Cabeçalho Futebol InternacionalA Supercopa 2017 opunha frente a frente dois velhos rivais: Barcelona, o vencedor da Copa del Rey, e Real Madrid, campeão espanhol, tinham encontro marcado em Camp Nou para disputar a 1.ª mão. Os Culés realizavam a sua primeira partida oficial na nova temporada, ao passo que os Merengues chegavam moralizados a este jogo, após terem conquistado a Supertaça Europeia, frente ao Manchester United (vitória por 2-1, na passada terça-feira).

Relativamente às opções iniciais, Ernesto Valverde colocou em campo um onze que transitou da época passada, à exceção do reforço Deulofeu, que tinha a missão de substituir na partida deste domingo Neymar, que partiu para o PSG. No lado visitante, Zidane só trocou Kovacic por Modric em relação ao jogo com o United, dado que o último estava castigado para este encontro.

O início de jogo não foi idêntico aos de outros clássicos: as duas equipas não entraram pressionantes e com vontade de assumir o controlo do encontro, sendo que foi preciso esperar cerca de 10 minutos para se ver o primeiro remate – Luís Suaréz rematou para uma defesa fácil e segura de Keylor Navas. Só aos 17’, é que o Real criou o primeiro lance de algum perigo: Isco, após um belo trabalho individual, chutou a bola às malhas laterais da baliza de ter Stegen. Aos 24’, Messi quase fez o 1-0, num livre direto, mas a bola passou por cima da baliza do Real Madrid.

Anúncio Publicitário

Apesar dos primeiros 30 minutos não terem tido momentos de “futebol espetáculo”, o Barcelona ia assumindo o controlo do jogo, através duma boa e bem conhecida circulação de bola pelos seus 11 elementos, tentando abrir espaços na defesa contrária, acabando assim por limitar o Real Madrid a correr atrás da bola e tentar aproveitar as perdas de bola dos homens da casa, para se lançar rapidamente para o ataque.

Os visitantes voltaram a ameaçar ter Stegen aos 36’, por Gareth Bale, mas o guardião alemão opôs-se bem ao remate do extremo galês. Os últimos 5 minutos da 1.ª parte não trouxeram nada de novo, e pouco tempo depois, o intervalo chegava com 0-0 no marcador, sendo justificado pela inexistência de oportunidades e falta de intensidade de ambos os lados.

Os dois rivais anularam-se nos primeiros 45 minutos  Fonte: Real Madrid
Os dois rivais anularam-se nos primeiros 45 minutos
Fonte: Real Madrid

A 2.ª parte começou sem alterações táticas e com o Real Madrid a saltar para a frente do marcador: aos 50’, após um lance de insistência, Piqué fez autogolo, ao tentar cortar o cruzamento de Marcelo. De imediato, o Barcelona partiu em busca do empate, e quase conseguiu aos 53’, mas Deulofeu falhou o golo. Na resposta, Carvajal teve perto de ampliar a vantagem madrilena, mas Jordi Alba impediu os festejos do defesa espanhol em cima da linha de golo.

Aos 57´, Cristiano Ronaldo entrou em campo, por troca com Karim Benzema. Luís Suaréz voltou a estar próximo de marcar, mas o seu cabeceamento foi bem parado por Navas. O Barça ia tentando chegar à igualdade, mas a defesa do Real estava intransponível até ao momento, não cedendo qualquer espaço livre à equipa da casa. Mesmo a não poder atacar com tanta frequência, o Real não deixava de tentar alargar a sua vantagem: aos 70’, Marcelo obrigou o guarda-redes caseiro a aplicar-se para impedir o 0-2. Três minutos depois, Busquets falhou uma oportunidade flagrante frente à baliza de Navas.

Logo a seguir, Navas foi obrigado a fazer uma dupla defesa, e no seguimento da jogada, acabou por cometer grande penalidade – Lionel Messi aproveitou para fazer o 1-1. Quando o Barcelona tentava consumar a reviravolta, apareceu o suspeito do costume: Cristiano Ronaldo, num belo remate, fez o 1-2 aos 80’. Contudo, o capitão da Seleção Nacional rapidamente virou vilão: foi expulso por duplo amarelo aos 82’ por simulação de grande penalidade. A jogar com mais um elemento, o Barcelona tentou alcançar o 2-2, mas acabou por sofrer mais um golo: aos 90’, Asensio fez o 1-3, num rápido contra-ataque. O jogo acabaria com 1-3 para os visitantes, num triunfo que se ajusta bem devido à bela exibição da equipa de Zidane na 2.ª parte.

Foto de Capa: The Guardian