Quando uma instituição como um clube é criada, os seus fundadores provavelmente não pensam em como se estão a imortalizar na história do desporto. 100 anos de existência é um feito ao alcance de poucos clubes, e, este ano, o Boa Hora FC vai entrar nesse lote privilegiado.

A principal modalidade é o andebol. Aposta-se principalmente na formação e na equipa de seniores, que participa na I divisão – esta temporada, terminou no terceiro lugar do grupo B e contou o segundo melhor marcador da prova, Luís Nunes, lateral de 39 anos, com 257 golos em 39 jogos.

Na origem, em 1918, está um grupo de jovens que queria praticar futebol no bairro da Ajuda, em Lisboa. Hoje em dia, o clube conta com diversas modalidades, como o andebol, o ténis, o ténis de mesa, o basquetebol ou o futsal.

O Boa Hora FC abandonou a prática de futebol em 1992 e aproveitou o espaço que ficou inutilizado para construir um pavilhão gimnodesportivo. A modalidade predileta passou a ser o andebol, onde passaram jogadores internacionais, como Ricardo Andorinho ou Jorge Menezes. O pavilhão Francisco Tavares/ROFF, situado na Rua da Aliança Operária, é o espaço que recebe as equipas do Boa Hora com uma capacidade para cerca de 650 pessoas.

O Boa Hora comemora o 100.º aniversário no dia 13 de julho de 2018
Fonte: Boa Hora FC

A direção lançou o Livro do Centenário do Boa Hora – é contada com detalhe a história, acompanhada de relatos de personalidades afetas ao Boa Hora.

O presidente, José Ramos, experiência “um momento único” juntamente com o clube que já serve há vários anos: “A direção tem trabalhado muito para que este ano seja inesquecível. Fazer parte dos 100 anos é fantástico.

No futuro, “é para continuar o bom trabalho, a aposta em jovens, e tornar o clube cada vez mais saudável”, antevê o dirigente. Acabar no grupo A do campeonato nacional de andebol é uma perspetiva para o clube da Ajuda, mas o “mais importante é sempre a manutenção”: “Era um feito! [Se isso acontecesse] estávamos muito bem.

Para comemorar o centenário, o clube convidou todos os sócios, adeptos e colaboradores para jantar, no dia 13 de julho (dia do aniversário), na Junta de Freguesia de Alcântara, onde se perspetiva uma festa em grande – “uma demonstração do que é o Boa Hora”, como sublinha José Ramos.  Espera-se que estejam presentes todas as glórias que fazem e fizeram parte do clube nas várias modalidades. Até ao fim do ano, serão organizados torneios comemorativos.

O Boa Hora, que já passou por momentos difíceis, atravessa um momento saudável, com a presença na I divisão de andebol consolidada, e com um ecletismo surpreendente – é caso para dizer que é boa hora para se celebrar um século de existência.

Foto de Capa: Boa Hora FC

Comentários