“A única coisa que posso prometer é construir uma equipa competitiva e corajosa (…) tenho a certeza que vamos construir uma equipa com a qual os adeptos podem ficar orgulhosos. Vai acontecer, tenho a certeza. Uma equipa corajosa e ambiciosa. E se tens esses ingredientes, tens mais possibilidades de ganhar”.

Foi este o discurso de Paulo Fonseca na sua apresentação como novo técnico da AS Roma, histórico clube da capital italiana. Determinado, com vontade de jogar um futebol atrativo e dinâmico, que catapulte os giallorossi de novo para a alta roda do futebol italiano, Paulo Fonseca tem entusiasmado os adeptos romanos nesta pré-época com vitórias, futebol empolgante e eficaz integração dos reforços que recebeu neste defeso, sinónimo de que a direção da AS Roma espera muito desta época.

No que toca à Serie A, Paulo Fonseca terá como missão fazer melhor que o sexto lugar alcançado por Eusebio Di Francesco na temporada transata, ao passo que na Taça de Itália o treinador português tentará melhor que a saída nos quartos-de-final, após derrota humilhante por 7-1 com a AC Fiorentina. A nível europeu, o objetivo passará por alcançar as rondas mais avançadas da Liga Europa, não só pela experiência do clube nas competições da UEFA mas também pela profundidade do plantel à disposição de Paulo Fonseca.

Não será indiferente para o clube a saída do histórico capitão dos romanos, De Rossi, para o Boca Juniors, assim como de Gerso, que se juntou ao Flamengo de Jorge Jesus. Para além destes, Paulo Fonseca viu outras referências deixarem o clube, como Manolas que rumou ao SSC Napoli, Lucas Pellegrini para a Juventus FC, El Shaarawy juntou-se ao Shanghai Shenhua, Marcano regressou ao FC Porto e Ezequiel Ponce deixou os italianos para se juntar aos russos do Spartak Moskovo.

A AS Roma derrotou o Real Madrid esta pré-época
Fonte: AS Roma

No sentido inverso, a AS Roma viu chegar Leonardo Spinazzola por 30 milhões de euros, Pau López por 23,5 milhões e Amadou Diawara por 21. Para a equipa orientada por Paulo Fonseca chegou também o francês Jordan Veretout, por empréstimo da Fiorentina, com opção de compra obrigatória no final da época. Para além disso, o clube da capital italiana conseguiu segurar elementos chave da equipa, como Zaniolo e Cengiz Ünder, que estavam na mira de vários tubarões europeus. Atualmente há ainda a possibilidade de saírem N’zonzi (Galatasaray) e Olsen (SL Benfica, entre outros, na corrida), ao passo que Icardi é alvo para o ataque, apesar das notícias mais recentes apontarem a preferência do jogador pela Juventus.

Relativamente ao trabalho de Paulo Fonseca propriamente dito, a AS Roma obteve bons resultados nos jogos de pré-época, com particular destaque para a vitória frente ao Real Madrid, que permite ao treinador português manter-se invicto desde que chegou ao comando da equipa. Pelo que apresentou na pré-época, o sistema base da AS Roma de Paulo Fonseca deverá ser o 4-3-3, com Pau López na baliza e quarteto defensivo composto por Florenzi, Fazio, Juan e Kolarov. No meio-campo a três, Diawara, Pellegrini, Cristante e Zaniolo irão lutar pela titularidade, enquanto que na frente a referência é Edin Dzeko, apoiada por dois extremos muito verticais, que poderão ser, Ünder, Perotti ou Kluivert. O futebol apresentado pela equipa assentou em transições ofensivas rápidas e um futebol direto, com poucos passes, apostando fortemente na mobilidade dos extremos da equipa, algo que tem encantado os exigentes adeptos giallorossi.

A caminhada para a AS Roma começa no dia 25 de agosto, quando receber o Genoa no Stadio Olimpico para a primeira jornada da Serie A. Paulo Fonseca chegou à capital italiana com muitos créditos após a passagem pelos ucranianos do Shakhtar Donetsk e as primeiras impressões que deixou foram muito positivas, pelo que a expetativa é grande para ver o que irá fazer ao comando deste histórico do futebol italiano.

Foto de Capa: AS Roma

artigo revisto por: Ana Ferreira

Comentários