Cabeçalho Liga Alemã

Mora em Gelsenkirchen – cidade que tão boas recordações traz ao futebol português e ao Futebol Clube do Porto, em concreto – um dos clubes mais emblemáticos do futebol alemão, o Schalke 04. Habituado a lutar pelos lugares cimeiros da Bundesliga e aos grandes palcos europeus – é presença assídua nas competições europeias -, a época do Schalke começou aos “solavancos”, mas a equipa parece querer entrar nos eixos. Com cinco derrotas nas primeiras cinco jornadas da Bundesliga, o plantel demorou a assimilar os processos do novo treinador, Markus Weinzierl, acusou a saída de alguns jogadores – nomeadamente a estrela da equipa e principal desequilibrador Leroy Sané – e a entrada de alguns jovens jogadores que demoraram o seu tempo para se adaptarem.

Esta evolução da equipa pode explicar-se, tal como já foi referido, pelas muitas mudanças que ocorreram no plantel neste último verão. Desde logo, a mudança de treinador. Depois de quatro épocas em que fez um trabalho positivo ao leme do Augsburgo, Markus Weinzierl foi o eleito para suceder a André Breitenreiter. Com ele chegaram vários novos jogadores e registaram-se várias saídas. À cabeça a já referida saída de Sané, para o Manchester City. O jovem prodígio alemão era o principal desequilibrador da equipa, deixando-a órfã de um elemento que a qualquer momento pudesse sacar um coelho da cartola e inventar uma jogada de golo. Joel Matip também seguiu caminho rumo a Liverpool, desfalcando por completo a defesa que se viu privada do seu patrão. No entanto, estas saídas foram compensadas, e de que maneira, com vários reforços de enormíssima qualidade como Konoplyanka, Embolo, Bentaleb, Stambouli, entre outros, o que permitiu aumentar a qualidade do plantel.

O jovem Embolo veio acrescentar profundidade na qualidade da equipa Fonte: Schalke 04
O jovem Embolo veio acrescentar profundidade na qualidade da equipa
Fonte: Schalke 04

Depois do início tremido, a equipa assentou, alguns jogadores começaram a carburar e a equipa começou a apresentar resultados, estando numa série de seis jogos consecutivos na Bundesliga sem conhecer o sabor da derrota, tendo inclusive empatado no terreno do todo-poderoso Dortmund e ganho na última jornada no terreno do Wolfsburgo que, apesar de também estar abaixo do esperado, é sempre um adversário dificílimo. A defesa estabilizou – apenas dois golos sofridos nesses seis jogos – e o ataque começou a ter o rendimento esperado, muito por culpa da entrada de Max Meyer, que dinamiza bastante o ataque da equipa de Gelsenkirchen. No meio campo, Bentaleb, a eterna promessa do Tottenham e que está emprestado ao conjunto alemão, tem aproveitado bem o empréstimo e tem-se imposto no meio-campo, dando muita qualidade e critério nos momentos com bola.

Com um treinador que já demonstrou ser competente e um plantel rico em qualidade e profundidade, que faz inveja à maioria das equipas que disputam o principal campeonato alemão, o Schalke tem tudo para recuperar do início de época penoso e continuar a boa senda de resultados, tendo todas as condições para poder sonhar com um lugar nos quatro primeiros classificados que lhe permita jogar a Liga dos Campeões na época 2017/2018, o principal objetivo do clube e o que mais se adequa à sua história.

Foto de capa: Schalke 04

Texto revisto por: Carlos Valente

Comentários