cab seleçao nacional portugal

Não interpretem este texto como uma tentativa desesperada de defender Paulo Bento. Não o é. Há muitas decisões questionáveis e com as quais não concordo. Aliás, o atual selecionador nacional não é, de todo, o meu protótipo de treinador ideal. Não o acho brilhante taticamente, mas compensa muito na vertente humana. É um treinador que joga muito com a componente psicológica e que facilmente consegue tirar o melhor proveito dos seus jogadores.

Com esse efeito, nota-se que Paulo Bento quer formar uma equipa na Seleção Nacional. Que o “núcleo forte” está lá e que não deve mexer muito até que ele, um dia, saia do comando técnico. E com isto, aumentar o entrosamento e a boa convivência entre os seus atletas. Uma medida que não é nova e que, para quem leu estas primeiras frases do meu texto, até poderá pensar que tudo isto parecia uma descrição quase perfeita de Luís Felipe Scolari, antigo treinador da Seleção Nacional. De facto, não é. Mas poderia ser. Parecendo que não, Paulo Bento e Scolari até têm várias semelhanças entre si. Ambos foram/são muito criticados pelas opções que vão tomando e, de uma forma ou de outra, acabam por conseguir resultados aceitáveis. Scolari conseguiu sempre a qualificação para as fases finais das competições e Paulo Bento, até ver, está na luta e na única tentativa que teve (recordo que até entrou com uma derrota e um empate… frente ao Chipre) de entrada para uma fase final, conseguiu cumprir a tarefa com sucesso e só foi eliminado nas meias-finais pela futura campeã europeia, Espanha (e, já agora, apenas por grandes penalidades. Espanha essa que, aliás, bateu a Itália na final por 4-0).

Paulo Bento / Fonte: http://www1.pictures.zimbio.com/
Paulo Bento / Fonte: http://www1.pictures.zimbio.com/

Atualmente, há, de facto menos qualidade no plantel da Seleção. Culpa de Paulo Bento? Não. Já falhou algum objetivo? Também não. Portanto, todas estas críticas que o treinador português tem recebido são extremamente injustas, para além de infundadas. Não se pode apontar o dedo a um treinador que cumpriu com todos os objetivos até ao momento. Se não for ao mundial, aí, sim, a história pode ser outra. Mas, por agora, todos os portugueses devem (ou deveriam) estar com Paulo Bento. Não importa se preferem A, B ou C. Não importa se deveríamos apostar no esquema X ou Y. Importa lembrar de que estamos na luta. Houve alguns resultados menos conseguidos, é verdade. Mas os objetivos permanecem intactos.
Eu continuo a acreditar em Paulo Bento e na presença de Portugal no Mundial’2014. Aliás, acredito que se formos à fase final, podemos fazer nova boa campanha e, aqueles que agora pedem a demissão do selecionador nacional vão ser também os que vão apoiar a sua futura renovação. Portanto, até que me prove o contrário, Paulo Bento é o homem certo para estar à frente da Seleção. E eu estou do seu lado.

Artigo anteriorOrgulho português dentro de água
Próximo artigoO Regresso da Taça
O Mário é o fundador do “Bola na Rede” e a pessoa que mete ordem na malta. Adora quase todas as vertentes do desporto (talvez só não goste mesmo de cricket). Já pensou em ser treinador de futebol por causa de José Mourinho, mas, infelizmente, a coisa não avançou e preferiu dedicar-se ao bitaite desportivo.                                                                                                                                                 O Mário escreve ao abrigo do novo Acordo Ortográfico.