A CRÓNICA: GOLOS, EMOÇÕES E UM ESPETÁCULO INESQUECÍVEL

Depois da intensa batalha (3-2 para o BVB Dortmund) para a Liga Alemã, as equipas enfrentaram-se de novo – desta vez na final da Taça da Alemanha. Esperava-se um jogo  com muitos golos e emoções ao rubro, com magia e esperança de parte a parte. Só restava saber quem seria feliz e levantaria a taça: RB Leipzig pela primeira vez, ou BVB Dortmund pela quinta vez?

Quatro minutos foi o que o Dortmund e Jadon Sancho precisaram para arquitetar um golo-maravilha. Não havia tempo a perder. O espetáculo acabava de começar e prometia não ficar por ali. Nos minutos posteriores, assistiu-se a um jogo mais equilibrado, com ambas as equipas encaixadas estrategicamente.

À passagem do minuto 27, a bola chegou a Haaland e, naturalmente, chegou também ao fundo das redes, depois de uma belíssima arrancada do jovem norueguês. Nada que não estivéssemos à espera, pois cada vez mais Haaland é sinónimo de golo. 2-0 para o Dortmund e segue jogo. Embora o RB Leipzig estivesse superior coletivamente, o talento individual da formação amarela levou a melhor, conseguindo manipular o marcador. Não há duas sem três e Jadon Sancho marcou o 3-0 à entrada do intervalo. Sensacional a primeira parte do internacional inglês.

Na segunda parte, o RB Leipzig entrou melhor em campo, com uma bola na trave e diversas oportunidades de golo subsequentes, face às alterações de Nagelsmann. Até que, aos 71 minutos, Dani Olmo disparou para o 1-3 e iluminou timidamente o caminho dos Die Bullen. Mesmo que fosse muito difícil, o sonho ainda estava vivo. Constatava-se um claro crescimento do Leipzig à medida que o tempo passava.

Anúncio Publicitário

Contudo, aos 87 minutos, Haaland marcou em desequilíbrio e destruiu os sonhos dos Die Bullen em definitivo, fazendo o 1-4. Ficava certo que seria o Dortmund a colocar as duas mãos na Taça da Alemanha. Desta lado, resta agradecer aos deuses do futebol por 90 minutos de imensa qualidade!

 

A FIGURA

Jadon Sancho – Podia estar a escrever sobre qualquer um dos três atacantes: Reus, Haaland ou Sancho. Contudo, a meu ver, o prémio de figura de jogo vai para o jovem inglês. Fez um jogo sensacional do início ao fim: dois golos e uma assistência. A sua velocidade, drible e visão de jogo merecem ser falados. É uma autêntica pérola este jogador.

O FORA DE JOGO

Falta de eficácia do RB Leipzig – Considero que fizeram um bom jogo, estavam bem alinhados estrategicamente. No entanto, faltou-lhes critério no momento de finalização. Se não fosse pela falta de eficácia, a história podia ser outra. Ainda assim, merecem uma salva de palmas por tudo o que fizeram até aqui.

 

ANÁLISE TÁTICA – RB LEIPZIG

Em jogo de final da Taça da Alemanha, Julian Nagelsmann optou pelo seu clássico 3-1-4-2 para concluir a respetiva missão: conquistar o primeiro troféu do clube. Com a função de defender as redes, entrou em campo Péter Gulácsi, apoiado por três defesa à sua frente: Halstenberg, Upamencano e Klostermann.

No meio-campo, Kevin Kampl aparece em zonas mais recuadas, porém verificou-se muitas vezes uma linha de cinco médios. Estrategicamente, tinham a função de dominar a zona interior, o que se sucedeu em certos momentos.

No plano ofensivo, Hwang e Sorloth foram as opções iniciais do técnico alemão com o objetivo de atacar as redes de Burki – algo que fracassaram, sendo ambos substituídos ao intervalo por Poulsen e Nkunku.

11 INICIAL E PONTUAÇÕES

Péter Gulácsi (5)

Marcel Halstenberg (6)

Dayot Upamencano (6)

Lukas Klostermann (5)

Kevin Kampl (6)

Marcel Sabitzer (7)

Amadou Haidara (6)

Dani Olmo (7)

Nordi Mukiele (6)

Hee-Chan Hwang (5)

Alexander Sorloth (5)

SUBS UTILIZADOS

Yussuf Poulsen (7)

Benjamin Henrichs (6)

Emil Forsberg (6)

Christopher Nkunku (7)

Konrad Laimer (6)

 

ANÁLISE TÁTICA – BVB DORTMUND

Edin Terzic apostou num sistema tática que não é muito frequente utilizar: o 4-3-3. No processo defensivo, jogou com um conjunto de quatro defesas, sendo que os laterais Raphael Guerreiro e Lukasz Piszczek abriam nas alas. Durante o jogo, os médios Dahoud e Belligham (na primeira parte) procuraram segurar o esférico e jogar na profundidade e velocidade do tridente ofensivo: Sancho, Haaland e Reus). Deste modo, constataram-se vários ataques rápidos, sustentados por bolas longas.

11 INICIAL E PONTUAÇÕES

Roman Burki (6)

Raphael Guerreiro (6)

Mats Hummels (7)

Manuel Akanji (7)

Lukasz Piszczek (6)

Emre Can (6)

Jude Bellingham (7)

Mahmoud Dahoud (7)

Jadon Sancho (9)

Marco Reus (8)

Erling Braut Haaland (8)

SUBS UTILIZADOS

Thorgan Hazard (6)

Thomas Delaney (6)

Giovanni Reyna (-)

Julian Brandt (-)

Thomas Meunier (-)

DEIXE UM COMENTÁRIO

Comente!
Por favor introduz o teu nome