Anterior1 de 3Próximo

Impróprio para cardíacos! O Liverpool conquistou a Supertaça europeia, ao derrotar o Chelsea nas grandes penalidades (2-2 no final do prolongamento). O vencedor da Liga Europa até apresentou maior qualidade a nível coletivo, com a reorganização do meio-campo por parte de Frank Lampard, mas a sorte acabou por sorrir aos campeões europeus. O troféu volta a Inglaterra passado 14 anos; na altura, os reds bateram o CSKA de Moscovo por 3-1.

A 44ª edição da Supertaça europeia mesmo antes de começar ficou marcada pela arbitragem: Stéphanie Frappart, árbitra francesa de 35 anos, tornou-se na primeira mulher a dirigir uma partida de futebol masculino da UEFA. Frappart já tinha estado num desafio da Ligue 1 em abril e foi também a juíza da final do Mundial feminino deste ano.

No Vodafone Park, em Istambul, o aroma era a Premier League, não só pelo ambiente nas bancadas, como pelo jogo corrido dentro das quatro linhas. O Liverpool entrou melhor e com mais bola, mas o trio do meio-campo do Chelsea ia tomando conta das ocorrências. Logo aos seis minutos ainda se reclamou penálti a favor dos reds, mas Frappart nada assinalou.

A primeira oportunidade de golo do encontro surgiu apenas aos 16 minutos, quando Salah, na cara de Kepa, obrigou o guardião espanhol a efetuar uma defesa estrondosa. Seis minutos depois, era a vez de Pedro, na baliza contrária, acertar com a bola na barra.

A partir dos 25 minutos de jogo, o Chelsea melhorou substancialmente e pelos pés dos seus criativos ia conseguindo explorar as costas da defesa dos reds. Contudo, à meia hora de jogo o Liverpool esteve novamente próximo de inaugurar o marcador, mas o cabeceamento de van Dijk saiu por cima.

A confirmar o crescendo exibicional, os blues chegaram à vantagem, aos 36 minutos, pelo intermédio de Giroud: Pulišić encontrou uma linha de passe entre os centrais de Klopp e o francês atirou para o fundo das redes. O jovem norte-americano espalhava magia pelo relvado e cinco minutos depois do 1-0 colocou a bola dentro da baliza de Adrián. Porém, o ex-Borussia Dortmund estava em posição irregular e o golo foi invalidado.

Olivier Giroud abriu as hostes em Istambul
Fonte: UEFA

Na entrada para o segundo tempo, Klopp lançou Firmino na partida e a substituição teve efeito imediato: dois minutos decorridos e o avançado brasileiro assistia Mané, que fazia o empate em Istambul.

A quinze minutos dos 90’, Kepa voltou a estar em destaque entre os postes, ao protagonizar duas defesas monumentais: num primeiro instante,  negou o golo a Salah e, no ressalto, van Dijk também não levou a melhor sobre o guarda-redes do Chelsea.

Aos 84 minutos, o recém-entrado Mason Mount colocou o esférico no fundo das redes de Adrián, mas mais uma vez a bandeirola de fora-de-jogo foi levantada.

O jogo ia até ao prolongamento e no quinto minuto do tempo extra o Liverpool passava para a frente do marcador: Firmino e Mané combinaram na perfeição, o senegalês não deu hipóteses a Kepa e bisou na partida.

A vantagem dos reds, no entanto, apenas durou cinco minutos: Adrián fez falta sobre Abraham dentro de área, Frappart não teve dúvidas e apontou para a marca de grande penalidade. Dos 11 metros, Jorginho converteu bem ao seu estilo e fez o 2-2.

Já na segunda parte do prolongamento, aos 113 minutos, Mason Mount viu Adrián negar-lhe o 3-2 com uma defesa soberba. A decisão da Supertaça europeia passava pela lotaria das grandes penalidades.

Adrián, com a ponta da chuteira, defendeu o penálti e foi recebido pelos colegas como um herói
Fonte: Liverpool FC

Da marca dos 11 metros, o jovem Abraham acabou por permitir a defesa de Adrián no quinto penálti do Chelsea e entregou a vitória ao Liverpool, que juntou assim mais um palmaré europeu ao seu museu.

Conversão das grandes penalidades, primeiro o Liverpool e depois o Chelsea: Firmino marcou; Jorginho marcou; Fabinho marcou; Barkley marcou; Origi marcou; Mount marcou; Alexander-Arnold marcou; Emerson marcou; Salah marcou; Abraham falhou.

ONZES INICIAIS E SUBSTITUIÇÕES:

Liverpool FC: Adrián, Gomez, Matip, van Dijk, Robertson (Alexander-Arnold, 91’); Fabinho, Milner (Wijnaldum, 64’), Henderson; Oxlade-Chamberlain (Firmino, 46’), Mané (Origi, 103’), Salah.

Chelsea FC: Kepa, Azpilicueta, Zouma, Christensen (Tomori, 85’), Emerson; Kanté, Jorginho, Kovačić (Barkley, 101’); Pulišić (Mount, 74’), Pedro, Giroud (Abraham, 74’).

Anterior1 de 3Próximo

Comentários