Anterior1 de 3Próximo

Cabeçalho Liga InglesaMais um domingo de futebol em Inglaterra, que se iniciou com o jogo cabeça de cartaz da jornada cinco da Premier League, entre dois rivais de Londres – Chelsea e Arsenal. Antes do início da partida, os blues e os gunners eram terceiro e 12ºs classificados, respetivamente, mostrando perfeitamente o contraste entre o início do campeonato das duas equipas. A equipa comandada por Arsène Wenger nas primeiras quatro jornadas apenas conseguiu duas vitórias, tantas como derrotas, enquanto que o campeão em título inglês conseguiu com três vitórias e uma derrota arrecadar nove pontos e colocar-se no top four do primeiro escalão do futebol em Inglaterra.

Onzes lançados, o Chelsea com Hazard no banco e o Arsenal privado de utilizar Özil e com Alexis Sánchez, estava tudo preparado para o dérbi da cidade de Londres.

A equipa de Conte começou mais forte, com ataques mais rápidos e criou as primeiras oportunidades de perigo. Contra uma equipa tão forte ofensivamente, o Arsenal teria de melhorar e muito o seu trabalho defensivo, que tem sido frágil ao longo da época, como comprovou a derrota por 4-0 frente a um rival à partida à sua altura, o Liverpool.

Ao quarto de hora de jogo o Arsenal mostrou um ar da sua graça, levando por três vezes o perigo à baliza de Courtois, que evitou o golo em duas dessas ocasiões. Do outro lado, também Petr Cech brilhou, defendendo um remate de Pedro, que estava isolado em frente à baliza. A partida começava a ganhar alguma emoção.

As duas equipas iam tentando surpreender com ataques rápidos, a aproveitar as descompensações das defesas adversárias, mas foi através de um remate de longa distância de Xhaka que, perto dos 30 minutos, o Arsenal criou mais uma chance de golo, mostrando ao Chelsea que não podia baixar a guarda. E não podia, mesmo, visto que a quatro minutos do intervalo Ramsey, aproveitando as desconcentrações dos defesas do Chelsea, entrou como quis na área dos blues e rematou ao poste, naquele que foi a oportunidade mais flagrante de golo de toda a primeira parte. Mais perigoso o Arsenal, que tinha a sua estratégia bem montada para complicar a vida à equipa de Conte, e mostrava ser capaz de levar de vencida o Chelsea. Apesar disso, o encontro chegou ao intervalo sem golos e com tudo ainda por decidir.

Excelente primeira parte do Arsenal, olhando às suas últimas exibições, que chegou ao intervalo por cima no encontro, causando muitas dificuldades à equipa campeã em título, mesmo sem Sánchez e Özil. Quanto ao Chelsea, pedia-se para a segunda parte mais agressividade no ataque e mais apoios a Morata no processo ofensivo, onde muitas vezes surgiu sozinho rodeado de defesas gunners. Talvez a entrada de Hazard no jogo pudesse potenciar uma melhoria do futebol do Chelsea. Cabia a Antonio Conte decidir.

Kolasinac e Willian protagonizaram um dos melhores duelos individuais da partida Fonte: Chelsea FC
Kolasinac e Willian protagonizaram um dos melhores duelos individuais da partida
Fonte: Chelsea FC

O jogo foi retomado sem que qualquer alteração fosse feita nas equipas, mas com a mesma intensidade. Ambas continuavam à procura do golo, mas sem sucesso. De um lado tentava Welbeck, Lacazette, Iwobi, apoiados pelo meio-campo da equipa, do outro, na maior parte das situações, era Morata contra o Mundo, desapoiado, e com dificuldades para penetrar a defesa contrária. Era preciso mais de William, Fàbregas e Kanté para ajudar o avançado espanhol.

Já depois de Alexis Sánchez e Hazard terem entrado em campo, Mustafi viu ser-lhe anulado um golo por um alegado fora de jogo, após um cruzamento da cobrança de um livre lateral.

Depois disso, as duas equipas aumentaram a intensidade na procura do golo. Hazard ia desequilibrando a defesa do Arsenal, assim como Alexis ia fazendo o mesmo à defensiva blue, mostrando que talvez se tivessem começado a jogar desde o início do jogo, este poderia ter sido bem diferente.

Já muito perto do final do jogo, David Luiz foi expulso por uma entrada feia sobre Kolasinac, numa decisão acertadíssima por parte do árbitro.

O jogo chegou, assim, ao fim sem golos. Na primeira parte foi melhor o Arsenal, na segunda o Chelsea. Fica, no entanto, na retina, a capacidade que Wenger teve de colocar a sua equipa a praticar bom futebol, mesmo sem Sánchez a jogar de início, e colocar dificuldades ao campeão em título inglês, que não foi capaz de ferir os gunners em nenhuma ocasião. Num jogo destes é sempre pena não se ver nenhum golo. O empate é justo sim, mas podia muito bem ter sido um empate com golos.

Anterior1 de 3Próximo

Comentários