Anterior1 de 2Próximo

Cabeçalho Futebol InternacionalRecuemos a Setembro de 2015: na equipa B do Benfica e na Youth League despontava um miúdo de tranças que prometia vir a dar que falar, o ‘Bulo’ Renato Sanches. Marcava alguns golos, mas essencialmente empolgava pela pujança que colocava em cada lance disputado. Rui Vitória, habituado a promover jovens por onde vinha passando, não o deixou fugir mais de vista e, numa altura em que a equipa principal vivia tempos algo atribulados, chamou o miúdo e lançou-o às feras.

O resto da história já é conhecido. Ele foi o dínamo da equipa encarnada para a conquista do tricampeonato, foi chamado por Fernando Santos para o Euro’2016, onde se sagrou campeão europeu e foi contratado pelo colosso Bayern de Munique por 35 milhões de euros, numa das transferências mais caras de sempre do futebol português.

Renato Sanches foi transformado quase em herói nacional e as grandes potências do futebol europeu só falavam desta pérola negra. A Federação Portuguesa de Futebol via nele um jogador com carisma, capaz de suceder a Ronaldo no mediatismo além-fronteiras. Mas importava não esquecer algo relevante: o menino tinha apenas 19 anos. É neste contexto que chega a Munique, com tenra idade, mas já com o peso dos 35 milhões que fez os bávaros desembolsarem.

Renato carrega em si o peso dos 35 milhões que custou Fonte: Bayern de Munique
Renato carrega em si o peso dos 35 milhões que custou
Fonte: Bayern de Munique

Chega a um Bayern que, depois de conquistar um inédito tetracampeonato, quer ir a todo o gás para o penta. E o grande rival, Dortmund, em boa forma, não deixa espaço para deslizes. Carlo Ancelotti, treinador experiente, sabe disso. Os adeptos bávaros esperam que o ‘Bulo’ pegue na bola, cavalgue metros e adversários e desfira o potente remate de que é senhor. Era exatamente isto que fazia muitas vezes no Benfica.

Anterior1 de 2Próximo

Comentários

Artigo anteriorFK Shakhtar 2-0 SC Braga: Olha um avião!
Próximo artigoQue desastre!
Deu o pontapé de partida no mundo do futebol aos 5 anos no G. D. Peniche. Com 14 anos chegou ao Boavista F.C. para integrar as camadas jovens e assistir ao primeiro e único título de campeão nacional do clube portuense. Licenciado em radiologia, trocou o futebol profissional pela saúde, mas manteve a paixão pelo desporto rei, que ainda joga por hobby e que o mantém sempre atento ao que se passa aquém e além-fronteiras.                                                                                                                                                 O João escreve ao abrigo do novo Acordo Ortográfico.