A CRÓNICA: UM CLÁSSICO QUE VEIO PARA FICAR…

FC Bayern Munique e RB Leipzig foram os protagonistas do jogo de maior destaque da décima jornada do campeonato alemão, num duelo de expetativas elevadas, que opôs o primeiro e segundo classificados da competição.

O Leipzig entrou na partida a todo o gás, com Sabitzer a enviar um míssil à barra da baliza de Neuer, nos primeiros minutos de jogo. O Bayern tentou responder, assumindo a posse da bola e subindo no terreno de jogo, mas seriam mesmo os die bullen a abrir o marcador, à passagem do minuto 19’, por intermédio de Nkunku, depois de um transição rápida que apanhou de surpresa a defensiva bávara. Após o tento, os visitantes foram crescendo na partida, dando poucas oportunidades ao adversário, até à meia hora de jogo, momento em que o recém-entrado Jamal Musiala, de apenas 17 anos – tinha substituído Javi Martínez cinco minutos antes – restaurou a igualdade no marcador com um grande remate de fora de área, não dando qualquer hipótese de defesa ao guardião Gulasci.

Os golos antes do descanso não ficariam por aqui, pois os da casa voltariam a faturar, cerca de quatro minutos depois, numa grande jogada ofensiva que culminou com o tento de Müller. O Leipzig respondeu da melhor maneira, cerca de um minuto depois, com um golo de Justin Kluivert a empatar novamente a partida. Com as equipas a seguirem para os balneários, depois de um primeiro tempo recheado de golos, a segunda parte prometia a continuação de um grande ‘show’ de bola.
O Leipzig voltou a entrar na partida com o pé no acelerador, à imagem do arranque do primeiro tempo, e recolocou-se na frente do encontro ao minuto 48’, depois de Angelino encontrar Forsberg sozinho na pequena área do Bayern, que não se fez rogado e colocou a bola no fundo das redes. Na frente do encontro, os visitantes recolheram-se no seu meio campo, fechando espaços e consentindo uma maior posse de bola ao adversário, algo que foi resultando até ao minuto 74’, quando Müller voltou a marcar e a restaurar a igualdade, deixando tudo em aberto para os restantes 15 minutos do encontro. Até ao apito final os da casa procuraram o golo do triunfo a todo o custo, mas os visitantes aguentaram-se e o desfecho foi o empate neste FC Bayern Munique x RB Leipzig.

Anúncio Publicitário

Com este resultado, o Bayern mantém-se no topo da liga alemã com 23 pontos, enquanto que o Leipzig continua na perseguição, com 21 pontos, ocupando o segundo posto da tabela classificativa.

 

A FIGURA

Th⚽️⚽️mas Müller
Kingsley Com🅰️🅰️🅰️n#FCBRBL @esmuellert_ pic.twitter.com/b4loXHnlgP

— FC Bayern München (@FCBayern) December 5, 2020

Thomas Müller – O médio alemão de 31 anos continua a espalhar o seu perfume com a camisola do FC Bayern Munique. Foi crucial nesta partida, ao apontar dois dos três golos dos bávaros e ajudando a resgatar um ponto para os caseiros.

 

O FORA DE JOGO

Alu Neuer. #FCBRBL pic.twitter.com/KMUDZY9Kt9

— FC Bayern München (@FCBayern) December 5, 2020

Manuel Neuer – O guardião alemão do FC Bayern Munique esteve longe do seu melhor nesta partida, mostrando alguma insegurança entre os postes, tendo também culpa no primeiro golo sofrido pela sua formação.

ANÁLISE TÁTICA – FC BAYERN MÜNCHEN

A formação da Baviera alinhou num sistema tático base de 4-2-3-1, que variava entre um 4-3-3 e um 4-2-4 no momento ofensivo. Os comandados de Hans-Dieter Flick jogaram à sua imagem, com um futebol ofensivo e dominador em termos de posse de bola, mas foram muitas vezes surpreendidos com as boas e rápidas transições do RB Leipzig, que deixaram várias vezes a defensiva bávara “às aranhas”. A fluidez ofensiva não se mostrou no nível normal, apesar dos três tentos apontados, mas muito por culpa da boa organização apresentada pelo adversário.

 

11 INICIAL E PONTUAÇÕES
Neuer (5)
Pavard (6)
Boateng (6)
Süle (6)
Alaba (7)
Goretzka (6)
Martínez (6)
Sané (6)
Müller (8)
Coman (7)
Lewandowski (6)

SUBS UTILIZADOS
Musiala (7)
Gnabry (6)
Costa (6)
Richards (-)

 

ANÁLISE TÁTICA – RB LEIPZI

Julian Nagelsmann dispôs a sua formação num dispositivo base de 4-3-3, sem um ponta de lança de raíz, sendo o médio sueco Forsberg a referência mais atacante da equipa, atuando praticamente como falso nove. Os die bullen apostaram em transições rápidas, privilegiando contra-ataques e ataques rápidos, que desmancharam por completo a organização bávara. Apesar de permitirem mais posse de bola ao adversário e jogar com as linhas muito recuadas, mostraram uma grande organização e consistência, o que permitiu estancar a criatividade ofensiva do FC Bayern.

 

11 INICIAL E PONTUAÇÕES
Gulácsi (6)
Mukiele (6)
Konaté (6)
Upamecano (6)
Angeliño (6)
Haidara (6)
Sabitzer (6)
Adams (6)
Kluivert (7)
Forsberg (7)
Nkunku (7)

SUBS UTILIZADOS
Poulsen (6)
Kampl (6)
Olmo (6)
Orban (6)
Sorloth (6)

Artigo revisto

DEIXE UM COMENTÁRIO

Comente!
Por favor introduz o teu nome