Com a época prestes a terminar, começam a surgir os habituais rumores. Este ano não é excepção, e algumas transferências acabaram já mesmo por ser reveladas, como é o caso de Adrián Ramos para o Borussia Dortmund, e a ainda mais mediática transferência a custo zero de Lewandowski por parte do Bayer München.

Olhando para as equipas de topo, e fazendo uma breve análise ao seu plantel, posso concluir o seguinte relativamente a cada uma delas:
Bayern München – O clube orientado por Pep Guardiola tem feito uma época extraordinária. Já venceu a Bundesliga, está nas meias finais da Champions League e ainda na final da Taça da Alemanha, sendo, para mim, o principal candidato à vitória em ambas as competições. Com um plantel do outro mundo, para muitos o melhor do mundo, os adeptos não se preocupam com a baliza, já que contam com Manuel Neuer e Starke, que se revela sempre seguro quando chamado à acção. Dante é claramente o pilar da defesa, com Boateng, Badstuber e van Buyten a alternarem entre si na dupla com o brasileiro, mas sem a mesma qualidade. Atendendo ao facto de o gigante belga estar em final de contrato, e tendo também em conta os seus 36 anos, esta é uma posição que poderia ser reforçada. Isto pode acontecer mesmo com um reforço vindo de dentro do plantel. Javi Martínez joga tão bem nessa posição como médio mais recuado e, ocupando uma posição ainda mais defensiva, abre outra vaga no meio campo.

Quanto às laterais, esta é mais uma posição segura. Rafinha na direita e Alaba na esquerda garantem segurança, e como alternativas há um Phillip Lahm, que faz bem os dois flancos, mesmo jogando actualmente como pivot no meio campo, e ainda Diego Contento, que cumpre quando é chamado a jogo na lateral esquerda. Há ainda dois talentos emergentes na equipa B; falo de Benno Schmitz e de Vladimir Rankovic.

A posição mais central do terreno já é ocupada por jogadores que jogam como ninguém. Schweinsteiger, Kroos, Thiago, Lahm e Javi Martínez oferecem garantias e, mesmo assim, para o ano terão mais um companheiro na posição. Trata-se de Sebastian Rode, actual jogador do Eintracht Frankfurt. Rode é internacional pelas selecções jovens alemãs, tem 23 anos e, apesar de se encontrar lesionado desde Fevereiro, actuou em 28 partidas, marcando um golo.

No ataque demolidor da Baviera há Ribéry, Robben, Shaqiri, Müller e Götze, como criativos e polivalentes, trocando de posições várias vezes no jogo, ocupando as posições nas alas e no centro do terreno, tanto a ponta de lança como no seu apoio. Os jogadores mais fixos deste ataque absolutamente letal são Mandzukic e Claudio Pizarro. No entanto, com a já confirmada vinda de Lewandowski, Mandzukic perde espaço e há já rumores de uma possível transferência para a Premier League, mais concretamente para um gigante de Londres. Arsenal, Chelsea e mesmo o Tottenham desesperam por um avançado. Quanto a Pizarro, este deve mesmo abandonar a equipa, já que conta com 35 anos e o seu contrato acaba em Junho de 2014.

Lewandowski irá reencontrar Mario Götze, que já havia sido seu companheiro no Borussia Dortmund Fonte: Getty Images
Lewandowski irá reencontrar Mario Götze, que já havia sido seu companheiro no Borussia Dortmund
Fonte: Getty Images
Anúncio Publicitário

Borussia Dortmund – Depois das machadadas de Kagawa, Lucas Barrios, Nuri Sahin (tendo este retornado à equipa por empréstimo do Real Madrid) e Götze, o actual vice-campeão europeu deve agora procurar um substituto para Lewandowski e, muito provavelmente, para Reus. Já começaram. Adrián Ramos, colombiano de 28 anos, irá certamente ser feliz em Dortmund, depois de cinco épocas fantásticas ao serviço do Hertha. Esta época, o jogador já marcou 17 golos em 35 aparições, fazendo dele um dos melhores marcadores da Bundesliga.

O Borussia já garantiu também os serviços de Ji Dong-Won, mas, ainda assim, não penso que esta mexida compense o vazio deixado pelo polaco. Penso que não é um nome suficiente grande para ocupar esta vaga. O substituto pode vir de Inglaterra, mais concretamente do Manchester City. Já se falou várias vezes em Dzeko, mas Jovetic é também um jogador fenomenal e que encaixaria na perfeição no sistema de jogo de Klopp. Continuando a falar de jogadores de leste, Mandzukic é outro a ter em conta, já que, como disse, começam a surgir rumores de que quer deixar o Bayern München. Tinha no Borussia Dortmund um grande clube para prosseguir carreira.

Sem deixar a Alemanha aparece outro nome, sendo este uma aposta mais de futuro, mas ainda assim creio que segura. Falo de Drmic, jogador de apenas 21 anos do FC Nürnberg. O suíço já marcou por 16 ocasiões (0.53% do total de golos da equipa) e já despertou a cobiça de tubarões mundiais, como Arsenal, AC Milan e PSG. Outro nome de que se fala, ainda que seja quase impossível, é o de Ibrahimovic. Desde que o sueco perguntou a Klopp quando é que o levaria para Dortmund que se fala na vontade de ver Zlatan vestido de amarelo e preto.

 

Dzeko já foi feliz numa equipa alemã Fonte: Getty Images
Dzeko já foi feliz numa equipa alemã
Fonte: Getty Images

Descendo no terreno, as alas podem ser mais um problema para Klopp. Reus pode estar de saída e Błaszczykowski vai perdendo alguma velocidade. Aubameyang foi uma boa aposta na presente época, e Grosskreutz é sempre aquele jogador com o qual o treinador pode contar para ocupar várias posições do terreno, mas nenhuma com uma qualidade acima da média; é uma espécie de Rúben Amorim alemão. Fala-se em Draxler, apesar da enorme rivalidade entre o Borussia Dortmund e o Schalke 04, e ainda no regresso de Kagawa. Depois da recente multa da FIFA ao Barcelona, abortando então a mudança de Alen Halilović para a Catalunha, voltou o rumor de que o Borussia Dortmund o contrataria para a próxima época, continuando assim o já antigo namoro entre as duas partes.

Para médio ofensivo, Mkhitaryan parece-me ser o homem certo, ainda para mais com o reforço de Inverno Milos Jojic para seu suplente. Atrás de si podem jogar Gündogan, Sven Bender, Sebastian Kehl, e surge com cada vez mais força o boato de que Nuri Sahin será contratado em definitivo pelo Borussia ao Real Madrid, no fim da temporada.

No centro da defesa, o Borussia conta com jogadores fenomenais, como Hummels, Subotic e Sokratis, mas que parecem ser feitos de cristal. Passam demasiado tempo lesionados, e isso pode ter sido um factor determinante para os resultados menos felizes da equipa esta temporada. Hummels é sempre um jogador apetecido por grandes clubes europeus, e, mesmo que não deixe o clube, sou da opinião de que deveria ser contratado um outro central de créditos firmados. Nas laterais há Łukasz Piszczek e Schmelzer, que, normalmente, ocupam as posições de defesa direito e defesa esquerdo, respectivamente. No entanto, tal como os centrais, são jogadores que passam muito tempo lesionados, e aí Durm ou o inevitável Grosskreutz são chamados a jogo.

Na baliza está o experiente Weidenfeller, mas, mesmo atendendo à enormíssima qualidade do alemão, penso que seja hora de começar a preparar a sua sucessão e pensar num guarda-redes jovem, mas de qualidade. A minha aposta seria mais uma vez numa transferência abortada pelo Barcelona, Marc-André ter Stegen. O atleta do Borussia M’gladbach tem apenas 21 anos, mas tem já uma experiência notável na Bundesliga, o que poderá fazer dele não só o sucessor de Weidenfeller no Borussia, mas também o sucessor de Manuel Neuer na baliza da selecção alemã.

Até lá, muita tinta irá correr nos jornais. Rumores, boatos, mentiras, verdades e declarações polémicas prometem fazer deste um Verão quente no que toca a mudanças, ainda mais estando em ano de Mundial, no Brasil.

Comentários

Artigo anteriorFormação: mas há dúvidas de quem é o melhor?
Próximo artigoA seca vimaranense
Quando Telmo nasceu, Jardel voava entre os centrais. Quando começou a ver futebol, Deco fintava meio mundo e servia na perfeição. Mais tarde viu as trivelas de Quaresma. Recentemente, foi a vez de Hulk e Falcao destruírem as defesas adversárias. Actualmente assiste à elegância e às acrobacias de Jackson Martínez. O que é que todos estes pontos têm em comum? FC Porto, golos, vitórias e uma paixão que simplesmente não pára de crescer.                                                                                                                                                 O Telmo não escreve ao abrigo do novo Acordo Ortográfico.