Anúncio Publicitário

A CRÓNICA: “MORTE NA PRAIA” ADIA DECISÃO PARA ÚLTIMA JORNADA

Quintas-feiras são sinónimo de Liga Europa e o MCH Arena foi o palco de batalha entre o FC Midtjylland e o SC Braga: lobos contra guerreiros. Será o rugido dinamarquês mais forte do que a espada lusitana?

Para falar a verdade, o seu rugido ouviu-se alto e bom som. Muito agressivo, o lobo entrou com fome e acabou por morder a presa no primeiro minuto da partida, depois de uma “salganhada” na área bracarense. O FC Midtjylland tinha assumido a liderança no marcador e os minhotos não estavam a ter uma vida fácil.

Anúncio Publicitário

Constatava-se um jogo físico com muitos duelos e pouco movimento nas zonas de finalização. Quarenta minutos passados e o SC Braga ainda não tinha conseguido encontrar a baliza, ou pelo menos, proporcionar um momento de perigo. A estratégia dinamarquesa estava a superar e anular toda a estratégia de Carlos Carvalhal. Porém, à porta do intervalo, quando a fé não era muita, o capitão Ricardo Horta empata a partida e abre uma janela: a da esperança. Hora do descanso e quinze minutos fundamentais para efetuar alterações táticas – algo urgente, tendo em conta o que se observava.

Retoma a partida e retoma o sucesso tático dinamarquês com um golo prematuro de Gustav Isaken que aproveitou a desconcentração e a apatia defensiva minhota. Wenderson Galeno ainda responde com um belíssimo remate, mas a bola vai direta ao ferro e mantém-se o mesmo resultado (2-1).

Inacreditável o que se passou aos 66 minutos. Que perdida de Gustav Isaksen! Arriscou no difícil com classe e subtileza, mas na hora de atirar, rematou forte à trave de baliza aberta, dando uma vida extra ao SC Braga. Uma segunda (ou terceira) oportunidade que a equipa parecia recusar, mas, aos 84´, Galeno aceitou de mãos abertas e faz o 2-2 com toda a elegância do mundo. Fora de área, bola na trave e (desta vez) entra.

Contudo, depois de tanta luta, o SC Braga “morre na praia”. Depois de uma entrada desnecessária e pouquíssimo profissional, Diogo Leite deita tudo a perder e concede grande penalidade à equipa dinamarquesa. Adianta-se Evander para a cobrança e, com Tiago Sá nos olhos, marca e é o herói da partida nos últimos minutos de jogo. Nesta sequência, o SC Braga sai de Dinamarca derrotado e deixa a derradeira decisão para a última jornada da Liga Europa, diante do FK Estrela Vermelha.

 

A FIGURA

Evander (FC Midtylland) – O resultado esteve literalmente nos seus pés. Com um penálti bem concretizado, determinou o desfecho final da partida e deu a vitória à equipa dinamarquesa. Além disso, durante os 90 minutos, foi preponderante no esquema ofensivo do FC Midtylland ao criar boas oportunidades. Um jogo muito positivo do número 10 do clube, o herói.

 

O FORA DE JOGO

O jovem central nunca foi aposta a longo-prazo para Sérgio Conceição e segue agora para os Guerreiros do Minho por empréstimo com opção de compra.
Fonte: Isabel Silva / Bola na Rede

Diogo Leite (SC Braga) – Individualmente, Diogo Leite é, para mim, o “fora de jogo” pela entrada imprudente na reta final, mas a pura verdade é que toda a defesa minhota podia estar, de igual forma, nesta categoria pela sua apatia e desconcentração em inúmeros momentos de jogo. Aliás, todos os três golos foram resultado do fracasso defensivo. Um jogo para esquecer da defensiva minhota, no qual Diogo Leite brinda o FC Midjylland com um penálti (que deu golo), já para lá dos 90 minutos.

 

ANÁLISE TÁTICA – FC MIDTJYLLAND

Na penúltima jornada do grupo F da Liga Europa, o FC Midtylland de Bo Henriksen lança a equipa num 3-4-3para o confronto caseiro com o SC Braga.

Entraram com uma ideia e executaram-na perfeição: impor o seu jogo físico, ganhar duelos e segundas bolas; pressionar bem, forte e agressivo e dificultar a saída e construção do adversário, impedindo a chegada bracarense a zonas de perigo. Ou seja, deixar o Braga completamente perdido sem soluções, sem saber o que fazer. E a verdade é que se não fosse pelo golo de Ricardo Horta, tinham concluído uma primeira parte perfeita.

Repetiu-se o mesmo cenário da primeira parte com uma entrada muito bem conseguida, dilatando a vantagem. No momento ofensivo, ainda se verificou uma descida dos laterais (em certo momento) para se juntarem à linha de três e garantirem mais segurança à equipa, que, sem bola, jogava em 5-4-1. 

11 INICIAL E PONTUAÇÕES

Jonas Lossl (6)

Juninho (6)

Erik Sviatchenko (7)

Henrik Dalsgaard (7)

Paulinho (6)

Evander (8)

Raphael Onyedika (6)

Joel Andersson (7)

Pione Sisto (6)

Júnior Brumado (7)

Gustav Isaksen (7)

SUBS UTILIZADOS

Jens Cajuste (-)

Charles (6)

Nicolas Dyhr (6)

Victor Lind (-)

 

ANÁLISE TÁTICA – SC BRAGA

Num sistema tático clássico de 4-3-3, o SC Braga de Carlos Carvalhal enfrentou o FC Midtylland com algumas baixas: Al-Musrati, Matheus, Sequeira, Buta, Tormena e David Carmo. Foi surpreendido pela entrada fortíssima do adversário, tanto na primeira parte como na segunda. Durante a maior parte da partida, sofreu grandes dificuldades em manter a posse de bola, ligar o jogo entre os vários setores e chegar às zonas de finalização – algo muito pouco frequente. A sua estratégia foi totalmente anulada e o SC Braga sai derrotado deste jogo. 

11 INICIAL E PONTUAÇÕES

Tiago Sá (6)

Diogo Leite (4)

Paulo Oliveira (6)

Bruno Rodrigues (5)

Yan Couto (4)

Wenderson Galego (7)

André Castro (7)

Lucas Mineiro (6)

Ricardo Horta (7)

Vítor Oliveira (6)

Iuri Medeiros (7)

SUBS UTILIZADOS

Chiquinho (6)

Francisco Moura (6)

Mário González (6)

Abel Ruíz (6)

Anúncio Publicitário

DEIXE UM COMENTÁRIO

Comente!
Por favor introduz o teu nome