Muito se tem falado do espetacular início de campeonato que o Atlético de Madrid tem realizado este ano e com toda a razão. Mas parece-me injusto não evidenciar, nos mesmos moldes, as prestações e os resultados obtidos pelo Villarreal, clube que subiu de divisão precisamente este ano.

No entanto, vamos recuar um pouco na cronologia. O Submarino Amarelo, como é internacionalmente conhecido, foi fundado em 1923 e conta apenas com três títulos no seu currículo: duas Taças Intertoto, em 2003 e 2004 e um título de campeão da Terceira Divisão espanhola em 1970. O clube desceu para a Liga Adelante em 2011-2012 depois de uma época com apenas 9 vitórias em 38 jogos. Na temporada seguinte, em 2012-2013, o Villarreal apostou tudo na subida e conseguiu, com alguma naturalidade, atingir o objetivo de voltar ao grande palco do futebol espanhol, face ao excelente plantel que dispôs nesse ano. O técnico Marcelino Toral, que teve o mérito de devolver o clube da província da Comunidade Valenciana à primeira divisão, manteve-se no cargo e tem sido uma das grandes figuras deste renascido Villarreal que faz sonhar os sócios e adeptos do clube.

O Villarreal, que foi o último vice-campeão espanhol diferente de Barcelona ou Real Madrid (2007-2008), efetuou algumas contratações sonantes para um clube que transitou de uma divisão secundária. Sergio Asenjo (Atlético Madrid), Bojan Jokić (Chievo) e Tomás Pina (Mallorca) foram excelentes adições ao plantel, bem como Giovani dos Santos (Mallorca) que é a principal figura do Submarino Amarelo com 6 golos em 11 jogos.

Giovani dos Santos, a grande figura do Submarino Amarelo / Fonte: foxsportsasia.com
Giovani dos Santos, a grande figura do Submarino Amarelo / Fonte: foxsportsasia.com

O Villarreal tem como grande característica praticar um futebol muito sólido e intenso, capaz de criar desequilíbrios em qualquer relvado, independentemente do adversário. Com uma média de idades de 25 anos, o plantel de 23 jogadores concilia experiência e irreverência numa harmonia perfeita, juntando-se uma excelente disciplina tática, o que torna o Villarreal uma equipa com grande segurança e resistência.

No que toca aos resultados práticos, encontra-se na quinta posição da tabela classificativa, com seis vitórias, três derrotas e dois empates, perfazendo um total de 20 pontos, somente a 5 do Real Madrid. Nos onze jogos realizados, o Villarreal abanou as redes adversárias por 19 ocasiões e sofreu 12 golos. Todos estes factores têm resultado numa enorme surpresa por parte imprensa desportiva em Espanha, onde Marcelino Toral tem recebido alguns elogios pela forma como devolveu o orgulho e dignidade ao Submarino Amarelo.

O 11 base do Villarreal é disposto da seguinte forma:

11 base do Villarreal / Fonte: startingeleven.co.uk
11 base do Villarreal / Fonte: startingeleven.co.uk

Com todos os estes elementos em evidência, não é de estranhar que os objetivos iniciais – que passavam essencialmente pela manutenção – sejam revistos e alterados. O treinador do Villarreal disse recentemente que “a Europa deve ser mais uma ilusão do que um objetivo”, apresentando assim um discurso de prudência que devemos não só entender mas também respeitar. Contudo, com base nos resultados obtidos até ao momento, prevê-se que as competições europeias não sejam uma utopia tão distante. Veremos se o Submarino Amarelo é capaz de emergir das agitadas águas espanholas e conquistar um lugar Europeu.

Comentários

Artigo anteriorDerrota indigesta
Próximo artigoAçores “vence” Madeira
Benfiquista até ao último osso, mudou-se do Norte para Lisboa para poder ver o seu Benfica e só depois estudar Jornalismo. O Pedro é, acima de tudo, apaixonado pelo desporto rei e não perde uma oportunidade de ver um bom jogo de futebol.                                                                                                                                                 O Pedro escreve ao abrigo do novo Acordo Ortográfico.