Anterior1 de 3Próximo

Pela primeira vez nos últimos anos, o Borussia Dortmund entrava no Der Klassiker como líder do campeonato. Já o FC Bayern procurava recuperar de um mau início de época sob a batuta do novo treinador, Niko Kovac. Em terceiro lugar, a quatro pontos do primeiro, os bávaros reconheciam a necessidade de uma vitória frente ao principal rival.

E isso ficou evidente com a sua entrada em jogo: o Bayern manteve desde o iníco a posse de bola, com Goretzka a agir como pêndulo da equipa, trocando a bola de um flanco para o outro, e Ribery a apresentar-se como o principal desequilibrador dos homens de camisolas vermelhas.

Mas o plano de Lucien Favre para a partida era evidente: deixar o adversário fazer a bola circular e aproveitar os erros para, com a velocidade de Reus, a técnica de Sancho e a qualidade de passe de Götze, lançar contra ataque. E acabou por ser um plano eficaz, com Marco Reus a ter a primeira oportunidade de golo, numa ocasião de um para um que acabou por perder para o seu colega de equipa na Seleção Alemã, Manuel Neuer.

Os bávaros, no entanto, acordaram com esta ocasião. Uma hipótese para Ribery, outra para Gnabry e, à terceira vista clara da baliza defendida por Marvin Hitz, Lewandowski fez o 0-1. O cruzamento de Serge Gnabry a partir do flanco direito encontrou a cabeça do polaco, que, isolado na pequena área, não perdoou. Agora, teria de ser a equipa da casa a perseguir o prejuízo.

“Lewa” e Müller celebram o primeiro golo
Fonte: FC Bayern

Após o golo o jogo chegou ao seu primeiro período de estagnação. A equipa de Favre não parecia querer tomar as rédeas da partida, agora que esperar pelo contra ataque já não era uma aposta viável. O Bayern mandava poucos homens para o ataque, tendo já percebido a tática do adversário.

Se a primeira parte acabou com suspiros de aborrecimento, a segunda começou com gritos jubilantes para os adeptos do Borussia Dortmund. Após ser derrubado num erro infantil de Manuel Neuer, Marco Reus beneficiou de um penálti aos 48 minutos e aproveitou para fazer o 1-1 e o seu sétimo golo da época.

Empurrados pela fantástico ambiente criado no Signal Iduna Park, os jogadores do Borussia pareciam estar a ganhar um novo ímpeto, lançando outro ataque logo após o pontapé de saída. Na resposta… o Bayern fez o 1-2. Serge Gnabry e Joshua Kimmich brilharam no lado direito, com o primeiro a fazer um delicioso passe de calcanhar para o segundo, que, já dentro da área, picou a bola por cima de Marvin Hitz e para Lewandoski, que teve o seu segundo cabeceamento gratuito da noite. Dois minutos depois do empate, o FC Bayern adiantava-se novamente.

Kimmich esteve em evidência nos processos ofensivos dos bávaros
Fonte: FC Bayern

A segunda parte continuava com um ritmo estonteante e Marco Reus viu o seu remate a ser bloqueado em cima da linha por Joshua Kimmich. Logo a seguir, Favre decidiu lançar o seu super substituto, Paco Alcácer (já leva sete golos nesta época). Dois minutos depois, Lewandoski completou o seu hat trick, mas o fiscal de linha anulou – e bem – a jogada por posição irregular do avançado.

No minuto seguinte, um erro de Mats Hummels permite a Jadon Sancho pôr a quinta mudança, deixar o central alemão para trás, fintar Manuel Neuer e dar a bola a Alcácer, que, isolado frente a uma baliza vazia, não conseguiu rematar a tempo de evitar o corte de Jerome Boateng.

Mas aos 67 minutos os jogadores de amarelo não perdoaram. Pisczeck cruza a partir da direita e Marco Reus remata de primeira para fazer o golo da noite. Dois tentos para Reus, dois para Lewandowski. Os ex-colegas de equipa no Borussia Dortmund protagonizavam agora um dos Der Klasskiker mais frenéticos da década.

Reus festeja o 1-1
Fonte: BVB

O BVB mudara por completo a sua abordagem do jogo, e com isso abrira a partida. Deixámos de ver uma equipa a controlar a posse de bola enquanto a outra esperava o contra ataque. Eram vinte e dois jogadores igualmente determinados a conseguir uma vitória que pode significar tanto, mesmo numa fase inicial da campanha.

Aos 73 minutos, a arma secreta de Favre dava resultados, pela oitava vez nesta época. Um passe delicioso de Axel Witsel deixa Paco Alcácer completamente isolado em frente a Neuer. O espanhol emprestado pelo FC Barcelona compensou o falhanço anterior e bateu o guarda redes alemão para, pela primeira vez, colocar a sua equipa em frente na partida.

Niko Kovac estava a ver a sua equipa a perder por completo o controlo do jogo, perante um Borussia cada vez mais ofensivo e motivado. Lançou Renato Sanches, na tentativa de gerar alguma inquietação num meio campo que se mostrara incapaz de atacar e impotente a defender.

Mas a entrada do português não surtiu efeito, e um FC Bayern vulnerável viu-se mais perto de sofrer o 4-2 do que conseguir o 3-3. Uma segunda parte para esquecer deixara os bávaros sem confiança, e isso ficou espelhado numa troca de bola atabalhoada entre Boateng, Kimmich e Neuer, que acabou por dar ao BVB um lançamento já no seu terço ofensivo. Contam-se pelos dedos de uma mão as transições ofensivas com sucesso do FC Bayern no quarto de hora final, um quarto de hora em que Neuer teve mais toques na bola que Lewandowski.

Mas o avançado polaco apenas precisou de um toque para, aos 94 minutos, fazer o golo. Um golo que, pela segunda vez no jogo… foi anulado. O levantamento da bandeirola foi celebrado pelos adeptos como se de um golo se tratasse.

E as celebrações continuaram com o apito final, que veio confirmar um avanço de sete pontos do BVB sobre o FC Bayern. Os homens de Favre vêem-se assim isolados no topo da classificação, enquanto os de Kovac ainda podem descer ao quarto lugar nesta jornada. Tendo em conta que a última visita dos bávaros ao Signal Iduna Park resultara numa vitória de 0-6, uma derrota no Der Klassiker deixa o novo treinador numa situação que tem tanto de delicada como de incerta.

Onzes iniciais:

Borussia Dortmund: M. Hitz; L. Pisczeck; M. Akanji; D. Zagadou; Achraf Hakimi; J. Weigl (M. Dahoud 46’); A. Witsel; J. Sancho; M. Reus; B. Larsen (T. Delaney 82’); M. Götze (P. Alcácer 59’)

FC Bayern München: M. Neuer; J. Kimmich; M. Hummels (N. Süle 65’); J. Boateng; D. Alaba; J. Martínez; L. Goretza; T. Müller (S. Wagner 82’); S. Gnabry (R. Sanches 74’); R. Lewandowski; F. Ribery

Anterior1 de 3Próximo

Comentários