Corria o minuto 89 do Marselha-Brest, jogo inaugural da jornada 15 da Ligue 1, e o marcador registava 1-1. Quando André Villas-Boas olhava para o relógio e tentava perceber como é que o Marselha ia empatar um jogo que dominou quase do início ao fim, Radonjic teve um momento de inspiração e assinou um grande golo já ao cair do pano, oferecendo a quarta vitória consecutiva na Ligue 1 aos marselheses.

Com esta vitória, o Marselha de André Villas-Boas continua como líder do pelotão que segue em perseguição do já distante líder Paris Saint Germain. A falsa partida da equipa de Villas-Boas, fruto da derrota caseira na primeira jornada com o Stade Reims, deu lugar a um sprint de sete jogos consecutivos sem perder. A sequência de bons resultados foi interrompida de forma expectável no embate contra o Paris Saint Germain na 11ª jornada, caindo os marselheses com estrondo numa derrota por 4-0 no Parque dos Príncipes. Três dias depois, o clube foi precocemente eliminado da Taça da Liga pelo Mónaco de Leonardo Jardim, o que originou alguma contestação ao treinador do Marselha.

Apesar da queda, a equipa de André Villas-Boas não demorou a levantar-se. Venceu os quatro jogos seguintes e reforçou assim o segundo lugar na geral, liderando a perseguição ao líder PSG. É difícil o clube sonhar com o título quando defronta um colosso como o PSG, cujo orçamento é astronómico, mas o treinador português definiu como objetivo cortar a linha da meta no pódio da Ligue 1. Até ver, o Marselha está bem encaminhado.

André Villas-Boas apontou ao pódio da Ligue 1 no começo da temporada
Fonte: Olympique de Marseille

Escrevi aqui em julho que a pré-época do Marselha estava a ser atípica, face aos fracos resultados nos jogos contra equipas acessíveis e também face à inércia do clube no mercado de transferências, quando Villas-Boas tinha deixado claro que precisava de ver o plantel reforçado em virtude das saídas de jogadores no final da época transata. Para além do defesa Álvaro González, o Marselha acabou por gastar mais 27M € na contratação do médio Valentin Rongier (13M €), jogador que esteve no radar do FC Porto, e o argentino Darío Benedetto (14M €), proveniente do Boca Juniors.

Dos três reforços para esta época, Benedetto é aquele que mais vezes tem sido utilizado, tendo disputado 15 dos 16 jogos que o Marselha fez até ao momento. Apesar de ainda estar em processo de adaptação, o avançado argentino leva já seis golos marcados esta época, que fazem dele o melhor marcador da equipa. É um registo ainda aquém do esperado mas Benedetto tem mostrado uma evolução na compreensão do que Villas-Boas pretende dele no sistema tático utilizado e isso também se tem revelado no momento ofensivo do Marselha.

André Villas-Boas tem conseguido fazer omeletes sem ovos em França, uma vez que não viu a direção do Marselha reforçar o plantel da forma que o treinador português pediu, mas está a conseguir retirar o melhor rendimento de um plantel que é extenso em quantidade mas em qualidade nem por isso. O Marselha está lançado na Ligue 1, liderando a perseguição ao crónico campeão PSG e, com a vitória de ontem, mantém o segundo lugar da geral pelo menos mais uma jornada.

Foto de Capa: Olympique Marseille

artigo revisto por: Ana Ferreira

Comentários