Um ambiente fantástico era tudo aquilo que se esperava na Redbull Arena, em mais um dia de decisões importantes na Liga Europa. Na 2.ª mão das meias-finais da segunda principal competição europeia de clubes, defrontaram-se na Áustria, a equipa da casa, o Red Bull Salzburg, e o Olympique de Marselha.

No quarto encontro entre as duas equipas esta época, ambos os técnicos decidiram operar alterações nos onzes que apresentaram no dia 26 de abril, em Marselha: do lado dos franceses, Rudi Garcia deu a titularidade a Germain, com Mitroglou a não constar da ficha de jogo; já Marco Rose foi mais radical, ao deixar Wolf e Hwang no banco, levando Schlager e Gulbrandsen a jogo.

O Marselha entrou bem na partida. Aos cinco minutos, após livre bem batido por Payet, Lucas Ocampos rematou por cima da trave. Eram os franceses a chegar primeiro à baliza adversária. No entanto, era a equipa revelação da Liga Europa que necessitava urgentemente de marcar. Aos 13 minutos, Dabbur protagonizou o melhor momento da primeira parte, ao rematar para defesa incompleta de Pelé; Luiz Gustavo encarregou-se de afastar a bola da zona de perigo.

Até ao apito do árbitro Sergey Karasev para o intervalo, o jogo manteve-se bastante morno, e algo entediante. Ambas as equipas pareciam algo amorfas, sem mostrar grande vontade de fazer mais.

Anúncio Publicitário
Grande festa marselhesa em território austríaco
Fonte: UEFA Europa League

Na segunda parte, para o bem de quem pagou bilhete, tudo mudou. Ocampos, logo a abrir o segundo tempo, atirou à malha lateral, após um excelente trabalho individual. Aos 49 minutos, Germain efetuou um bom compasse de espera, entregou de forma exímia a bola a Payet, que devolveu a bola ao colega de equipa; o remate do ex-Mónaco acabou, contudo, por sair um pouco ao lado da baliza do Salzburg. Grande mobilidade dos jogadores da frente do Marselha, com qualidade individual suficiente para a qualquer momento encerrar as contas da eliminatória.

Mas os austríacos são um osso duro de roer. Aos 53 minutos, na segunda vez que o Salzburg chegou à baliza contrária no recomeço da partida, Haidara atirou a contar. 1-0 para a equipa da casa, após um momento de inspiração do maliano, que deixou alguns jogadores adversários para trás. Eliminatória em aberto na Áustria.

Quem mandava agora no jogo era o Salzburg, e cinco minutos após o golo, Ramalho disparou de bem longe um míssil traiçoeiro, para defesa atenta de Pelé. O central brasileiro pedia o apoio das bancadas da Red Bull Arena, que aos 65 minutos foi à loucura. Schlager, um dos jogadores que venceu a final da UEFA Youth League de 2016/2017 contra o Benfica, rematou dentro da área do Marselha, com a bola a sofrer um desvio de Sarr para dentro das redes de Pelé. Autogolo do central francês e estava feito o 2-0, com tudo empatado na eliminatória!

Até ao final do tempo regulamentar houve tempo para algumas boas oportunidades de ambos os lados, mas o resultado final ditou que se jogassem mais 30 minutos. Prolongamento em Salzburgo, numa grande noite de futebol europeu.

Aos 91 e 98 minutos de jogo, os guarda-redes das duas equipas brilharam, ao defenderem com “unhas e dentes” os remates de Anguissa (Marselha) e Caleta-Car (Salzburg). O jogo dava ares de se encaminhar para a lotaria das grandes penalidades.

Mas Rolando, que entrou aos 101 minutos na partida, decidiu que não havia tempo para mais: canto batido por Payet e o central a rematar para o fundo das redes de Walke; a quatro minutos do fim do prolongamento, o internacional português nascido em Cabo Verde arrumava definitivamente com a eliminatória. Os jogadores do Salzburg protestavam (com razão), alegando que o golo surgia de um canto mal assinalado. Num jogo impróprio para cardíacos, ainda houve tempo para Haidara ver o segundo amarelo e ser expulso. O Salzburg, apesar da vitória, cai assim diante dos franceses, numas meias-finais de grande nível. Grande prestação dos austríacos, que seguramente continuarão a dar cartas nestas andanças europeias.

Anotem nas agendas: dia 16 de maio teremos o Marselha frente a frente com o Atlético de Madrid (que derrotou o Arsenal por 1-0 na outra meia-final) na final da Liga Europa 2017/2018, em Lyon.