Cabeçalho Futebol Internacional

A Croácia é uma das boas seleções do futebol europeu desde que alcançou a independência da Jugoslávia, em 1991. Não sendo nenhuma grande potência como Alemanha ou Espanha, os croatas têm sido presença constante nas grandes competições de seleções. Em Europeus, vão para a sua quinta participação em seis possíveis. As melhores prestações foram conseguidas em 1996, ano de estreia, e em 2008, com presenças nos quartos de final.

Já se ampliarmos o raio de análise aos Mundiais, verificamos que desde o Euro’96, os balcânicos apenas falharam dois grandes torneios de seleções: o Euro’2000 e o Mundial’2010, ambos em clara fase de “transição de gerações”. De todas estas participações, fica na retina o brilhante terceiro lugar alcançado no Mundial de França, em 1998. Após garantir a passagem da fase de grupos, em conjunto com a Argentina, a Croácia, orientada na altura por Miroslav Blazevic, derrotou a Roménia nos oitavos de final e deu uma tareia aos alemães. Despachou os germânicos por 3-0 e só caiu aos pés da seleção anfitriã, perdendo por 2-1, num jogo marcado por dois golos do improvável Lilian Thuram. Além disso, o melhor marcador da competição foi um croata, Davor Suker, com seis golos apontados. Agora, voltam ao palco onde foram felizes há 18 anos. O atual presidente da federação é precisamente Davor Suker, o goleador do França’98.

Na fase de qualificação para este Europeu, a Croácia viu-se envolvida no Grupo H, juntamente com Itália, Noruega, Bulgária, Azerbaijão e Malta. Aparentemente, os croatas eram, juntamente com os italianos, os principais favoritos às duas vagas de apuramento direto, contudo, a tarefa foi bastante dificultada pela seleção nórdica, que terminou a um ponto dos croatas. A equipa balcânica, ainda orientada por Niko Kovac, teve um início bastante positivo com quatro vitórias e um empate (com a Itália) nos primeiros cinco jogos. Além disso, duas dessas vitórias foram goleadas a Azerbaijão e Noruega.

A segunda volta da qualificação começou com mais um empate frente aos italianos, um resultado até positivo, mas o empate com o Azerbaijão e o desaire na Noruega fizeram a equipa cair para o terceiro lugar do grupo e levaram à saída do selecionador Niko Kovac. Veio Ante Cacic para o seu lugar e os “axadrezados” venceram as duas últimas partidas, frente a Bulgária e Malta. Para garantirem a qualificação direta, os croatas precisaram da derrota da Noruega em Itália, num jogo em que os italianos consumaram a reviravolta apenas aos 82 minutos. Foi, por isso, uma qualificação tirada a ferros para a equipa nacional da Croácia. O principal destaque neste período foi Ivan Perisic, que marcou seis golos e fez três assistências nos nove encontros em que participou na fase de apuramento.

Anúncio Publicitário

Comentários

1
2
3
4
5
6
7
8
Artigo anteriorVenham mais dez!
Próximo artigoGiro d’Itália 2016: Nibali de vilão a herói
Apaixonado por futebol, antes dos livros da escola primária já lia jornais desportivos. Seja nas tardes intermináveis a jogar, nas horas passadas no FIFA ou a ver jogos, o futebol está sempre presente. Snooker, futsal e andebol são outras paixões. Em Portugal torce pelo Sporting; lá fora é o Barcelona que lhe enche as medidas. Também sonha ver o Farense de volta à primeira…                                                                                                                                                 O Diogo escreve ao abrigo do novo Acordo Ortográfico.