Terminada mais uma época desportiva ao nível dos clubes, todo o universo do futebol se centra agora no Mundial da Rússia.

Portugal, inserido no grupo B, estreia-se no segundo dia de competição, frente à Espanha. No entanto, a preparação da Seleção Nacional já há muito teve início. Um mês antes do pontapé de saída na Rússia, Fernando Santos anunciou uma das decisões mais importantes: os 23 convocados para a fase final.

Face a um leque de opções alargado, o Engenheiro optou pela variedade. No grupo que vai seguir viagem para a Rússia, todos os jogadores apresentam caraterísticas diferentes, tendo utilidades repartidas pelos diversos contextos.

Assim, até à estreia da Seleção Nacional, o Bola na Rede vai definir, numa palavra, aquele que pode ser o principal contributo de cada jogador para a equipa das Quinas.

Gonçalo Guedes: Explosão.

Anúncio Publicitário

Longe vão os tempos em que Guedes era visto como um extremo.

Depois de se ter estreado na equipa principal do Benfica como um jogador de faixa, o jovem só exponenciou verdadeiramente o seu futebol quando passou para o corredor central e hoje é esse o seu lugar natural.

Embora não se tenha conseguido afirmar no Paris Saint Germain, em Espanha brilhou e o Valência estará disposto a pagar algo como 50 milhões de euros para o contratar.

No contexto da Seleção Nacional, Guedes é o único jogador verdadeiramente parecido com Cristiano Ronaldo. Muito veloz e com uma enorme potência, o ainda jogador do PSG representa, sem ser um ponta de lança, um perigo real para as balizas adversárias.

A sua utilização na Rússia é ainda incerta, mas só o facto de colocar em causa a titularidade de André Silva já é ilustrador da sua evolução. A decisão, provavelmente, dependerá dos contextos e da vontade de Fernando Santos contar, ou não, com uma referência fixa na área. Mas da utilidade de Gonçalo Guedes já ninguém duvida.

 

Foto de Capa: Federação Portuguesa de Futebol

Artigo revisto por: Rita Asseiceiro