A CRÓNICA: NÃO HÁ QUEM PARE A TURMA DE GUARDIOLA

Em mais um duelo de gigantes na Liga Inglesa, o Tottenham Hotspur FC de José Mourinho foi ao Etihad Stadium defrontar o Manchester City FC de Pep Guardiola, num dos grandes encontros da 24ª jornada do principal escalão do futebol inglês.

Como era expectável, o citizens entraram melhor na partida, tentando assumir o favoritismo no jogo, mas a primeira verdadeira chance de golo na partida foi mesmo dos spurs, quando, ao quarto de hora de jogo, Harry Kane enviou uma bola ao ferro da baliza defendida por Ederson, na conversão de um livre direto. Ainda assim, o marcador mexeu pela primeira vez à passagem do minuto 21’, por intermédio de Rodri, a partir da marca da grande penalidade. A turma de Pep ainda teve uma oportunidade de ouro para levar uma vantagem mais gorda para o intervalo, mas Gabriel Jesus acertou na barra.

O segundo tempo não podia ter começado de melhor maneira para a equipa da casa, que ampliou a vantagem à passagem do minuto 49’, por intermédio de Gündoğan. A superioridade da equipa de Guardiola foi-se tornando cada vez mais evidente e, se o jogo já parecia arrumado a favor do líder do campeonato, a machadada final no resultado deu-se com o bis de Gündoğan ao minuto 66’. Até ao final da partida, os spurs não conseguiram contrariar o adversário de maneira alguma e o resultado não sofreu mais alterações.

Com este triunfo, o Manchester City é cada vez mais líder do campeonato, enquanto que o Tottenham continua a marcar passo e vê o pódio cada vez mais longe, ocupando a oitava posição da tabela classificativa.

Anúncio Publicitário

A FIGURA


Ilkay Gündoğan – O internacional alemão voltou a ser destaque na equipa do Manchester City FC ao bisar na partida. Parece que lhe tomou o gosto, visto que tem sido um dos goleadores de serviço dos citizens. Grande exibição.

 O FORA DE JOGO


Ben Davies – O lateral galês suprimiu a ausência de Reguillón, mas o jogo não lhe correu de feição, sendo, na minha opinião, o elemento mais fraco em campo ao longo da partida, num linha defensiva dos spurs que esteve longe de dar conta do recado.

 ANÁLISE TÁTICA – MANCHESTER CITY FC

Organizados num sistema tático em 4-3-3, o Manchester City FC, com Bernardo Silva e João Cancelo no onze titular, confirmaram o favoritismo apontado antes do começo da partida. Com um futebol atacante e assertivo, os citizens não deram qualquer hipótese aos spurs de José Mourinho, acabando por dominar a partida em praticamente todas as suas vertentes.

 

11 INICIAL E PONTUAÇÕES

Ederson (7)

Cancelo (7)

Stones (7)

Laporte (6)

Zinchenko (7)

Bernardo Silva (6)

Rodri (7)

Gündoğan (8)

Sterling (7)

Jesus (7)

Foden (7)

SUBS UTILIZADOS

Torres (6)

 Mahrez (-)

 

ANÁLISE TÁTICA – TOTTENHAM HOTSPUR FC

Os pupilos de José Mourinho apresentaram-se num dispositivo tático de 4-2-3-1. Com algumas novidades no onze inicial, nomeadamente a inclusão de Tanganga na linha defensiva, perante as ausências de Reguillón e Aurier, os spurs sentiram dificuldades em contrariar o caudal ofensivo do Manchester City FC ao longo do encontro. A boa organização e controlo dos espaços demonstrados pela equipa da casa deixaram os visitantes com poucos argumentos para sair do Etihad com outro resultado que não a derrota.

 

11 INICIAL E PONTUAÇÕES

Lloris (6)

Tanganga (6)

Sánchez (6)

Dier (6)

Davies (5)

Ndombélé (6)

Højbjerg (6)

Lamela (6)

Lucas (6)

Son (6)

Kane (6)

SUBS UTILIZADOS

Sissoko (6)

Alli (6)

Bale (6)

Artigo revisto por Mariana Plácido

DEIXE UM COMENTÁRIO

Comente!
Por favor introduz o teu nome