Cabeçalho Seleção Nacional

Podia ser sempre assim…

Depois de uma conturbada qualificação, onde o vídeo-árbitro deu uso a toda a sua utilidade, avizinhava-se um jogo muito difícil contra os anfitriões do torneio, a Coreia do Sul.

Um jogo onde Emílio Peixe protagonizou cinco alterações face ao último encontro, um pouco à semelhança dos jogos anteriores. Saíram Francisco Ferreira, Florentino, Miguel Luís, José Gomes e André Ribeiro, entrando Rúben Dias (regressado de castigo), Pêpê, Xadas, Xande Silva e Bruno Costa. Alterações que Emílio Peixe entendeu para este jogo.

Portugal tinha de melhorar a sua qualidade de jogo e eficácia para levar de vencida a seleção sul coreana e qualificar-se para a próxima fase da competição.

Anúncio Publicitário

Um início de jogo morno, típico de um jogo a eliminar, com ambas as equipas com prudência na abordagem de jogo, privilegiando o equilíbrio. A equipa da Coreia do Sul a privilegiar o toque de bola mais curto, com várias tabelas no miolo do terreno e Portugal, quando a bola chegava à ala direita do campo, tanto a Diogo Gonçalves como a Diogo Dalot, Portugal criava perigo. Aos 9’, no primeiro lance de perigo do jogo, Yuri Ribeiro a ser lançado em profundidade por Bruno Costa, serve Bruno Xadas que, na entrada da área, e de pé esquerdo, a colocar a bola rente ao poste. Grande lance, numa transição rápida e que demonstra a qualidade da equipa portuguesa.

O jogo ter-se-ia de abrir e a Coreia conseguia penetrar no miolo do terreno com alguma facilidade, e Portugal recuava no terreno, dando a iniciativa à equipa da casa. Portugal chegava aos 20’ de jogo na expectativa, fruto do golo que permitiu à equipa jogar mais na defensiva e resguardar-se, estando bem organizada defensivamente mas com dificuldades no processo ofensivo, recorrendo a demasiadas bolas longas, jogo em que Portugal não se sente tão confortável.

Depois de dois lances algo confusos em ambas as áreas, num lance de fortuna para Portugal com a bola a sobrar para Bruno Costa, este a rematar com o pé direito, rasteiro, com a bola a sair muito colocada, sem hipóteses para o guardião sul coreano. Estava feito o segundo ao minuto 27’. A sorte aparecia, após jogos em que houve, manifestamente, falta dela.

Aos 39’, cruzamento venenoso de Diogo Dalot da direita com Xande Silva a aparecer ao segundo psote mas a não conseguir fazer a emenda. Lance perigoso da seleção das quinas que estava melhor no jogo.

Portuga terminava a primeira parte por cima do jogo, com ataques que abalavam a defesa sul coreana que estava intranquila e, por outro lado, Portugal a rubricar a exibição mais equilibrada e completa desta prova. Os golos demonstravam a maturidade e a concentração com que a equipa estava a enfrentar este jogo.

Apoio não faltou à seleção coreana Fonte: Once a Metro
Apoio não faltou à seleção coreana
Fonte: Once a Metro

Para a segunda parte esperava-se uma Coreia do Sul mais atrevida mas sem conseguir, no início da segunda parte, incomodar Diogo Costa. Aos 51’, lance muito confuso após canto de Bruno Xadas em que Jorge Fernandes, atira a bola à figura do guarda-redes sul coreano, perdendo-se uma clara oportunidade de golo. Portugal continuava a apertar e Diogo Gonçalves, no minuto a seguir, a ter mais uma boa ocasião, por intermédio de Diogo Gonçalves com o guardião da equipa da casa a fazer uma boa defesa. Melhor fase de Portugal, a impor respeito e a superioridade.

Aos 59 minutos, Bruno Costa a testar atenção da defesa da Coreia do Sul. Aos 60’, falta perigosa de Rúben Dias a ser bem amarelado mas com a bola a não levar perigo para a baliza de Diogo Costa. Excelente início de segunda parte da equipa de Portugal, a dominar o rumo dos acontecimentos.

Aos 63’, falta de Jorge Fernandes à entrada da área e com o livre a levar perigo, tendo a bola batido na malha lateral da baliza portuguesa. Lance controlado por Diogo Costa.

Primeira substituição de Emílio Peixe a ocorrer ao minuto 65, com a saída de Pedro Delgado e com a entrada de Gedson. Troca por troca no meio campo português. Aos 68’, após uma boa saída de bola em transição, Portugal a fazer um excelente lance de ataque com um remate de Gedson a sair ao lado.

Bruno Xadas, num lance individual, após passe de Bruno Costa, a protagonizar um belo golo, concluindo uma jogada de insistência aos 69’.

Diogo Costa a ser gigante ao minuto 72’, defendendo um remate na pequena área, com enormes reflexos e sentido de baliza.

Ao minuto 73, substituição na equipa de Portugal, saindo Bruno Costa (que grande jogo), com a entrada de Miguel Luís.

A equipa de Portugal a sofrer um golo ao minuto 80, demonstrando passividade na defesa com o jogador sul Lee Sangheon a marcar num remate colocado. Portugal a sofrer sem necessidade, com o jogo controlado, a dar esperança à equipa da casa.

Últimos dez minutos com Portugal muito encostado à sua área e oferecer a bola à Coreia do Sul.

Mas, não apaga o excelente jogo que Portugal fez, o melhor até ao momento no torneio com muita competência tanto a defender como a atacar, mostrando eficácia e compreensão dos momentos de jogo.

 Foto de Capa: Foto: EPA/Jeon Heon-Kyun

1
2
3
Artigo anteriorSporting campeão nacional de juniores
Próximo artigoOs 5 Jogadores mais Influentes da Época
Eterno apaixonado por futebol, tem no Porto a sua eterna paixão. A atualidade desportiva faz parte da sua génese, lendo desde muito novo os jornais desportivos cuja leitura o avô lhe incutia. Vê jogos de futebol com o seu pai desde os três meses de idade (de pequenino é que se torce o pepino). Joga futebol e futsal com os amigos sempre que pode. Tem também pelo ciclismo um apreço especial. Fora de Portugal é adepto incondicional do Tottenham Hotspur e do Real Madrid.                                                                                                                                                 O Telmo escreve ao abrigo do novo Acordo Ortográfico.