Sobre o Leeds United vem me logo à cabeça as fantásticas equipas que tiveram no início dos anos 2000, onde pontificavam jogadores como Nigel Martyn, Lucas Radebe, Ian Harte, Viduka, Kewell, Alan Smith, Rio Ferdinand, entre outros.

Comandados por David O’Leary, os Peacocks fizeram grandes feitos, apesar de nada conquistarem, sendo as meias finais da Taça Uefa em 99/00 e da Champions League em 00/01, o apogeu de uma equipa que deixou saudades. Mas isso é passado.

O presente agora é completamente diferente e a travessia no deserto que o clube atravessa pode ter finalmente chegado ao fim.

O novo comprador da equipa Andrea Radrizzani, tornou-se dono maioritário da equipa, controlando o clube a 100%, reformulando o clube financeiramente e uma das medidas mais aplaudidas  foi a de comprar novamente o estádio Elland Road , devolvendo o mítico estádio ao clube, que o tinha perdido fruto das enormes dívidas contraídas anos antes.

Mas o grande foco o empresário italiano era devolver o Leeds ao sítio onde deve pertencer, a Premier League. Para isso acontecer, o clube foi ao mercado de treinadores e chamou nada mais nada menos que Marcelo Bielsa, EL Loco, como é conhecido por esse mundo fora.

Bielsa de imediato entrou no espírito Peacock e abraçou o desafio de trazer o Leeds novamente ao convívio dos grandes com grande entusiasmo, estávamos na época 18/19. Para o ataque à subida de divisão Bielsa faria alterações profundas no plantel tentando fazer a equipa à sua imagem. Das entradas destacam-se jogadores como Patrick Bamford, ou o guarda redes Kiko Casilla do Real Madrid.

O ex-guardião do Real Madrid foi uma das contratações sonantes do Leeds
Fonte: Leeds United

A época estava a ser promissora com a equipa andar sempre nos lugares de subida, mas uma série de maus resultados fez com que a equipa caísse para fora da promoção automática indo disputar os terríveis playoffs de subida.

No entanto não seria ainda nesse ano que Elland Road  voltaria aos mapas da Premier League, pois o Leeds seria eliminado frente ao Derby County de Frank Lampard. O grande número de jogadores importantes lesionados foi talvez um dos motivos para a equipa descambar na parte final do campeonato e com isso perder a oportunidade de subida.

O desalento foi grande mas Bielsa não viria a desistir. Para esta época El Loco, abordou o mercado de transferências de maneira diferente. Só em vendas o clube facturou praticamente trinta milhões de euros, e ao invés deste valor ser investido na equipa, foi necessário para cumprir o rigoroso fair play financeiro que vigora também em Inglaterra.

As entradas de jogadores foi feita à base de empréstimos, onde se destacam o português Hélder Costa vindo do Wolves e o promissor avançado do Arsenal Eddie Nketiah, o restante elenco manteve-se da época passada e/ou regressaram de empréstimos.

O arranque no campeonato foi titubeante,  uma vitória em quatro jogos faziam antever um ano de dificuldades. Mas uma série de onze jogos sem perder, com oito vitórias no pecúlio catapultaram o clube para os lugares cimeiros onde discutem o primeiro lugar com o West Bromwich Albion, que tem vindo a fazer uma época muito forte.

Actualmente ambos os clubes vão lançados na tabela, com o WBA a liderar com três pontos de vantagem, por sua vez o Leeds tem uma margem segura de oito pontos para o terceiro classificado. e tem o exemplo do ano passado de que não se pode descuidar pois seu rivais podem rapidamente recuperar da vantagem, não fosse o Championship dos campeonatos mais competitivos do mundo.

A bola está mais uma vez do lado dos The White e com El Loco a liderar a contenda, é muito provável que os objetivos possam ser alcançados. Sou daqueles que gosta de ver equipas míticas voltar ao lugar que pertencem, e este Leeds de Bielsa merece voltar a pisar os grandes palcos da Premier League!

Foto de Capa: Leeds United

Revisto por: Jorge Neves

 

 

Comentários