O 11 internacional do ano

    Com o ano de 2023 perto do seu epílogo, chegou o momento para a habitual eleição do 11 do ano.

    No que toca ao futebol internacional, o Manchester City FC foi rei e venceu quase todos os troféus que disputou. Para além das inúmeras conquistas dos citizens, importa destacar o scudetto conquistado pelo SSC Nápoles, o primeiro do pós-Maradona, o regresso do FC Barcelona aos títulos em Espanha, o décimo primeiro título de campeão consecutivo conquistado, in extremis, pelo FC Bayern de Munique, numa época, apesar de tudo, bastante abaixo das expectativas bávaras ou uma formalidade chamada Paris Saint-Germain em França.

    Para a eleição do melhor 11 internacional do ano, considerámos o sucesso desportivo e o desempenho individual como critérios fundamentais e juntamos-lhe, como não podia deixar de ser, uma pitada do gosto pessoal do nosso redator.

    Eis os onze magníficos eleitos.

    Guarda-Redes

    Fonte: Inter de Milão

    André Onana – O guarda-redes camaronês não é o melhor na sua posição (provavelmente não está, sequer, no top 5) a nível mundial e os primeiros tempos no Manchester United FC até vêm sendo marcados por alguma irregularidade, mas integra o onze do ano como representante e peça chave da fantástica campanha do Inter de Milão rumo à final da Liga dos Campeões. Somou defesas e exibições de alto gabarito na prova milionária e beneficia, também, do facto de nenhum guarda-redes se ter destacado acima dos demais ao longo do ano.

    Defesa Esquerdo

    Fonte: AC Milan

    Theo Hernández – Foi, de todas, a escolha mais difícil. Não pela abundância de opções, mas precisamente pelo contrário. Não creio que tenha havido um lateral esquerdo a destacar-se acima de todos os outros e, por isso, a preponderância de Theo na caminhada do AC Milan até à meia-final da Liga dos Campeões, garantem-lhe lugar na lista. Depois de um início de carreira irregular, é, hoje, um dos mais cintilantes, nomeadamente, no plano ofensivo.

    Defesa Central

    Fonte: Manchester City FC

    Rúben Dias – Foi o patrão da defesa que conquistou praticamente tudo o que havia para conquistar e isso, numa equipa que faz alinhar vários jogadores que alinham preferencialmente no eixo defensivo, já diz muito sobre a época que realizou. É esteio na seleção nacional e uma referência e uma referência mundial na posição.

    Defesa Central

    Fonte: Arsenal FC

    William Saliba – Poderá não ser a mais unânime das escolhas, nomeadamente entre os menos atentos à modalidade, mas as exibições do jovem francês ao serviço do Arsenal FC e da seleção francesa colocam-no, atualmente, como um dos melhores do planeta na posição. Não terá sido por acaso que foi num período em que esteve ausente por lesão que os gunners se tenham deixado ultrapassar pelo Manchester City na reta final da Premier League 2022/2023. Com a classe de Saliba, há mesmo muito poucos a nível mundial.

    Defesa Direito

    Di Lorenzo a jogar no Napoli
    Fonte: SSC Napoli

    Giovanni Di Lorenzo – Não foi o ano mais entusiasmante para os jogadores das laterais defensivas. O campeão europeu jogou quase sempre sem eles e jogadores como João Cancelo ou Alexander Arnold tiveram um ano atípico. Por tudo isto, optamos por Di Lorenzo que que realizou a melhor época da carreira, é dono do posto na seleção italiana e capitaneou o SSC Nápoles rumo à conquista do scudetto tantas décadas depois da última vez. Não é o melhor na posição, mas fez por merecer a eleição.

    Médio

    Rodri com prémio no Mundial de Clubes
    Fonte: Manchester City FC

    Rodri – Não estamos habituados a ver um médio defensivo no top 5 da Bola de Ouro e a presença de Rodri nesse lote restrito atesta bem a qualidade apresentada pelo médio espanhol ao longo do ano. Conquistou tudo pelo Manchester City e juntou, também, ao seu palmarés, a Liga das Nações ao serviço da seleção espanhola. Foi o farol do meio-campo dos campeões europeus e foi dele o golo que resolveu a final de Istambul.

    Médio

    Jude Bellingham Real Madrid
    Fonte: Real Madrid CF

    Jude Bellingham – É a nova coqueluche do futebol mundial. Transferiu-se para o Real Madrid CF a meio do ano e é muito pelo que tem feito em campo desde então que tem lugar cativo neste onze. Esta época já bateu alguns registos goleadores de Cristiano Ronaldo na sua primeira época na capital espanhola e foi MVP do clássico frente ao FC Barcelona. É um médio de classe, capaz no passe, no transporte e na finalização. Na primeira metade do ano alinhou pelo Borussia de Dortmund e foi figura maior da equipa que quase destronou o Bayern de Munique na Alemanha.

    Médio

    Bernardo Silva com bola
    Fonte: Manchester City FC

    Bernardo Silva«Bernardo Silva é um dos jogadores mais incríveis que já vi. Ele usa o seu cérebro durante todo o jogo e é alguém com quem procuro sempre aprender.» A afirmação é de Phil Foden (proferida há dias após um jogo do Manchester City frente ao Everton FC), estrela inglesa e colega de equipa de Bernardo, e não é muito diferente do que Pep Guardiola vem apregoando há anos. Faz tudo bem e sempre com a inteligência e o requinte de um predestinado. É o melhor jogador português da atualidade e tem que fazer parte deste onze.

    Médio

    Manchester City com motivos para sorrir por regresso de Kevin De Bruyne
    Fonte: Manchester City FC

    Kevin De Bruyne – Apesar de um ano marcado por períodos de ausência devido a problemas físicos, seria impossível deixar de fora o mago belga no ano da consagração do Manchester City. É, atualmente, o melhor playmaker do mundo e voltaram a sair dos pés de De Bruyne as mais brilhantes jogadas protagonizadas pela equipa de Guardiola. Junta qualidade no remate a uma ímpar visão de jogo e prodigiosa capacidade no passe.

    Avançado

    Kylian Mbappé a celebrar golo
    Fonte: PSG

    Kylian Mbappé – É, provavelmente, o melhor jogador do mundo da atualidade. Veloz, ágil, potente, fantasista e finalizador. O avançado francês é o pacote completo e voltou a protagonizar um ano de alto nível ao serviço do PSG e da seleção francesa. Já esteve perto de deixar o conjunto da capital francesa e se quer tornar-se candidato mais óbvio a todos os prémios individuais, terá que dar esse passo no próximo verão. O Real Madrid vai suspirando por Mbappé, mas há rumores de que alguns clubes da Premier League trabalham nos bastidores para o desviar.

    Avançado

    Haaland celebra golo
    Fonte: Manchester City FC

    Erling Haaland – É provável que os recordes e registos goleadores de Cristiano Ronaldo e Lionel Messi permaneçam nos livros de recordes por várias décadas, mas se há jogador, no panorama do futebol atual, que corre para os desafiar é o gigante Norueguês. Não é o avançado mais vistoso, mas é o mais profícuo do futebol mundial. O ano de 2023 foi mais um marcado por golos em catadupa, coroando Haaland como bota de ouro europeu e melhor marcador da Liga dos Campeões. O título mundial da Argentina e de Messi no final de 2022, tiraram-lhe a Bola de Ouro.

    - Advertisement -

    Subscreve!

    Artigos Populares

    Nicolò Zaniolo deixa farpa para Tiago Pinto: «Dá tempo ao tempo, tudo volta»

    Nicolò Zaniolo deixou uma provocação para Tiago Pinto. Em...

    A caminhada até Paris #5: Ténis

    O ténis nasce no século XIX em Inglaterra, contudo...

    Nunca ninguém duvide do talento de Max Verstappen | Fórmula 1

    Depois de uma vitória de Lando Norris em Miami,...

    Cagliari perde com Fiorentina na despedida de Claudio Ranieri

    O Cagliari perdeu com a Fiorentina na última jornada...
    Bernardo Lobo Xavier
    Bernardo Lobo Xavierhttp://www.bolanarede.pt
    Fervoroso adepto do futebol que é, desde o berço, a sua grande paixão. Seja no ecrã de um computador a jogar Football Manager, num sintético a jogar com amigos ou, outrora, como praticante federado ou nos fins-de-semana passados no sofá a ver a Sporttv, anda sempre de braço dado com o desporto rei. Adepto e sócio do FC Porto e presença assídua no Estádio do Dragão. Lá fora sofre, desde tenra idade, pelo FC Barcelona. Guarda, ainda, um carinho muito especial pela Académica de Coimbra, clube do seu pai e da sua terra natal. De entre outros gostos destacam-se o fantástico campeonato norte-americano de basquetebol (NBA) e o circuito mundial de ténis, desporto do qual chegou, também, a ser praticante.