força da tática

Ponto prévio: Maurizio Sarri é, provavelmente, o melhor treinador italiano da atualidade, sendo o único que domina os quatro momentos de jogo (organização defensiva, transição defensiva, transição ofensiva, e organização ofensiva). Este trata-se, provavelmente, do verdadeiro herdeiro de Arrigo Sacchi, reconhecidamente um dos melhores treinadores da história do futebol.

O SSC Napoli, partindo de um sistema de 4-3-3 com um pivô no meio campo e dois médios interiores, trata-se de um dos mais entusiasmantes projetos futebolísticos da atualidade. Ainda assim, parece claro que falta à equipa alguma qualidade individual em determinadas posições, sem a qual os resultados dificilmente refletirão a verdadeira qualidade das ideias do seu treinador.

Na defesa a quatro, à frente de Pepe Reina, destaca-se Kalidou Koulibaly, certamente um dos melhores defesas centrais do mundo. Com o senegalês em campo é garantido que a fase de construção se liga, com qualidade, com a criação. Neste particular o SSC Napoli trata-se de uma das melhores equipas da atualidade, sendo que a utilização da dinâmica do terceiro homem se revela preciosa nesse momento. Porém, é Koulibaly quem alia à sua capacidade posicional um tremendo conforto para ligar o jogo, em passe vertical, com os médios ou os avançados. Muitas das vezes esse passe é feito por dentro do bloco adversário com o objetivo de ligar o jogo com quem surge entre linhas.

Koulibaly é uma peça-chave na equipa Fonte: Facebook Oficial de Coulibaly
Koulibaly é uma peça-chave na equipa
Fonte: Facebook Oficial de Coulibaly

É esta dinâmica que permite ao SSC Napoli adotar posicionamentos mais ofensivos em campo, ou seja, que permite que os médios interiores não tenham que baixar no terreno para pegar no jogo desde trás, mantendo-se mais próximos das zonas de definição das jogadas onde estes podem ser, efetivamente, mais perigosos. Koulibaly frequentemente realiza passes verticais que ultrapassam, desde logo, um número significativo de adversários e atraem alguns dos opositores da linha defensiva. O apoio frontal liga então com um médio que fica de frente para o jogo e com possibilidades de explorar a profundidade, sobretudo depois do desequilíbrio que é causado pelo arrastamento dos defesas.

Anúncio Publicitário
1
2
Artigo anteriorEm Casa do Sr. Vitória
Próximo artigoFC Porto 5-0 Leicester CFC: Não há fome que não dê em fartura
Apaixonado por futebol desde a segunda infância, Francisco Sampaio tem no FC Porto, desde esse período, o seu clube do coração. Apesar de, durante os 90 minutos, torcer fervorosamente pelo seu clube, procura manter algum distanciamento na apreciação ao seu desempenho. Autodidata em matérias futebolísticas, tem vindo recentemente a desenvolver um interesse particular pela análise tática do jogo. Na idade adulta descobriu a sua segunda paixão, o ténis, modalidade que pratica de forma amadora desde 2014.                                                                                                                                                 O Francisco escreve ao abrigo do novo Acordo Ortográfico.