Cabeçalho Liga Inglesa

Wayne Rooney despediu-se do Manchester United para regressar ao Everton, clube onde se formou, e o mundo do futebol não se espantou – mas devia.

O internacional inglês foi contratado pelos red devils com apenas 18 anos, depois de se ter destacado no Euro 2004, realizado em Portugal. Chegou ao United e no primeiro jogo, impôs-se: hat-trick e o «Teatro dos Sonhos» a suspirar por mais.

A verdade é que Rooney fez mesmo de Old Trafford a sua casa e conquistou o seu espaço na equipa, de tal maneira que Alex Ferguson começou a ver no inglês um polivalente capaz de fazer mais do que uma posição com qualidade.

Com isto, o jogador formado no Everton foi-se afastando da sua posição natural (a de avançado) e deixou de ser um jogador de top mundial a jogar perto de baliza, para ser um jogador muito bom a desempenhar vários papéis.

Anúncio Publicitário

A dada altura, Rooney deu a entender que podia entrar na luta pela Bola de Ouro, já naquela altura disputada pelos dois «ET’s» de hoje, e foi insistentemente associado ao Real Madrid, apesar de esse «namoro» nunca se ter concretizado.

O jogador inglês continuou a ter papel de destaque com Alex Ferguson, até que Fergie se reformou e David Moyes assumiu o comando técnico do United.

Com a saída de Ferguson deu-se a queda dos red devils e, consequentemente, a queda de Rooney. Van Gaal foi o senhor que se seguiu e Moyes e o avançado continuou a ver diminuída a sua preponderância no plantel, até chegar a José Mourinho, que construiu uma equipa à volta de Zlatan Ibrahimovic e regelou Rooney, quase sempre, para o banco de suplentes.

O que fica é que o agora jogador do Everton, a dada da carreira e por ser tão completo, começou a ser utilizado em várias posições para «tapar» e perdeu preponderância na posição onde era, realmente, de classe mundial. Perdeu Rooney e perdeu o futebol.

Agora, no Everton, vai tentar terminar a carreira da melhor maneira possível.

Foto de Capa:

Artigo revisto por: Pedro Couto