Anúncio Publicitário

A CRÓNICA: FALTOU FINALIZADOR PARA A TURMA DE RONALD KOEMAN

A primeira mão ditou uma goleada de 4-1 da equipa do Paris Saint-Germain FC em Camp Nou, que colocou assim pé e meio nos quartos de final da Liga dos Campeões. Ainda assim, do outro lado estava Messi e companhia e a história dizia que a remontada não era um cenário completamente desbabido. Cabia à turma do FC Barcelona ir atrás do prejuízo e tentar reverter a situação que estava muito desfavorável.

Foi isso que acabou por acontecer, com os catalães a entrarem muito fortes no momento ofensivo e muito pressionantes quando perdiam a bola. Ainda assim não conseguiram fazer o golo em várias ocasiões, e aos 31 minutos seria a equipa da casa a inaugurar o marcador, depois de uma grande penalidade cometida por Lenglet. Mbappé não tremeu, e voltou a fazer das suas contra a equipa espanhola. 1-0 no marcador, mas o Barcelona continuava a precisar dos mesmos quatro golos que necessitava no início da partida.

Anúncio Publicitário

Aos 37 minutos o jogo aqueceu com Messi a mandar uma autêntica bomba do meio da rua, deixando Navas sem qualquer hipótese de defesa. O jogo estava empatdo e faltavam três golos para que Messi e companhia pudessem sonhar.

O intervalo estava a chegar, mas não sem antes aparecer o momento que acaba por definir esta partida. Grande penalidade a favor dos forasteiros e o astro argentino tinha assim a hipótese de bisar e de colocar a eliminatória a dois golos, um cenário muito mais possível e animador para a segunda parte. No entanto aconteceu o que ninguém esperava e Messi desperdiçou essa oportunidade de ouro, mantendo o 1-1 até ao intervalo.

A segunda parte acabou por não ter muita história. Jogo de sentido quase único mas onde o FC Barcelona continuou sem conseguir materializar as duas oportunidades. A equipa francesa avança assim para os quartos de final e os catalães ficam pelo caminho nos oitavos de final, algo que não acontecia desde 2007.

 

A FIGURA


Keylor Navas – O guarda-redes costa riquenho fez, sem dúvida, dos melhores jogos da sua carreira. Foram inúmeras defesas importantíssimas que permitiram ao Paris Saint-Germain manter-se tranquilo na eliminatória, entre as quais a grande penalidade de Lionel Messi. Sofreu um golo indefensável mas de resto foi, sem margem para dúvidas, a grande figura da partida.

 

O FORA DE JOGO


Dembele – O francês foi o responsável por aparecer nas costas da defensiva parisiense e essa foi uma missão que realizou com bastante sucesso, essencialmente na primeira metade. No entanto, no momento da finalização foi simplesmente desastroso e não conseguiu materializar as inúmeras oportunidades que a equipa lhe ofereceu. Um jogo para esquecer para o extremo francês.

 

ANÁLISE TÁTICA – PARIS SAINT-GERMAIN FC

Numa eliminatória em que a vantagem era de três golos, Mauricio Pochettino dispôs a equipa num 4-3-3 muito defensivo, onde as transições ofensivas seriam o momento mais importante para a poder ferir o adversário. A ideia foi claramente esperar pelo conjunto espanhol quase no último terço do campo e depois colocar a bola para a velocidade essencialmente de Mbappé, que a partir daí faria o que a sua inspiração lhe permitisse.

Lá atrás, Marquinhos e Kimpembe comandaram as operações, com Paredes, Gueye e Veratti sempre muito perto, para contrariar o jogo entre-linhas característico do Barcelona. Nas linhas apareceram Florenzi e Kurzawa, que raramente se desdobraram para o momento ofensivo, e no lado contrário a Mbappé apareceu Draxler, também muito solidário com os colegas do eixo mais recuado. Icardi foi o ponta de lança, que teve, dentro deste esquema, um jogo muito difícil com pouca bola e muita corrida por parte da equipa de Paris.

11 INICIAL E PONTUAÇÕES

 Keylor Navas (10)

Florenzi (6)

Marquinhos (8)

Kimpembe (8)

Kurzawa (5)

Paredes (6)

Gueye (6)

Verratti (6)

Draxler (5)

Icardi (5)

Mbappé  (7)

 SUBS UTILIZADOS

Diallo (6)

Danilo (5)

Di Maria (5)

Dagba (5)

Rafinha (-)

 

ANÁLISE TÁTICA – FC BARCELONA

Ganhar não chegava, era preciso golear o Paris Saint-Germain, e Ronald Koeman optou pelo 3-4-3 criando grandes dinâmicas na zona central da ofensiva catalã. Para isso, de Jong recuou para o centro da defesa, contando com Lenglet e Mingueza ao seu lado, projetando assim os laterais Jordi Alba e Dest. Busquets partilhou o meio-campo com Pedri, com este segundo sempre mais adiantado, e na frente apareceram Dembele, Griezmann e Messi, responsáveis por materializar o a produção ofensiva da equipa.

Dembele foi, de forma surpreendente, a peça responsável por aparecer nas costas da defesa adversária, quer fosse do lado esquerdo ou do lado direito. Messi e Griezmann também se mostraram muito móveis, como de resto era de esperar, e só faltou marcar mais golos para esta ser uma grande exibição a nível ofensivo da equipa.

11 INICIAL E PONTUAÇÕES

 Ter Stegen (6)

Mingueza (5)

De Jong (6)

Lenglet (4)

Sergino Dest (7)

Jordi Alba (7)

Sergio Busquets (6)

Pedri (7)

Dembele (4)

Griezmann (6)

Messi (7)

SUBS UTILIZADOS

 Júnior Firpo (6)

Trincão (6)

Braithwaite (5)

Pjanic (5)

Moriba (5)

Anúncio Publicitário

DEIXE UM COMENTÁRIO

Comente!
Por favor introduz o teu nome