O Sheffield United está a ser a grande surpresa da Premier League esta época, com um desempenho muito acima das expetativas iniciais para um clube que regressou este ano ao principal escalão do futebol inglês. A equipa treinada por Chris Wilder encontra-se atualmente na sexta posição com 32 pontos, apenas a dois do Manchester United, que segue no quinto lugar da geral.

O bom desempenho dos Blades até ao momento levou a Direção do Sheffield United a anunciar no final da semana passada a renovação do contrato com Chris Wilder, um homem da casa que fica agora ligado ao clube até 2024, com a possibilidade de ativar a extensão do contrato por mais um ano.

Muito do sucesso dos Blades este ano tem sido atribuído ao seu treinador, cuja relação com o United de Sheffield remonta aos anos 80 e aos seus tempos de jogador. Estávamos no ano de 1986 quando um jovem Chris Wilder, desiludido por ter sido dispensado do seu clube de formação (Southampton) antes de chegar à equipa principal, encontrou morada certa na cidade de Sheffield, a representar o Sheffield United.

Com alguns empréstimos pelo meio, Chris Wilder acabou por sair do clube em 1992 para regressar seis anos depois ao “seu” Sheffield, na época 98/99. Porque não há duas sem três, já depois de pendurar as chuteiras e ter iniciado a carreira de treinador em 2001, o filho pródigo regressou a Bramall Lane em 2016 para treinar o seu clube de coração.

O ditado diz que “Santos de casa não fazem milagres”, mas Chris Wilder tem contrariado este dito popular desde que regressou à casa de partida. Na sua primeira temporada como treinador do Sheffield United (2016/2017) conquistou a League One, o terceiro escalão do futebol inglês. Na época seguinte, na estreia no Championship, o clube teve um desempenho irregular e alcançou um modesto 10.º lugar. Mas em 2018/2019 a equipa esteve sempre no top-6 da classificação e terminou a época no segundo lugar, o que garantiu a promoção à Premier League e o prémio de Treinador do Ano da League Managers Association para Chris Wilder.

O Sheffield United é a equipa sensação da Premier League até ao momento
Fonte: Premier League

Na época de regresso à Premier League, o Sheffield teve um início de campeonato algo tremido, com apenas oito pontos conquistados em sete jornadas, antes de embarcar numa série de sete jogos sem conhecer o sabor da derrota, incluindo uma vitória sobre o Arsenal e empates com Tottenham e Manchester United.

O clube acabou por estar invicto fora de portas até ao final de dezembro, quando defrontou o líder Liverpool e saiu derrotado, mas tem-se destacado também pelo sólido registo defensivo. Atualmente, os Blades são a segunda melhor defesa da Premier League, com apenas 21 golos sofridos, o mesmo registo do Leicester City e apenas suplantados pelo Liverpool.

O que têm em comum Chelsea, Arsenal, Tottenham e Manchester United? Para além de serem clubes habituais no top-6 da Premier League, a todos eles o Sheffield United roubou pontos esta época. Ou, por outro lado, nenhum deles conseguiu derrotar a equipa de Chris Wilder em 2019/20. Um dado que reforça a dimensão do “milagre” que Chris Wilder tem operado diz respeito ao plantel dos Blades: de acordo com o portal Transfermarkt, o plantel do Sheffield United é o menos valioso da Premier League, com um valor total estimado de “apenas” 117M€, um valor irrisório quando comparado, por exemplo, com Tottenham (968M€) e Arsenal (683M€), que seguem atrás do Sheffield na classificação.

Chris Wilder, o santo de casa que tem feito milagres e omeletes sem ovos no Sheffield United, enfrenta agora um duplo teste de elevado grau de dificuldade. Os Blades deslocam-se a Londres este fim-de-semana para defrontar o Arsenal (sábado, 15h) e três dias depois recebem o Manchester City (21 janeiro, 19h30). Dois desafios de alto risco e que irão pôr à prova a capacidade milagreira de Chris Wilder. É ver para crer.

Foto de Capa: Sheffield United

Artigo revisto por Inês Vieira Brandão 

Comentários