Há muitos anos que o jogo da Liga Espanhola mais esperado pelos adeptos do futebol é o Real Madrid – Barcelona. Nenhum de nós esquecerá os recentes duelos fascinantes, com Messi e Ronaldo à cabeça.

Porém, este ano,o jogo mais aguardado da temporada realiza-se na próxima jornada e deixa o grandioso Real Madrid (e Ronaldo) de lado. Falo, claro está, no encontro do próximo sábado entre o Atlético Madrid e o Barcelona.

Antes de mais, devo referir que a partida tem este estatuto “especial” muito pelo mérito da equipa comandada por Diego Simeone. Que grande temporada estão a fazer os colchoneros! Todavia, as razões vão para além do óbvio.

Primeiro, temos ambas as equipas no topo da tabela com 49 pontos. Até nos golos marcados e sofridos as equipas se assemelham: o Barcelona tem 53 golos marcados e 12 sofridos, enquanto que o Atlético Madrid tem 47 golos marcados e 11 sofridos. Segundo, este é o jogo do regresso de Lionel Messi à Liga Espanhola. O astro argentino, que estava sem jogar desde 10 de Novembro, quando se lesionou na partida frente ao Real Betis, pode ser o fator decisivo não só do jogo, mas também do campeonato – ontem, em pouco mais de 25 minutos, fez 2 golos no jogo frente ao Getafe a contar para a Copa del Rey. Terceiro, este é um jogo que pode marcar toda a temporada das duas equipas. Passo a explicar: o Atlético Madrid, em caso de vitória, assume mais do que nunca o seu estatuto de candidato ao título. Se ganhar, o boost psicológico de confiança que uma vitória sobre o todo-poderoso Barcelona acarreta – para além do primeiro lugar, isolado – é demasiado significativo para ser posto de lado. Pode, e de que maneira, ser decisivo para as reais aspirações do Atlético Madrid.

Onze provável lançado pela MARCA
Onze provável lançado pela MARCA

Por outro prisma, em caso de vitória do Barcelona, a equipa de Tata Martino cimenta o seu poderio e afasta qualquer dúvida sobre quem é o grande aspirante ao título. Por outras palavras, põe fim à euforia em volta do Atlético e consegue, simultaneamente, aumentar a vantagem face aos rivais diretos.

Anúncio Publicitário

Em termos mais técnicos, também a análise terá de envolver as características que particularizam este jogo. Não acredito que o Atlético de Madrid parta para uma ideia de jogo de ataque puro. Não me parece. À partida, o estilo de jogo dos colchoneros passará por contrariar a posse de bola típica do Barcelona, com o bloco do meio-campo e do ataque a efetuar uma pressão alta. Em mente estarão os desequilíbrios defensivos dos catalães, capazes de proporcionar ao Atlético Madrid saídas rápidas, tendo como alvo o avançado hispano-brasileiro Diego Costa.

O facto de jogar no Vicente Calderón (9 vitórias em 9 jogos), com uma massa adepta fanática e entusiasmada pela situação “anormal” que envolve o jogo, pode obrigar Diego Simeone a praticar um futebol mais ofensivo e a não modificar o ADN habitual do Atlético Madrid. No entanto, pela frente estará o Barcelona de Neymar, Xavi, Iniesta e, quem sabe, Messi. Ora, da parte do Barcelona é precisamente essa a grande dúvida para o jogo – sim, porque em termos táticos e estilísticos o Barcelona já não é capaz de surpreender. Penso que Tata Martino irá optar por sentar Messi no banco de suplentes, esperando pelo desenrolar do jogo. É lógico, não só porque as condições físicas do argentino não serão as melhores mas também porque ter a possibilidade de lançar um futebolista como Messi no decorrer da partida só poderá ser visto como um trunfo – e que trunfo.

Devo também realçar que prevejo que Tata Martino use uma marcação individual a Diego Costa, talvez com Mascherano, de forma a evitar as correrias alucinantes do avançado.

Espera-se um jogo disputado aos limites / Fonte: 2.pictures.zimbio.com
Espera-se um jogo disputado aos limites / Fonte: 2.pictures.zimbio.com

O meio-campo será decisivo no tempo de ação e na quantidade de ataques efetuados por ambas as equipas. Aí espera-se um Atlético Madrid batalhador e aguerrido, tentando ao máximo travar as investidas pelo centro do terreno de Xavi e Iniesta. Por fim, nas laterais de ambos os lados podemos esperar alguma contenção e rigidez posicional, ao contrário daquilo que é habitual, não fossem os extremos das duas equipas excelentes desequilibradores.

Os dados estão lançados, agora é esperar. O meu desejo, como amante deste desporto, é que seja um grande jogo de futebol. Que os nomes dos craques envolvidos façam justiça à sua fama e, usando o tão famoso cliché, que ganhe o melhor. Até sábado!

Artigo anteriorAno novo, líder velho
Próximo artigoClássico-Rei
Benfiquista até ao último osso, mudou-se do Norte para Lisboa para poder ver o seu Benfica e só depois estudar Jornalismo. O Pedro é, acima de tudo, apaixonado pelo desporto rei e não perde uma oportunidade de ver um bom jogo de futebol.                                                                                                                                                 O Pedro escreve ao abrigo do novo Acordo Ortográfico.