mas o Vitória persistia por detrás da sua fortaleza organizada e de contra-ataques rápidos. Não aguentavam muito mais, mas ainda tinham uma carta na manga. Emboscada aos croatas. No momento mais difícil do jogo, o lateral Miguel foi “mago” e inventou, com o seu pé mais fraco, um grande golo digno de magia (0-1).

O problema foi que não pôs verdadeiramente fim aos croatas. Eles resistiram e organizaram-se. Lutaram e, em oito minutos, construíram uma reviravolta (2-1, golos de Sahiti e Melnjak). Este último com erro de Miguel Maga, o autor do golo do Vitória. Krovinovic ainda quis pertencer à festa e fez um belíssimo golo (3-1) após um erro defensivo. Afinal de contas, a fortaleza, que outrora gloriosa, caiu…

 

A FIGURA

Filip Krovinovic: Participou em grande parte da construção croata e, no minuto 87, ampliou a vantagem com um golo fantástico que pode ser muito importante na eliminatória.

 

O FORA-DE-JOGO

Desconcentração defensiva do Vitória SC nos últimos 30 minutos: Durante a maior parte do jogo, estiveram muito bem organizados e eficazes neste processo. Depois, descambaram. Notou-se uma grande desconcentração e vários erros que tiveram um impacto significativo no resultado.

 

ANÁLISE TÁTICA – HNK HADJUK SPLIT

Uma vez que jogam em casa, é natural que queiram provar a sua força e intimidar o adversário. Organizados em 4-2-3-1, procuraram aplicar uma pressão alta, dominar a posse e chegar com facilidade ao último terço. Nos primeiros 60 minutos, não tiveram vida fácil frente à organização defensiva do Vitória SC, mas depois foi erro atrás de erro e saíram com sucesso.

 

 

11 INICIAL E PONTUAÇÕES

Lovre Kalinic (6)

Dario Melnjak (7)

Josip Elez (6)

Stefan Simic (6)

Dino Mikanovic (6)

Lukas Grgic (6)

Josip Vukovic (6)

Stipe Biuk (6)

Filip Krovinovic (8)

Emir Sahiti (7)

Marko Livaja (6)

SUBS UTILIZADOS

Jani Atanasov (6)

David Colina (6)

Gergo Lovrencsics (6)

Chidozie Awaziem (-)

 

ANÁLISE TÁTICA –  VITÓRIA SC

Na viagem à Croácia, o Vitória SC alinhou-se em 4-3-3 que se traduzia em 4-1-4-1 no processo defensivo, onde se refletiu uma alta concentração no posicionamento. Nesse aspeto, detiveram o controlo e conseguiram estagnar a força croata em vários momentos do jogo – isto até sensivelmente aos 60 minutos. A maioria das transições rápidas não foram eficazes (apesar do golo nascer assim), o ataque organizado nem sempre foi possível implementar e houve claras dificuldades na passagem do último terço (criação de perigo).

 

11 INICIAL E PONTUAÇÕES

Bruno Varela (6)

Ryoya Ogawa (7)

Mikel Villanueva (6)

Abdul Mumin (6)

Miguel Maga (7)

Tiago Silva (6)

Alfa Semedo (6)

André Almeida (5)

Nelson Luz (6)

André Silva (7)

Rúben Lameiras (6)

SUBS UTILIZADOS

Daniel Silva (6)

Anderson Silva (6)

Jota Silva (6)

Antoñín (-)

 

Desde pequeno que o desporto lhe corre nas veias. Foi jogador de futsal, futebol e mais tarde tornou-se um dos poucos atletas de Futebol Freestyle, alcançando oficialmente o Top 16 de Portugal. Atualmente, o Diogo está na Universidade Católica a estudar Comunicação Social com o objetivo de seguir uma carreira na área do jornalismo desportivo, sendo o futebol a sua verdadeira paixão.

Desde pequeno que o desporto lhe corre nas veias. Foi jogador de futsal, futebol e mais tarde tornou-se um dos poucos atletas de Futebol Freestyle, alcançando oficialmente o Top 16 de Portugal. Atualmente, o Diogo está na Universidade Católica a estudar Comunicação Social com o objetivo de seguir uma carreira na área do jornalismo desportivo, sendo o futebol a sua verdadeira paixão.

FC PORTO vs CD TONDELA